sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

A DISPUTA PELA AMÉRICA LATINA – POR ALFREDO SERRANO MANCILLA

(Foto: Nodal)
O ponto de bifurcação da região está na volta da esquina: ou uma América Latina balcanizada pilotada a partir de fora pela hegemonia neoliberal, ou pelo contrário, um bloco mais integrado ainda que isso não queira dizer que seja monolítico.
Por Alfredo Serrano Mancilla (*) – reproduzido do portal Nodal – Notícias da América Latina e Caribe, de 28/01/2016 (em espanhol)
La IV Cumbre CELAC transcurre en la mitad del mundo (Quito, Ecuador) con el trasfondo de una América Latina en plena disputa. Los procesos posneoliberales afrontan seguramente sus momentos más complicados de los que se sucedieron a lo largo de este cambio de época. Las tensiones son cada vez más acuciantes. Son tensiones propias de las múltiples contradicciones surgidas al calor de la propia dinámica de un vertiginoso proceso de cambio. Hace algunos años, en el 2009, el vicepresidente boliviano Álvaro García Linera ya alertaba precisamente sobre esta disputa para el caso boliviano, en su libro Las tensiones creativas de la revolución. Esta advertencia es hoy absolutamente extrapolable y de vital importancia para todo lo que acontece en la región.
En este punto, además, es fundamental diferenciar entre tensiones fundamentales y tensiones secundarias. Las primeras son aquellas tiranteces existentes entre los bloques antagónicos de poder. El metabolismo del capital no se extingue ni desaparece con tanta facilidad como a veces se cree. Son múltiples las formas que tiene el neoliberalismo para continuar participando y siendo protagónico en la economía a pesar de que la política desee tomar un rumbo diferente para esta. A esto Mészáros, en su libro Más allá del Capital, le llama “el sistema del capital poscapitalista”. El capitalismo no se va de casa tan fácilmente aunque le indiques la salida. Se queda, se reinventa y se reacomoda. El rentismo importador es una demostración fehaciente de cómo el capitalismo responde para satisfacer la creciente demanda interna. El sector privado se injerta en el nuevo orden económico disputando buena parte de la renta (recuperada soberanamente) con una actividad económica importadora, ociosa y especulativa, improductiva, que ha usado excesivas divisas que se fueron fugando sin ningún retorno para el desarrollo interno. Así se generan círculos viciosos de la renta, que originan nuevas dificultades adentro de cada proceso. Véase el caso venezolano, o el ecuatoriano.
En relación a las segundas, las tensiones secundarias, son aquellas producidas al interior del propio bloque nacional-popular, esto es, emanadas en el seno del propio pueblo, como así las llamaba el Presidente chino Mao Tse Tung. La realidad de hoy apenas tiene que ver (afortunadamente) con aquella heredada del neoliberalismo a finales de siglo XX. Se ha producido un sinfín de mejoras sociales, de mejoras en los niveles de consumo, y de alteraciones en la composición socioeconómica. Ha emergido un nuevo sentido común, aún en movimiento. El nuevo imaginario de la mayoría social va mucho más allá de la demanda de derechos básicos que se hiciera en décadas pasadas. Hay una nueva subjetividad en construcción que ha de ser analizada como tal. Esa categoría llamada pueblo no puede ser jamás concebida como una fotografía estática. La gente común de esta época piensa, se ilusiona y actualiza sus demandas. Y la nueva derecha está muy atenta a ello. Véase el caso argentino.
Esta América Latina en disputa también se caracteriza porque hay otro mundo afuera, que se mueve y transita geopolíticamente a gran velocidad. El actual orden geoeconómico nada tiene que ver con el de hace unos años. Aparecen nuevos bloques emergentes. Se han diversificado las relaciones económicas a favor de los BRICS (fundamentalmente, con China). Sin embargo, el retorno de las carabelas es constante. Estados Unidos y la Unión Europea continúan firmando acuerdos de libre comercio con el bloque pacífico. Mercosur está además en plena disputa puertas adentro. La contracción del comercio mundial sirve como excusa para que los grandes empresarios brasileños y argentinos quieran acceder al mercado europeo. En ese mismo sentido, tampoco puede descuidarse el papel de las translatinas en este nuevo forcejeo a la hora de definir cuál será el mapa económico para los próximos años.
Por otro lado, frente a ello, el ALBA no logra dar el salto verdadero para disputar el ámbito económico. La integración política exige de mayor relacionamiento económico para superar la actual restricción externa. Si esto no se produce, entonces, este bloque bolivariano está condenado a ser marginalizado ahora que la Alianza del Pacífico acelera su proceso de inserción dependiente con los centros de poder económico a escala mundial.
En este escenario en disputa, la CELAC, como sustituto político de la OEA, también debe dar un paso adelante. Lo económico a día de hoy es demasiado importante políticamente como para darle la espalda. Hay demasiada tarea por hacer en este sentido: creación de una agencia latinoamericana de calificación de riesgo (de la deuda), implementación de nuevos mecanismos económicos de defensa frente a ataques de los fondos buitre, puesta en funcionamiento de un sistema de intercambios comerciales sin pasar por el dólar ahora que esta divisa escasea, diseño de un plan conjunto de inversión CELAC a nivel regional en sectores estratégicos, confección de un nuevo mapa de pequeños y medianos empresarios como nuevos proveedores latinoamericanos, planificación de encadenamientos productivos para crear el mayor valor agregado posible en América Latina.
Son muchos los retos y desafíos económicos y políticos para evitar que América Latina sea desgajada a pedazos como así lo pretenden desde afuera. La disputa está servida. El punto de bifurcación de la región está a la vuelta de la esquina: o una América Latina balcanizada pilotada desde afuera por la hegemonía neoliberal, o por el contrario, un bloque más integrado aunque eso no quiera decir que sea monolítico.
(*) Alfredo Serrano Mancilla - director del Centro Estrategico Latinoamericano de Geopolítica (CELAG), doctor en Economía.

(do Celag)

BENEDITO TADEU CÉSAR: “OS GRANDES ADVERSÁRIOS DE 2018 SERÃO AS GRANDES CORPORAÇÕES DE MÍDIA E OS ‘JACOBINOS JUDICIAIS’”

O juiz federal Sergio Moro (esquerda) e os procuradores federais Carlos Fernando dos Santos Lima (centro) e Deltan Dallagnol (direita) (Foto montagem: O Jornal do Estado)
É urgente criar e fortalecer veículos alternativos de informação, tanto para que seja possível se promover contraposições às deturpações informativas realizadas pelas grandes corporações de mídia quanto, e igualmente importante, se acelerar a construção de um movimento de opinião pública favorável à regulação democrática da mídia.

Por Rennan Martins - Blog dos Desenvolvimentistasreproduzido do portal Carta Maior, de 29/01/2016 (o título e destaque acima são da edição deste blog)

A midiatização do processo penal

'Os vazamentos e as prisões por tempo indeterminado e sem a culpabilidade comprovada dos réus tem criado um clima de instabilidade e até mesmo de terror'
Aproxima-se o retorno das atividades do Congresso Nacional e atrelado a isto temos a temperatura política voltando a subir. Com o processo de impedimento deflagrado, certamente o recesso serviu para amplas movimentações de organização das diversas forças políticas, muitas delas baseadas tão somente no fisiologismo característico do presidencialismo de coalizão.

Se é verdade que a ala conspiracionista ligada ao vice-presidente Michel Temer sofreu considerável desidratação, também procede a tese de que o governo continua sem enfrentar apropriadamente a apatia e hesitação de que padeceu durante todo o perdido ano de 2015.

Para analisar este cenário e fazer projeções que o Blog dos Desenvolvimentistas entrevistou Benedito Tadeu César, doutor em ciências sociais pela Unicamp e professor aposentado da UFRGS. Considera ele que a calmaria observada neste início de ano findará “tão logo se reiniciem os trabalhos legislativos”, que Eduardo Cunha não descansará nem abdicará de seus métodos pouco convencionais de fazer política, e que como resposta o Planalto “manterá a postura de inabilidade que o caracteriza”, sem, contudo, se materializarem as condições requeridas para a consumação do impeachment.

A análise mais extensa do professor, porém, se deteve no Judiciário. Tadeu César enxerga um “decisionismo” e “ativismo judiciais aliados a uma midiatização cada vez mais acentuada do processo penal” inaugurados pelo julgamento da Ação Penal 470, conhecida como Mensalão. Postula ainda que “os vazamentos e as prisões por tempo indeterminado e sem a culpabilidade comprovada dos réus tem criado um clima de instabilidade e, diria, até mesmo de terror”.

Confira a íntegra desta rica análise:

Como se inicia 2016 no campo da política? Qual a perspectiva de evolução da crise?

BTC: Até o reinício das atividades do Congresso Nacional o clima político continuará estável. Apenas as grandes corporações de mídia e segmentos do Ministério Público, da Polícia Federal e do Judiciário, notadamente alguns juízes de primeira instância, insistirão em manter o clima de conflagração com o governo federal e a caçada aos petistas e ao ex-presidente Lula da Silva. O governo Dilma Rousseff, por sua vez, manterá a postura de inabilidade que o caracteriza, criando novas frentes desnecessárias de conflito, como a recém instalada com a nova proposta de reforma da Previdência Social, que cria inimigos e alimenta desconfianças entre seus próprios aliados. O governo, ao que parece, desperdiçará o tempo da trégua não declarada com a Câmara Federal e não conseguirá consolidar novos e necessários apoios para enfrentar a carga pesada que se abaterá sobre ele tão logo se reiniciem os trabalhos legislativos.

O impeachment arrefeceu? Quais as chances do impedimento de Dilma se consumar?

BTC: Entendo que o impeachment, com as decisões do STF, perdeu força na Câmara Federal, mas isto não implica que, findo o recesso parlamentar, não sejam restabelecidas as práticas de chantagem e de confronto com o Poder Executivo. Eduardo Cunha, enquanto não for destituído e não tiver seu mandato de deputado federal cassado ou suspenso, continuará a utilizar seus aliados para criar embaraços ao governo Dilma Rousseff. Sem revelar a sua face, o PSDB continuará alimentando as posturas de Cunha e de sua trupe. Com a base parlamentar que detém, o governo Dilma continuará refém e submetido às práticas de chantagem. Sua única chance de romper este círculo de terror será conseguir reverter o quadro de estagnação econômica. Sem isto, o impeachment não virá, mas também não virá a paz tão necessária ao exercício do bom governo.

Quanto ao TSE. Você crê que a oposição partirá para a cassação da chapa caso não prospere o impeachment? Como a sociedade em geral enxerga essas movimentações?

BTC: O maior risco de destituição do governo Dilma Rousseff encontra-se hoje no TSE. Gilmar Mendes e Dias Toffoli, este agora encantado com a presidência do tribunal, formam uma dupla capaz de arrolar argumentos jurídicos suficientes para justificar quaisquer atos que considerem oportunos. A decisão da manutenção da democracia ou da deflagração de um golpe judiciário estará colocada nas mãos dos demais ministros do TSE. Espero que eles se comportem com a mesma dignidade assumida pelos ministros do STF no julgamento dos questionamentos apresentados pelo PC do B frente ao ritual do impeachment criado por Eduardo Cunha. O grande risco é o de que os ministros do TSE se deixem contaminar pelo processo de judicialização da política em curso no país e exerçam, também neste episódio, práticas decisionistas do quilate das que vêm sendo adotadas pelas altas cortes brasileiras desde o julgamento da Ação Penal 470.

A opinião pública, em sua grande maioria fortemente influenciada pelas grandes corporações de mídia brasileiras, não oporá resistência a uma decisão do TSE que leve à cassação da chapa Dilma Rousseff/Michel Temer. No entanto, acredito que mesmo os ministros do TSE mais propensos a assumir posturas decisionistas se sentirão constrangidos de enfrentar as críticas que partirão dos juristas e das mídias independentes, bem como dos setores sindicais e populares próximos do PT e favoráveis ao governo Dilma Rousseff. O argumento de que foram utilizados recursos ilícitos na campanha de Dilma/Temer e desconhecer que as mesmas empresas que financiaram sua campanha financiaram as campanhas de todos os demais candidatos soa falso até para os mais ferrenhos defensores de Aécio Neves ou de Marina Silva.

Não se pode esquecer, além disso, que o próprio Poder Judiciário, como instituição, está sofrendo um forte desgaste junto à opinião pública advindo das práticas corporativas que tem adotado sem nenhum mascaramento nos últimos meses, como as relativas ao pagamento dos auxílios-moradia, alimentação, educação e até creche/babá aos seus integrantes. Ainda que regiamente remunerados, muitos integrantes do Judiciário e do Ministério Público têm se revelado nus perante parte expressiva e crescente da opinião pública brasileira.

De que maneira se incidirão os efeitos da crise política e econômica nas eleições municipais deste ano?

BTC: As eleições municipais têm dinâmica própria, em grande parte independente das conjunturas política e econômica estaduais e nacionais. Os eleitores dos municípios votam com os olhos, o coração e a mente voltados para os problemas locais: a sua rua, as enchentes ou a seca, a coleta de lixo, a corrupção municipal, a amizade/proximidade com os candidatos.

Não há dúvida que os acontecimentos nacionais e estaduais têm influência, mas eles não são decisivos. Em um cenário de crise, a tendência, sempre, é a de que a situação seja prejudicada e, consequentemente, as oposições sejam beneficiadas, mas sempre serão a conjuntura local e as posturas dos candidatos locais que definirão o resultado eleitoral em cada localidade. Além disso, exceto o PSDB – que tem sido poupado pelas grandes corporações de mídia e pelas denúncias do MP, todos os demais partidos políticos brasileiros têm sido afetados pelas denúncias de corrupção, o que fará com que o peso do descrédito se dilua e se distribua entre todos os partidos e seus respectivos candidatos. Não acredito, entretanto, pelas razões expostas acima, nem que o PSDB tenha um desempenho muito superior ao que obteve nas eleições municipais anteriores, nem o PT, o mais atingido pelas críticas midiáticas e pelas denúncias, tenha um desempenho muito abaixo daquele que tem obtido historicamente.

Além da crise temos ainda a proibição do financiamento empresarial de campanhas já em vigor. O que esperar desta mudança tão representativa? Como fazer para inibir o caixa-dois?

BTC: A inibição do caixa-dois só será obtida por meio de rigorosa fiscalização por parte dos órgão competentes. Correm informações nos bastidores que empresários, políticos e dirigentes partidários, assessorados por profissionais do direito, têm realizado reuniões sigilosas para discutir fórmulas de burla da legislação anti-financiamento empresarial. Acredito, no entanto, que a fiscalização não será difícil de ser exercida, bastando que o Ministério Público eleitoral fique atento aos “sinais exteriores de riqueza” das campanhas. Campanhas com muita publicidade e/ou muita estrutura (carros, cabos-eleitorais etc.) serão potencialmente campanhas regadas por caixas-dois. Bastará vontade de fiscalizar e, claro, a alocação de recursos para a atuação dos agentes fiscalizadores, recursos que, no âmbito do Poder Judiciário são fartos e imunes às crises.

A proibição do financiamento eleitoral de campanhas é um passo importante para a moralização dos pleitos, com a inibição das compras de mandatos parlamentares e executivos por parte de empresários e empresas que vinham ocorrendo com intensidade crescente nos últimos anos no país. Este é um primeiro e importante passo, mas é apenas o início de uma longa caminhada de reformulação de nossa legislação política e eleitoral. Veja-se que, ao lado da proibição do financiamento eleitoral por parte de empresas, ocorreu também a diminuição do prazo de campanha. Se a primeira medida contribui para a moralização das eleições, a segunda reforça a possibilidade de que os atuais detentores de mandato se reelejam, pois um prazo menor de campanha dificulta a eleição de candidatos novos e, consequentemente, menos conhecidos que os já detentores de mandatos, que têm a sua disposição os recursos das casas legislativas e do controle das máquinas administrativas e, além disso, o acesso, durante todo o período de seus mandatos, às rádios e tvs públicas, sejam as culturas e educativas, sejam as da Câmara ou do Senado.

É possível sair da instabilidade em meio a delações, vazamentos e investigações continuadas? Como os políticos têm reagido a este cenário de protagonismo do judiciário?

BTC: Mais do que o “protagonismo do judiciário”, o que estamos assistindo é a exacerbação do decisionismo e do ativismo judiciais aliados a uma midiatização cada vez mais acentuada do processo penal. As normas do direito têm sido utilizadas, muitas vezes, de acordo com as convicções dos magistrados e demais agentes estatais do direito (promotores, delegados etc.) sem que estejam suficientemente embasadas nos princípios constitucionais ou na jurisprudência brasileira. A aplicação da tese do “domínio do fato”, no julgamento da Ação Penal 470, abriu as portas do voluntarismo jurídico. A Operação Lava-Jato, no combate necessário à corrupção mais do que secular e disseminada entre os principais partidos políticos e instâncias de poder no Brasil, tem se exercido, no entanto, de forma seletiva, elegendo alvos preferenciais e desprezando outros ao seu bel-prazer e de forma não transparente. O denuncismo, os vazamentos e as prisões por tempo indeterminado e sem a culpabilidade comprovada dos réus tem criado um clima de instabilidade e, diria, até mesmo de terror. Sob a ação das grandes corporações de mídia, de alguns magistrados e de alguns integrantes do Ministério Público todos os políticos não amigos são declarados culpados e corruptos, mesmo que haja provas em contrário. Os amigos, entretanto, mesmo quando alvo de denúncias, são poupados e, muitas vezes, previamente inocentados.

Acredito que cabe ao próprio Poder Judiciário e ao Ministério Público, por meio de seus agentes não contaminados pelo que está sendo caracterizado por alguns analistas como sendo o exercício de um “jacobinismo judiciário” agir de modo célere para recompor a normalidade jurídica no prazo mais curto possível. O combate à corrupção é bem-vindo, mas precisa ser realizado nos marcos estritos da lei e atingir de igual modo a todos os envolvidos nestas práticas nefastas. Cabe à sociedade civil organizada, por meio de suas agências, como a OAB, a CNBB, a UNE, as centrais sindicais e empresariais, os sindicatos, associações e às entidades estudantis e de juventude se manifestarem neste sentido.

É urgente, além disso, criar e fortalecer veículos alternativos de informação, tanto para que seja possível se promover contraposições às deturpações informativas realizadas pelas grandes corporações de mídia quanto, e igualmente importante, se acelerar a construção de um movimento de opinião pública favorável à regulação democrática da mídia, seja do seu exercício seja de sua propriedade. Regulação que, afirme-se e reafirme-se, existe em todos os países de democracia avançada no mundo, incluindo-se os EUA, a Inglaterra, a França e a Alemanha, entre outros.

Diante deste cenário, quais são as perspectivas de saída da crise? Que desfechos são possíveis?

BTC: Ainda que dificilmente o governo Dilma Rousseff seja interrompido antes do término do seu mandato, parece-me igualmente difícil que ele consiga se estabilizar a ponto de que os três anos de mandato que lhe restam transcorram sob relativa calmaria. As turbulências periódicas serão a marca característica deste mandato presidencial. Isto se deverá tanto à ação conjunta das oposições associadas, mesmo que informalmente, às grandes corporações de mídia e aos chamados “jacobinos judiciais” quanto também à inabilidade política-administrativa de Dilma Rousseff e de sua equipe de governo.

Como, entretanto, as oposições não detêm quadros e lideranças aptas para empolgar as grandes massas eleitorais e nem deram mostras, até aqui, de estarem habilitadas para formular propostas de governo capazes de promover a retomada do desenvolvimento do país, caso o governo Dilma consiga superar o quadro de estagnação econômica atual e dar início a um processo de retomada, mesmo que tímido do crescimento econômico, ele terá chance de se recompor frente a opinião pública e, quem sabe, tornar possível ao seu partido apresentar um candidato com chance de vitória na campanha eleitoral de 2018. Mais do que Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alckmin, Marina Silva ou Michel Temer, os grandes adversários de 2018 serão as grandes corporações de mídia e os “jacobinos judiciais”.

ROBERTO AMARAL: POR QUE TANTO ÓDIO?

Manifestantes reúnem-se na avenida Paulista, em ato contra o governo Dilma Rousseff, em dezembro de 2015 (Foto: André Tambucci/Fotos Públicas/blog de Roberto Amaral)
Por que tanto ódio, se os governos do PT sequer são reformistas, como tentou ser o trabalhismo janguista com seu pleito pelas ‘reformas de base’? Ora, o Estado brasileiro de 2016 é o mesmo herdado em 2003, e ‘os donos do poder’ são os mesmos: o sistema financeiro, os meios de comunicação de massas vocalizando os interesses do grande capital, o agronegócio e as fiespes da vida.

Ocorre que - e eis uma tentativa de resposta - se foram tão complacentes com o grande capital, ousaram os governos Lula, e Dilma ainda ousa, promover a inclusão social da maioria da população e buscar ações de desenvolvimento autônomo, nos marcos da globalização e do capitalismo, evidentemente, mas autônomo em face do imperialismo.

Por Roberto Amaral – reproduzido do seu blog, de 28/01/2016

É preciso tentar entender os motivos da unanimidade conservadora contra o PT apesar de seus governos nem reformistas serem.

A direita latino-americana aceita quase-tudo, até desenvolvimento e democracia, conquanto não venham acompanhados, seja da emergência das classes populares, como pretendeu o Brasil de João Goulart e Lula, seja da defesa das soberanias nacionais dos países da região, como lá atrás intentou o segundo governo Vargas.

A história não se repete, sabemos à saciedade, mas em 1954, como em 1964, em comum com os dias de hoje, organizou-se um concerto entre forças políticas derrotadas nas urnas, mais setores dominantes do grande capital e a unanimidade da grande imprensa, unificadas pelo projeto golpista gritado em nome de uma democracia que em seguida seria posta em frangalhos.

Naqueles episódios, com o ingrediente perverso da insubordinação militar, o momento culminante de uma razzia anti-progresso e pró-atraso, alimentada de longa data por setores majoritários da grande imprensa, um monopólio ideológico administrado por cartéis empresariais intocáveis.

Essa unanimidade ideológico-política dos meios de comunicação de massas é, assim, a mesma dos anos do pretérito. O diferencial, agravando sua periculosidade, é a concentração de meios facilitando o monopólio anulando qualquer possibilidade de concorrência, blindando o sistema de eventuais contradições e ‘furos’.

Que fizeram os governos democráticos – que fez a sociedade, que fez o Congresso, que fez o Judiciário – para enfrentar esse monstro antidemocrático que age sem peias, a despeito da ordem constitucional?

As razões para a crise remontam à concepção de nação, sociedade e Estado que as forças conservadoras – ao fim e ao cabo nossos efetivos governantes – estabeleceram como seu projeto de Brasil.

O desenvolvimento de nossos países pode mesmo ser admitido por esses setores – sempre que o malsinado Estado financie seus investimentos –, conquanto que respeitados determinados limites (não os possa tributar, por exemplo), ou comprometê-los com objetivos nacionais estratégicos, como respeitosos com essa gente foram os anos de ouro do juscelinismo.

Jamais um desenvolvimento buscadamente autônomo, como pretenderam o Chile de Allende, com as consequências sabidas, e a Venezuela, acuada e acossada desde os primeiros vagidos do bolivarianismo, o qual, seja lá o que de fato for para além de discurso, perseguiu um caminho próprio de desenvolvimento econômico-social, à margem dos interesses do Departamento de Estado, do Pentágono e do FMI.

Democracia até que é admissível, conquanto não se faça acompanhar da ascensão das grandes massas, pelo que João Goulart se arriscou e perdeu o poder. A propósito, F. Engels (introdução ao clássico Luta de classes na França, de Marx) observa que “… a burguesia não admitirá a democracia, sendo mesmo capaz de golpeá-la, se houver alguma possibilidade de as massas trabalhadoras chegarem ao poder”.

Ora, na América Latina basta a simples emergência das massas ao cenário politico, sem mesmo qualquer ameaça de ascensão a fatias mínimas de poder, para justificar os golpes-de-Estado e as ditaduras.

Além de promover essa emergência do popular no político, trazendo massas deserdadas para o consumo e a vida civil, Lula intentou uma política externa independente, como independente poderia ser, nos termos da globalização de nossas limitações econômicas e militares. Desvela-se, assim, o ‘segredo’ da esfinge: não basta respeitar as regras do capitalismo – como respeitaram Getúlio, Jango, Lula, e Dilma respeita – posto que fundamental é, mantendo intocada a estrutura de classes, preservar a dependência ao modelo econômico-político-ideológico ditado pelas grandes potências, EUA à frente.

O Não contém o Sim. O que não é possível diz o que é desejado, identificar o adversário é meio caminho andado para a nomeação dos aliados e servidores. Assim se justifica, por exemplo, tanto a unanimidade da opinião publicada em favor de Mauricio Macri, a mesma que acompanhou os últimos governos colombianos, quanto a unanimidade dos grandes meios contra os Kirchner, até ontem, e ainda hoje contra Rafael Correa e Evo Morales, bem como o ódio visceral ao ‘bolivarianismo’, na contramão dos interesses das empresas brasileiras instaladas e operando na Venezuela.

São os fabricantes de opinião contrariando nossos interesses econômicos e erodindo nosso natural peso regional – onde alimentamos justas expectativas de exercício de poder – mas, como sempre, fazendo o jogo dos interesses de Wall Street e da City.

Essa lógica da dependência – ou de comunhão de interesses entre nossa burguesia e o poder central, acima dos interesses nacionais – explica também a unanimidade contra Dilma e contra o que ideologicamente é chamado de ‘lulismo’ ou ‘lulopetismo’, nada obstante suas (suponho que hoje desvanecidas) ilusões relativamente à ‘conciliação de classes’.

Conciliação que não deu certo com Vargas e não está dando certo com Dilma, não obstante suas concessões ao capital financeiro, malgrado o alto, muito alto preço representado pelo desapontamento das forças populares que a elegeram no final do segundo turno.

Esse movimento – que representa dar dois passos atrás contra só um à frente -, detetado a partir de dezembro de 2014, valeu-lhe a ainda insuperada crise de popularidade, sem a compensação do arrefecimento da fúria oposicionista ditada a partir da Avenida Paulista.

Atribui-se a Lula a afirmação de que os banqueiros jamais teriam obtido tantos lucros quanto lograram em seu governo. Anedota ou não, o fato objetivo é que segundo o bem informado Valor, o lucro dos bancos foi de 34,4 bilhões de reais na era FHC, e de 279,0 bilhões de reais no período Lula, ou seja, oito vezes maior, já descontada a inflação.

Por que então essa oposição a Dilma se seu governo, como os dois anteriores de Lula, não ameaçou nem ameaça qualquer postulado do capitalismo, não ameaça a propriedade privada, não promoveu a reforma agrária, não ameaça o sistema financeiro, não promoveu a reforma tributária?

Por que esse ódio vítreo da imprensa se sequer ousaram os governos Lula-Dilma – ao contrário do que fizeram todos os países democráticos e desenvolvidos – regulamentar os meios de comunicação dependentes de concessões, como o rádio e a tevê?

Por que essa unanimidade, se os governos do PT (e a estranha coabitação com o PMDB) não tocaram nas raízes do poder, não ameaçaram as relações de produção fundadas na preeminência do capital (muitas vezes improdutivo) sobre o trabalho?

Por que tanto ódio, se os governos do PT sequer são reformistas, como tentou ser o trabalhismo janguista com seu pleito pelas ‘reformas de base’? Ora, o Estado brasileiro de 2016 é o mesmo herdado em 2003, e ‘os donos do poder’ são os mesmos: o sistema financeiro, os meios de comunicação de massas vocalizando os interesses do grande capital, o agronegócio e as fiespes da vida.

Ocorre que, e eis uma tentativa de resposta, se foram tão complacentes com o grande capital, ousaram os governos Lula, e Dilma ainda ousa, promover a inclusão social da maioria da população e buscar ações de desenvolvimento autônomo, nos marcos da globalização e do capitalismo, evidentemente, mas autônomo em face do imperialismo.

Assim, negando o comando do FMI, negando a Alca e concorrendo para o fortalecendo do Mercosul, esvaziando a OEA e promovendo a Comunidade de Países da América Latina e Caribe (Celac – nota deste blog Evidentemente: o nome oficial é Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos), e, audácia das audácias, tentando constituir-se em bloco de poder estratégico no Hemisfério Sul, com sua influência na América Latina e a aproximação com a África.

Nada de novo no castelo de Abranches, nem mesmo a miopia dos que não veem, ou, que, por comodismo ou pulsão suicida, preferem não ver o que está na linha do horizonte. Supor que a presidente está a salvo da onda golpista é tão insensato quanto supor que o projeto da direita se esgotaria no impeachment.

Há ainda muito caminho a percorrer.

O projeto da direita é de cerco e de aniquilamento das esquerdas brasileiras. Nesses termos, o assalto ao mandato da presidente é só um movimento, relevantíssimo mas só um movimento num cenário de grandes movimentações, a porta pela qual avançarão todas as tropas.

O projeto da direita é mais audacioso, pois visa à construção de uma sociedade socialmente regressiva e politicamente reacionária, com a tomada de todos os espaços do Estado. Boaventura de Sousa Santos chama a isso – as ditaduras modernas do século XXI — de ‘democracias’ de baixa intensidade.


O primeiro passo é a demonização da política. Já foi atingido.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

HAITI: OEA E CELAC ENVIARÃO COMISSÕES EM BUSCA DUMA SAÍDA PARA A CRISE POLÍTICA

(Foto: Nodal)
As autoridades eleitorais cancelaram na semana passada o segundo turno devido a “problemas de segurança evidentes” diante do aumento da violência e dos protestos de rua da oposição, que afirma que no primeiro turno houve uma fraude para favorecer o candidato governista.
Duas matérias reproduzidas do portal Nodal – Notícias da América Latina e Caribe, de 28/01/2016 (em espanhol, com traduções pontuais)
A OEA enviará missão ao Haiti
La Organización de Estados Americanos (OEA) aprobó ayer (ontem) enviar a Haití una misión especial de mediación en la crisis política y social del país, a petición del presidente haitiano, Michel Martelly, para evitar el vacío de poder cuando él deje el cargo el próximo 7 de febrero.
Martelly solicitó por teléfono el envío de esta misión al secretario general de la OEA, Luis Almagro, para “preservar la institucionalidad democrática” y con base en el artículo 17 de la Carta Democrática Interamericana.
Ese punto establece que cuando el Gobierno de un Estado miembro considere “que está en riesgo su proceso político institucional democrático o (ou) su legítimo ejercicio del poder”, podrá recurrir al secretario general o (ou) al Consejo Permanente “a fin de solicitar asistencia para el fortalecimiento y preservación de la institucionalidad democrática”.
Almagro atendió la petición de Martelly y ayer (ontem) propuso al Consejo Permanente, reunido en sesión extraordinaria, que vote dos (2) puntos: una consulta al Supremo de Haití sobre cómo debe constituirse constitucionalmente un gobierno de transición y el envío de la misión de mediación solicitada por el Gobierno del país caribeño.
El embajador de Haití ante la OEA, Bocchit Edmond, trasladó al Consejo la petición de Martelly y pidió “solidaridad” a los otros 33 Estados que conforman el ente (que compõem a entidade) para ayudar a que el país caribeño no caiga (não caia)“en el vacío institucional y en una situación de caos”.
“Esto no es un llamado a la injerencia o (ou) la interferencia sino un llamado a la solidaridad.
Pedimos asistencia para preservar la institucionalidad democrática”, explicó el diplomático.
Envío aprobado
El Consejo aprobó el envío de la misión tras (após) cuatro horas de reunión en las que no hubo (não houve) votación sino que el presidente del órgano concluyó que, de las posiciones expuestas, se extrae que existe un “consenso” para atender la solicitud del Gobierno haitiano.
En el turno de intervenciones, expresaron su apoyo abierto a la petición haitiana las otras 14 naciones que integran la Comunidad del Caribe (Caricom), México, Perú, Costa Rica y Canadá.
Estados Unidos, Chile y Colombia fueron menos explícitos pero dejaron entrever que, de haber consenso para la misión, se sumarían.
Venezuela, Nicaragua, Honduras, Ecuador y Brasil se opusieron a que la OEA tomara ayer (tomasse ontem) esta decisión.
LA CELAC TAMBIÉN DESIGNA UNA COMISIÓN
La Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac) designó ayer (ontem) una misión de cancilleres para conocer la situación electoral de Haití a pedido del Gobierno de ese país caribeño, informó ayer el ministro de Exteriores de Ecuador, Ricardo Patiño.
“Presidentes de CELAC acogen (acolhem) pedido de gobierno de Haití y designan misión de cancilleres para conocer situación electoral en dicho país”, escribió Patiño.

Celac planeja mandar comissão de chanceleres a Haiti antes do envio de missão
La Celac planteó este miércoles (propôs nesta quarta-feira) enviar a Haití una comisión de los cancilleres de Ecuador, Uruguay, Venezuela y Bahamas para informarse sobre el terreno antes de decidir si manda una misión de ayuda en la búsqueda de una salida (na busca duma saída) a la crisis política en ese país.
“Que se envíe una comisión de cancilleres para obtener más información, hablar con las partes y ver si hay lugar para la intervención de Celac o no (ou não)”, propuso el presidente ecuatoriano Rafael Correa, anfitrión de la cumbre en Quito.
El plan, formulado horas después de que la Organización de Estados Americanos (OEA) aprobara por mayoría en Washington el envío de una misión especial al país caribeño, contempla que a su vuelta los cancilleres informen de la situación al cuarteto de la Celac - formado por Ecuador, Dominicana, Costa Rica y Bahamas - que tras (após) informar al resto de países deberá decidir si manda o no (ou não) una misión.
Tras una (Depois duma) intensa discusión durante la sesión de intervenciones en la cumbre, el envío de la comisión de cancilleres pareció recibir el consentimiento de los representantes, aunque no detallaron cuándo será enviada ni cuál será su procedimiento.
Haití debía realizar el domingo el segundo turno de las elecciones presidenciales, que ya había sido aplazadas (adiadas) pues inicialmente estaba prevista para el 27 de diciembre.
El candidato oficialista (governista) Jovenel Moise y el opositor Jude Célestin, resultaron los dos (2) primeros colocados en la primera ronda del 25 de octubre.
Las autoridades electorales cancelaron la semana pasada la segunda vuelta (segundo turno) debido a “problemas de seguridad evidentes” ante el aumento de la violencia y las protestas callejeras (e dos protestos de rua) de la oposición, que afirma que en la primera ronda hubo (primeiro turno houve) un fraude para favorecer a Moise.
Célestin se negó a participar de la segunda ronda (do segundo turno) alegando que el comicio (a eleição) era una “farsa”.

SECRETÁRIO GERAL DA UNASUL IMPULSIONA O PROJETO DE ‘CIDADANIA SUL-AMERICANA’

Ernesto Samper, secretário geral da Unasul (Foto: Unasul)
Samper disse que a iniciativa tem a ver com os direitos fundamentais, como o direito à mobilidade das pessoas dentro da região, a sair e a entrar, pelo que será necessário definir políticas a respeito.
Do portal Nodal – Notícias da América Latina e Cribe, de 28/01/2016 (em espanhol, com traduções pontuais)
El secretario general de la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur), Ernesto Samper, defendió este jueves (nesta quinta-feira) un proyecto de ‘Ciudadanía suramericana’ que impulsa desde el bloque y dijo que beneficiará a los 26 millones de ciudadanos de la región que viven en la diáspora.
En la reunión de Cancilleres de Unasur, convocada para esta jornada en la sede de la Mitad del Mundo, a unos 15 kilómetros de Quito, Samper afirmó que si las personas no sienten que se pueden mover al interior de la región, “no estaremos avanzado en nada en materia de integración”.
Además, convocó a reflexionar en torno al tema y señaló la importancia de que los nacionales puedan (possam) circular e integrarse, así como ya se hace con los bienes, servicios y capitales, y reafirmó que “la verdadera integración tiene que ver con la movilidad de las personas”.
Según explicó, el proyecto será puesto a consideración en la próxima Cumbre de Unasur en Montevideo, prevista para los próximos meses de este año 2016.
Dijo que esta iniciativa tiene que ver con los derechos fundamentales como el derecho a moverse dentro de la región, a salir y a entrar, por lo que será necesario definir políticas al respecto.
Samper expuso el impacto de la visa (do visto) del Mercosur (Mercado Común del Sur) ampliada como visa de Unasur, a la cual se han acogido unos 500.000 suramericanos y que consiste en un permiso de residencia en un país durante una época de trabajo.
A ello se añade (A isto se acrecenta), indicó, el derecho a estudiar y a los docentes ejercer en cualquier universidad, y a trasladar las prestaciones dentro de la región, a votar, a ser elegido, por lo que, por ejemplo, se trabaja también en un sistema de acreditación (credenciamento) regional y homologación de títulos, que permita apoyar este proceso de movilidad.
“Es todo un planteamiento (É todo um projeto) de una gran revolución inclusiva a partir (…) de afirmar la condición de ciudadanía suramericana”, remarcó.
Cancilleres alistan próxima Cumbre de Unasur (em Montevidéu)
La canciller venezolana, Delcy Rodríguez, se congratuló por la elección de Venezuela como presidencia pro tempore de Unasur para un próximo período (Foto: Unasur)
La ministra de Relaciones Exteriores de Venezuela, Delcy Rodríguez, informó que su país fue designado para ocupar la próxima presidencia pro tempore de esta agrupación continental para el nuevo período mandato, que iniciará tras (após) la Cumbre de Montevideo, en una fecha (numa data) por definir.
“Nosotros vamos a sumar nuestros esfuerzos desde la presidencia pro témpore de Unasur para consolidar la unión”.”@unasur destaca aportes de #Venezuela para lograr la paz en #Colombia”, escribió Rodríguez en su cuenta en la red social de Twitter.
Además, ratificó la posición del presidente Nicolás Maduro a trabajar en conjunto en la presidencia pro tempore “por la felicidad de nuestros países”.
Una de las iniciativas que mencionó la titular está la creación de la Orquesta de Unasur, para “darle proyección cultural a la región”.
“@DrodriguezVen: Quiero ratificar la felicidad de Venezuela de asumir la presidencia pro témpore de la Unasur. Tenemos grandes planes”, añadió (acrescentou).
La canciller también agradeció a esta agrupación regional por la misión de acompañamiento electoral enviada a su país para las elecciones parlamentarias del pasado 6 de diciembre y dijo que Venezuela dio una lección de democracia al poder mediático.
Entre otros temas, se informó que Unasur llevará una posición unificada sobre la conferencia sobre drogas de la Organización de las Naciones Unidas, este año, que, según Samper, no será para buscar políticas distintas, sino para encontrar salida a los problemas, y reforzar la lucha contra el crimen organizado y el lavado de activos (e a lavagem de dinheiro).
Por su parte, la canciller colombiana, María Ángela Holguín, informó del avance de las negociaciones de paz, del contenido de los acuerdos alcanzados en La Habana y ratificó la voluntad para llegar al acuerdo final el 23 de marzo de 2016 luego (depois) de tres años de conversaciones. También dijo que próximamente se pasará a la etapa pública del proceso que concierne a las negociaciones de paz con el Ejército de Liberación Nacional (ELN), de Colombia.
Samper se refirió a los ocho (8) proyectos de infraestructura regional en lo que se ha venido trabajando, entre estos el ferrocarril (ferroviário) de Bolivia, y apuntó que estos temas “deben seguir tomando atención”.
Entre los logros de Unasur en este período el expresidente colombiano mencionó el banco de precios de medicamentos, el manual de manejo de riesgos naturales; la creación de espacios como el del Modelo de Unasur y el modelo de debate en las universidades (Café Unasur); además, el primer Congreso de Historia que versó sobre la Carta de Jamaica, de Simón Bolívar, cuyo hallazgo (achado, descoberta) del original ocurrió en Ecuador en 2014, y se concretó el proyecto de la biblioteca ‘Gabriel García Márquez’.
También se instaló la Bienal de Buenos Aires y está previsto para abril el lanzamiento de una Capital Cultural de Suramérica, y se inició el proyecto Expreso Sur, una iniciativa audiovisual para la difusión de hechos (eventos) folklóricos en el continente.
La canciller de Colombia, María Ángela Holguín, agradeció a Venezuela como garante (fiador) y a Cuba como sede para el avance de los diálogos de paz con sede en La Habana (Foto: Unasur)
(De Andes – agência de notícias)

HUMAN RIGHTS WATCH: MÉXICO E A POLÍCIA BRASILEIRA NA ALÇA DE MIRA

Protesto de familiares dos 43 estudantes desaparecidos de Ayotzinapa (Foto: EFE/Página/12)
O informe anual de Human Rights Watch (HRW) aborda as violações na região: HRW arremeteu contra a impunidade dos agentes policiais do Brasil e assegurou que o governo mexicano não lutou com firmeza contra execuções extrajudiciais e torturas.
Do jornal argentino Página/12, edição impressa de hoje, dia 28
A ONG Human Rights Watch (HRW) denunciou os abusos cometidos pela polícia brasileira e criticou o Executivo mexicano pela falta de avanços para processar responsáveis pelas violações aos direitos humanos. Em seu informe mundial, que foi apresentado ontem simultaneamente em São Paulo e Estambul, a organização com sede em Nova Iorque arremeteu com especial rigor, mais uma vez, contra a impunidade dos agentes policiais do Brasil e assegurou que o governo mexicano, encabeçado pelo mandatário Enrique Peña Nieto, não lutou com firmeza contra crimes como execuções extrajudiciais e torturas.
Segundo a diretora do HRW no Brasil, Maria Laura Canineu, o Brasil registrou em 2015 mais de 3.000 assassinatos levados a cabo pelas forças de segurança, o que representa um incremento de 40% em relação ao ano anterior, enquanto que a cifra de agentes mortos caiu quase 2%, com 400 casos. “Foi um ano frustrante, no qual assistimos o fracasso generalizado em todas as esferas do governo em matéria de segurança pública”, assinalou. “A polícia do Brasil mata uma média de oito pessoas por dia”, pontualizou Canineu. “Há violações crônicas dos direitos humanos no país. Necessita-se garantir que os responsáveis pelas execuções extrajudiciais sejam de fato responsabilizados.”
Sem embargo, parece que não houve muitas mudanças na forma de atuação da polícia brasileira desde 2014. Há seis dias, a Polícia Militar feriu 28 manifestantes do grupo Movimento Passe Livre que se mobilizavam de forma pacífica em São Paulo contra o aumento das tarifas do transporte público na cidade, governada pelo conservador Geraldo Alckim, que aspira a ser candidato presidencial em 2018 pelo opositor Partido da Social-Democracia Brasileiraa (PSDB). (Nota deste blog: refere-se aí ao governador do estado; o prefeito da cidade é Fernando Haddad, do PT. O transporte público da cidade é administrado pelos dois).
O capítulo brasileiro do informe também destaca que os detidos nos cárceres são torturados e maltratados, além de enfrentar graves problemas de superlotação e violência.
Brasil: maioridade penal e lei antiterrorista
O informe alertou sobre o avanço no Congresso Nacional da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 171/93) que prevê a redução da maioridade penal no Brasil dos 18 para 16 anos para os delitos mais graves, uma medida aprovada em agosto do ano passado na Câmara dos Deputados e que atualmente se encontra sob exame no Senado. Ademais, o HRW fez duras críticas à lei antiterrorista desenvolvida pelo poder Legislativo em 2015 e que, dada a sua “excessiva ambiguidade”, poderia ser empregada na criminalização das manifestações cidadãs e dos movimentos sociais chegando, inclusive, a ser tachados de “terroristas” pela nova legislação. A entidade defensora dos direitos humanos, não obstante, teve palavras de elogios para a política brasileira em relação aos refugiados, sobre a qual Canineu afirmou que ainda há muito por fazer.
Venezuela e Cuba (Continua em espanhol, com traduções pontuais):
El informe de HRW también evalúa la situación en Venezuela. “Las autoridades se aprovecharon de la falta de independencia del poder judicial en el país para detener y procesar criminalmente a opositores políticos”, señala el anuario, en referencia al dirigente Leopoldo López. En cuanto a Cuba, la organización indicó que no hubo “mejoras” desde que el presidente Raúl Castro y su par estadounidense, Barack Obama, anunciaron la normalización de las relaciones bilaterales. “La política de Estados Unidos hacia Cuba ha sido un fracaso total y ha hecho nada para ayudar a los cubanos. Sólo ha servido para aislar a la islã (isolar a ilha), dar al gobierno unas excusas (desculpas) para todos sus problemas.”
México: 25.000 desaparecimentos forçados
Otro de los países que fueron cuestionados fue México. El informe señala que las fuerzas de seguridad se envolvieron en graves violaciones de derechos humanos en operaciones contra el crimen organizado, durante el mandato de Peña Nieto, quien asumió el cargo en 2012. El director adjunto de HRW para América Latina, Daniel Wilkinson, señaló que a pesar de la presión internacional, todavia (ainda) existe un ambiente de impunidad casi total en el país. “Uno de los desafíos más urgentes en México, y en Centroamérica como región, es fortalecer el sistema judicial para evitar que las fuerzas policiales se involucren (se envolvam) en actividades criminales y generen más violencia”, aseguró.
El informe señala que algunos jueces continúan desconsiderando denuncias de tortura y aceptando confesiones supuestamente obtenidas bajo coerción (sob coerção). “El sistema de justicia criminal rutinariamente fracasa en garantizar justicia a las víctimas de crímenes violentos y violaciones de derechos humanos”.
El anuario denuncia frecuentes casos de desapariciones forzadas llevadas a cabo por parte de las fuerzas de seguridad, como el secuestro de 43 estudiantes de Ayotzinapa que, según la versión oficial, fueron retenidos por policías y entregados a miembros del cártel Guerreros Unidos, que los asesinaron. El documento también enfatiza que el número de desaparecidos en México llega ya a 25.000 personas y el Ejecutivo lideró iniciativas potencialmente prometedoras pero poco efectivas al respecto.
México: informe especial sobre jornalistas
La sección mexicana del informe dedica también un apartado (um informe à parte) a los ataques contra periodistas (jornalistas), que, según HRW, la justicia mexicana no indaga desde una perspectiva adecuada. “No investigan adecuadamente, al no tener en cuenta desde el principio su profesión como posible motivación”. Además, la ONG reprueba que las leyes del país no protejan adecuadamente a las mujeres y niñas (mulheres e meninas) contra la violencia doméstica y sexual, y añade (e acrescenta) que algunas disposiciones incluso contradicen padrones internacionales.

Tradução (parcial): Jadson Oliveira

ARGENTINA: MACRI MOSTRA A NOVA FACE DA DIREITA LATINO-AMERICANA - POR MARIANA SERAFINI - UJS

(Foto: Facebook de Mauricio Macri/Carta Maior)
Macri representa essa direita que se fortaleceu enquanto os progressistas assumiam os governos e agora retorna com força e com um discurso mais leve e repaginado.
Por Mariana Serafini – UJS – reproduzido do portal Carta Maior, de 27/01/2016 (o título e destaque acima são da edição deste blog)

Maurício Macri, o inimigo mora ao lado
Macri tem a cara da nova direita latino-americana e foi milimetricamente construído para omitir a face fascista de quem enriqueceu durante a ditadura.


O novo presidente da Argentina, Maurício Macri, assumiu a presidência há um mês e meio e desde então já deixou bem claro a que veio. Com um discurso conciliador “nem direita, nem esquerda”, não tardou em colocar para fora as “garrinhas” neoliberais. Até porque, não é de hoje que se sabe: normalmente os defensores da tese “não existe polarização” são de direita.

Macri tem a cara da nova direita latino-americana. É homem, jovem, branco, empresário bem sucedido, pai de uma família tradicional e usa o futebol como ferramenta para aumentar a popularidade e esconder o coronelismo familiar. Milimetricamente construído para omitir a face ítalo-fascista de quem enriqueceu durante a ditadura militar argentina, uma das mais sanguinárias do continente, e não hesita em abrir mão da própria soberania em troca de voltar a ser o quintal ianque.

É fácil perceber que em menos de dois meses o país já sofreu um giro completo à direita. É como se fosse o “despertar da força” (desculpa, Star Wars) inimigo. Macri representa essa direita que se fortaleceu enquanto os progressistas assumiam os governos e agora retorna com força e com um discurso mais leve e repaginado. A essência, porém, é a mesma que privatizou, entregou recursos naturais e leiloou a soberania de nossos Estados durante a década de 90.
Em seu discurso de posse, no dia 10 de janeiro, afirmou que trabalharia para construir uma “Argentina para todos os argentinos”, exceto para os que pensarem diferente dele, afinal, mais de 24 mil funcionários públicos já foram demitidos. Muitos dos quais passaram até por interrogatórios sobre o posicionamento político e a militância. Nada de auditorias, fiscalizações ou justificativas plausíveis. A vice-presidenta, Gabriela Michetti, argumenta que são funcionários “nhoques” (como eles chamam os “fantasmas”), mas o sindicato dos servidores públicos já afirmou: “impossível existirem tantos ‘nhoques’, não foram feitas auditorias, muitos dos funcionários foram injustiçados”.

Os ares de modernidade não escondem a essência e assim como em outros tempos, a direita de hoje também precisa de símbolos para punir como exemplo. Neste caso das demissões foi o jornalista Victor Hugo Morales, um dos mais respeitados e conceituados do país que trabalhou durante 30 anos na emissora de rádio Continental, apresentando um programa matinal. Quando faltava apenas dez minutos para entrar no ar, ele recebeu a notícia de que seria demitido. A empresa alegou “corte de gastos” e “falhas”. Durante os 30 anos, Morales não deixou de apresentar seu programa sequer uma vez, mas não teve a oportunidade de se despedir de sua fiel audiência. Não titubeou em afirmar imediatamente após a demissão: “foi uma perseguição política”.

E se Victor é o símbolo da onda de demissões, Macri também mandou um recado para as organizações de esquerda ao prender a dirigente indígena e deputada do Parlasul, Milagro Sala. Uma operação policial com mais de 40 oficiais a levou presa, de dentro de sua casa na província de Jujuy, no último sábado (16). Antes de ser levada ela conseguiu fazer uma última postagem em sua conta oficinal no Twitter e afirmou: “isso é como uma ditadura”.

Acusada de “fechar vias” e “perturbar a ordem”, a dirigente que fundou a organização de esquerda Tupac Amaru é a primeira presa política da Argentina. Para denunciar a violação aos direitos humanos que sofreu ela está em greve de fome desde o dia da detenção. Dezenas de manifestações já tomaram conta da Argentina, a bancada progressista do Parlasul emitiu uma nota de repúdio ao governo e organizações sociais de várias partes do mundo começam a se mobilizar pela libertação de Milagro.

Durante todo o período do governo de Néstor e Cristina Kirchner (2003 – 2015) nenhuma manifestação – independente do cunho ideológico – foi reprimida com balas de borracha ou cassetete. No entanto, poucos os que saíram às ruas a partir de dez de dezembro passado foram bem recebidos com suas faixas e cartazes. A repressão de Macri tomou proporções assustadoras. E cada vez mais a pressão popular cresce, à mesma medida que o investimento em operações de policiais.

Na Argentina há um instrumento constitucional chamado Decreto de Necessidade de Urgência (DNU), que só pode ser utilizado em situações extremas pelo Executivo. A ex-presidenta Cristina Kirchner usou este recurso 29 vezes em oito anos de governo, Macri até a última contagem, já havia feito mais de 260 decretos, muitos deles contra a Constituição.

Malvinas? Não são mais argentinas. O presidente já falou. Fundos abutres? Sim, a Argentina vai ignorar a luta e a coragem de Cristina Kirchner de defender a soberania nacional e vai pagar a dívida, por mais abusiva que ela seja. Venezuela? Sistema autoritário (disse o presidente dos 260 decretos em 30 dias). Brasil? Precisa se “abrir para o mundo”. Por “mundo” leia-se “Estados Unidos”, porque todo o resto é só o resto mesmo

Nesta quarta-feira (27) começa a 4ª Cúpula da Celac (Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos) no Equador, que deixará a presidência pró-tempore do organismo. Este seria o primeiro encontro “Macri vs. Maduro” desde que o argentino assumiu a presidência e começou a anunciar seu descontentamento com a presença da Venezuela no Mercosul. No entanto, a Casa Rosada anunciou que o presidente não poderá participar da Cúpula devido a um acidente doméstico que sofreu no dia 8 de janeiro. Será o único, dos 33 chefes de Estado, a não comparecer. Independente disso, a direita está bem representada pelo seu dirigente intransigente, intempestivo e autoritário, mas com ares de bom moço.