quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

2015 NA AMÉRICA LATINA: O ANO DE AVANÇOS PELO FIM DE DOIS CONFLITOS HISTÓRICOS

Em termos históricos os dois fatos destacados de 2015 têm a ver com os processos de resolução dos conflitos mais longos da história moderna do continente: o enfrentamento armado colombiano e a reabertura das relações diplomáticas entre Cuba e EUA.
O 2015 na America Latina e Caribe visto pela agência de notícias Nodal
Por Nodal.am, NodalCultura.am, NodalEconomía.am, NodalTec.am e NodalUniversidad.am – reprodução do editorial do portal Nodal – Notícias da América Latina e Caribe, de 30/12/2015 (em espanhol – o título principal acima é deste blog)
El año culmina y desde Nodal desandamos los temas y acontecimientos que signaron los últimos doce meses de la región. El resultado: un texto que integra la mirada de cada uno de nuestro portales sobre lo que dejó el 2015 y traza un balance informativo de la vida política, económica, cultural, universitaria y tecnológica de América Latina y el Caribe.

Sin dudas en términos históricos los dos hechos destacados de 2015 tienen que ver con sendos procesos de resolución de dos de los conflictos más largos de la historia moderna del continente: El enfrentamiento armado colombiano y la reapertura de relaciones diplomáticas entre Cuba y EEUU.

Ambos diferendos tuvieron señales auspiciosas en el último tiempo. Las negociaciones en La Habana, entre representantes del ejecutivo encabezado por Juan Manuel Santos y de las Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia – Ejército del Pueblo (FARC-EP), avanzaron en cuatro de los cinco puntos de la agenda de negociaciones, al punto que el mandatario colombiano se animó a asegurar que el conflicto “se acabará en cuatro meses”.

A la reconstrucción de las relaciones diplomáticas entre La Habana y Washington, con la apertura de las correspondientes embajadas, se sumó la liberación de presos políticos, lo que llevó a un nuevo escenario de “deshielo” en las relaciones. Aun resta resolver el bloqueo comercial que EEUU impone todavía sobre Cuba.
Quien ejerció un rol determinante en el acercamiento entre Castro y Obama, fue el Papa Francisco que eligió realizar una gira por Cuba y Estados Unidos en septiembre pasado. Francisco, a su vez, en julio visitó Ecuador, Bolivia y Paraguay, donde manifestó importantes definiciones políticas muy críticas con el capitalismo financiero del presente.
En Guatemala a unos pocos días antes de las elecciones, y luego de denuncias por corrupción y fuertes movilizaciones sociales, fue depuesto el presidente Otto Perez Molina. Quien finalmente fue elegido presidente, fue el comediante conservador Jimmy Morales, quien aventajó en segunda vuelta a la ex primera dama Sandra Torres.
En Haití, la contienda electoral por la primera magistratura se vio salpicada por acusaciones de fraude realizadas por la oposición, la demora de varias semanas en dar a conocer los resultados que arrojó la primera vuelta y una creciente atmósfera de violencia social y política. En en ese contexto el gobierno decidió postergar la segunda vuelta, que estaba originalmente pautada para el domingo 27 de diciembre, con la intención de transparentar el proceso.
En Colombia donde hubo elecciones municipales sobresalió la derrota de la izquierda en la capital, Bogotá, tras doce años de gobierno, a manos del candidato de centro-derecha Enrique Peñalosa mientras que en Asunción, la capital de Paraguay, Mario Ferreiro, líder de la centroizquierda y aliado al Partido Liberal, prevaleció sobre el Partido Colorado y obtuvo la intendencia de la ciudad.
Mensagem de Ano Novo da Nodal
Pedro Brieger, diretor da Nodal, um dos eleitos como personagem do ano pela Andes (Agência Pública de Notícias do Equador e Sul-américa)
En los últimos meses del año, el escenario político ha sido particularmente relevante para la región. El giro conservador en la Argentina concretado a partir del ajustado triunfo conseguido por Mauricio Macri, la ley de convocatoria promulgada por la Asamblea Legislativa Plurinacional de Bolivia que habilitó la realización de un referéndum en febrero próximo en el que se decidirá si Evo Morales se puede presentar en las elecciones del 2019 y el triunfo de la oposición venezolana en los comicios legislativos constituyen tres novedades políticas que, más allá de las gravitaciones inmediatas de cada caso y las consecuencias que traerán aparejadas, tienen una trascendencia inobjetable. Completa el panorama en el Cono Sur la inestable situación política en Brasil en donde continúa la intensa ofensiva de la oposición contra el gobierno de Dilma Rousseff, que llegó hasta la presentación del proceso de impeachment (juicio político).
El año económico de la región: la necesidad de diversificar la matriz productiva frente a un contexto internacional adverso
Desde el punto de vista económico, se cierra un año complejo para la región. La tendencia regresiva de las condiciones internacionales que hasta hace poco favorecieron el ciclo de bonanza - altos precios de las materias primas y los alimentos junto a un elevado nivel de consumo de las potencias mundiales - perduraron y se acentuaron durante este 2015, generando las primeras contracciones visibles en algunos de los distintos escenarios nacionales, especialmente en América del Sur. El año que culmina, en tal sentido, se inscribe como continuidad del ciclo de amesetamiento del crecimiento – cuando no retracción - comenzado en 2012, en fuerte contraste con el período de importante expansión evidenciado entre 2003 y 2011. Así lo confirma, por ejemplo, la CEPAL, que en su balance anual sostiene que en el 2015 las economías latinoamericanas y caribeñas evidencian en promedio un retroceso del 0,4%, siendo que para el año entrante las expectativas pronostican un crecimiento regional escaso del 0,2%.
Entre las razones que explican el agudo escenario quizás la más importante sea la persistente y notoria caída de los precios internacionales de las materias primas lo cual se tradujo en un marcado deterioro de los términos de intercambio de la mayoría de los países de la región. La caída abrupta del precio del petróleo y sus derivados, como así también de los minerales y los alimentos en general, ha significado para las naciones latinoamericanas una sensible reducción de los ingresos. En relación con lo anterior, la caída de la demanda de los grandes centros mundiales –fundamentalmente China, uno de los principales socios comerciales de la región- también ayudó a la contracción del volumen de las exportaciones, afectando los ingresos de las economías latinoamericanas. A ello hay que sumar, además, una caída importante de las inversiones extranjeras en el subcontinente y una apreciación constante del dólar, asociada a este factor de baja sostenida del precio de las materias primas, que condujo a déficit presupuestarios en varios países, caída de reservas y devaluación de las monedas, y de otra variable no menor, el alza vaticinada desde hace meses y, finalmente anunciada, de la tasa de interés en Estados Unidos.
En los últimos diez años, América Latina logró sacar de la pobreza a más de 70 millones de personas, mejoró gran parte de sus indicadores sociales y en varios países hubo un notable crecimiento de sus clases medias. La reconstrucción del mercado interno, las políticas productivas - en lugar de las especulativas -, la nacionalización de industrias estratégicas y el desendeudamiento en países liderados por fuerzas progresistas, posibilitaron estos avances en la distribución del ingreso. Sin duda, esto debe ser tomado como un piso desde donde seguir avanzando en la inclusión y la igualdad.
Los cuatro elementos paradigmáticos que tuvo el año en materia cultural
El 2015 estuvo marcado por cuatro sucesos: la multitudinaria convocatoria contra la violencia de género #NiUnaMenos, la recuperación pública de los bienes patrimoniales, una renovada agenda escénica y artística vinculada a las demandas por las violaciones a los DDHH y los debates a propósito de la creación de nuevas estructuras gubernamentales en materia cultural.
#NiUnaMenos fue la cristalización de una identidad político-cultural que, en primera instancia surgió en Argentina pero que incontables luchadorxs de toda la región replicaron a través de movilizaciones y distintas iniciativas que incluyeron la creación en el campo de las artes de temas inspirados en la lucha contra la violencia de género. Desde México hasta Argentina, el campo cultural estuvo marcado en este 2015 por una reacción masiva contra los incontables casos de femicidio –como un modo de violencia social siempre ocultado- que sacuden la vida cotidiana de nuestros pueblos.
Nodal Cultura lembra a morte do escritor uruguaio Eduardo Galeano, homem fundamental da Pátria Grande
Por su parte, la recuperación patrimonial, de objetos, reliquias y archivos y también de tradiciones y expresiones inmateriales, ancestrales y populares, no solo significó un proceso de fortalecimiento del legado cultural de cada país, sino que marcó positivamente la relación entre los estados latinoamericanos y caribeños. Este avance no implicó una simple “puesta en valor”, sino una apuesta por visibilizar y reconocer historias y costumbres que reflejan las identidades regionales en simultáneo con la concreción de un serio trabajo arqueológico, una nueva conceptualización en materia museológica y una reconstrucción del concepto de patrimonio cultural. Si bien esta situación varió en cada país, en relación con el signo político del gobierno de turno y el marco general en el que se desenvolvieron las políticas culturales de cada nación, la región en su conjunto dio un salto cualitativo en materia de patrimonio material e inmaterial.
Las artes escénicas, visuales y plásticas se convirtieron en portadoras fundamentales de la demanda de memoria, verdad y justicia. El teatro y la danza, tanto como el cine o la pintura, contribuyeron a generar una conciencia colectiva mayor al analizar, revisar y cuestionar las violencias ejercidas por las dictaduras, y motivaron la persistencia de una reflexión necesaria respecto de las heridas que produjeron esos Estados Terroristas y que persisten hasta la actualidad en el cuerpo de nuestras sociedades. Y esto lo hicieron desde planteos estéticos que enriquecen el lenguaje de los reclamos y la defensa de la vida democrática.
En cuanto a la creación de nuevas estructuras y órganos gubernamentales vinculados con la gestión cultural, varios países tuvieron cambios o están en vías de tenerlos, no sin debates y críticas, que de algún modo permiten entender cuáles son las principales discusiones en el ámbito de las políticas culturales. ¿Para qué sirve un ministerio o una secretaría? ¿Quiénes y cómo deben participar de la gestión pública de la cultura? ¿En qué medida las políticas culturales son una prioridad para los respectivos gobiernos de la región? ¿Cuál es el rol que debe tener el Estado en relación a la cultura pública y privada? Que existan estás discusiones, dan cuenta de cuáles son las tensiones en el campo cultural y quiénes son los nuevos actores que superan aquella vieja mirada que sólo limitaba la cultura a cierta elite artística. Últimamente, la polémica suscitada por la creación de la Secretaría de Cultura en México resume el tono de esta controversia presente, en distintos niveles, en toda la región.
En el 2015, el campo de la cultura tuvo un desarrollo a favor de los debates y las luchas, con indudables nudos problemáticos, pero con una luz de optimismo en lo que tiene que ver con el reconocimiento de la diversa y notable cultura ancestral y popular de los latinoamericanos y caribeños. Omitidos muchas veces por la prensa hegemónica, considerados en otros casos desde una lógica corporativa por esos mismos medios de comunicación dominantes, estos cuatro elementos que sobresalieron a lo largo del año tuvieron y tienen su lugar en Nodal.
El panorama universitario: entre avances, cuentas pendientes y luchas estudiantiles
El ámbito universitario en América Latina y el Caribe constituye un universo tan grande como complejo y heterogéneo. A la hora de los balances, podría decirse que una de sus principales tensiones gira en torno a las posibilidades de acceso (a qué??).
Pese a los avances registrados en los gestiones de gobiernos progresistas o de centroizquierda, en la región más desigual del planeta las inequidades económicas siguen generando disímiles condiciones de acceso a la educación universitaria, así como promueven diferenciaciones en la calidad de los aprendizajes.
Sin embargo, los avances no han sido pocos. En este sentido, Nodal Universidad ha reflejado la rica oferta de investigaciones, innovación tecnológica, proyectos, programas de becas o convocatorias, entre otras noticias, que expresan el dinamismo de la vida universitaria regional, y que la mayor parte de las veces no encuentra un espacio en los grandes medios de comunicación.
Por otro lado, el recorrido por algunos episodios puntuales de lo acontecido durante 2015 muestra la vitalidad de la tradición de las luchas estudiantiles y su impacto sobre la coyuntura social y política latinoamericana.
As lutas estudantis continuaram a marcar a conjuntura chilena (o editorial da Nodal destaca também o movimento dos secundaristas de São Paulo)
Así lo evidenciaron las movilizaciones que una vez más marcaron el pulso político en Chile, en la búsqueda de una reforma educativa que reemplace el actual sistema heredado de la dictadura de Augusto Pinochet y la remezón producida por la movilización de los estudiantes secundarios paulistas con la ocupación de más de 200 centros de estudio en defensa de la enseñanza gratuita, pública y laica.
Asimismo, en lo que constituye un hito en la historia de la universidad en Guatemala, los estudiantes jugaron un papel clave en la serie de manifestaciones que desencadenaron la renuncia del presidente Otto Pérez Molina. En este sentido, otra de las luchas estudiantiles, que marcó un antes y un después en 2015 la protagonizaron los estudiantes hondureños de la principal casa de estudios del país, la Universidad Nacional Autónoma de Honduras, quienes se posicionaron con dureza frente a una serie de reformas de corte neoliberal realizadas en la educación superior.
Los conflictos en Guatemala, Chile u Honduras grafican el clivaje principal sobre el cual se ordenan los problemas y los desafíos en el ámbito universitario de América Latina y el Caribe, y que podría describirse en términos del binomio inclusión versus exclusión. De esta manera, el campo de batalla puede quedar expresado en el movimiento pendular entre dos grandes modelos. Por un lado, aquel organizado bajo los parámetros del mercado, con una lógica privatista y donde la educación se convierte en una mercancía. Y, en el otro extremo, el modelo de universidad en el que la educación es un derecho social y se garantiza la universalidad y la gratuidad. En el medio, están los matices. Pero, en esa contradicción se ubican los dilemas del futuro.
Los avances de la región en la búsqueda de la soberanía científica y tecnológica
En las últimas décadas, los gobiernos de América Latina y el Caribe desarrollaron políticas públicas orientadas al robustecimiento del campo de la ciencia y la tecnología. Las instituciones dedicadas a la promoción científica y tecnológica se fortalecieron, se aumentaron los fondos disponibles e, incluso, se crearon ministerios y secretarías que, dedicadas en exclusiva a la promoción del área, impulsaron la integración de actividades económicas y sociales. Las autoridades tomaron conciencia respecto de la participación de los desarrollos científicos en el engranaje productivo y, en efecto, nuestros estados se enfrentan a un conjunto de nuevas temáticas que no pueden ser soslayadas en sus agendas públicas.
En la actualidad, los vínculos entre las naciones se materializan en acuerdos que incluyen fuertes inversiones e imprimen el sello de un objetivo general y compartido: el fortalecimiento de una soberanía científica y tecnológica que sólo podrá ser conquistada bajo un esquema de cooperación internacional (con EEUU o regional con los vecinos?) y mutuo respeto. La región cuenta con recursos humanos altamente capacitados que producen innovaciones tecnológicas, así como también con preciados recursos naturales que deben ser protegidos y aprovechados mediante políticas de desarrollo sustentable.
En este marco, durante el 2015 Nodal Tec buscó difundir difundió los avances más destacados de la región. Relevó, por ejemplo, la suscripción de acuerdos binacionales o multilaterales sobre medioambiente y cambio climático, cuyo correlato global se vio reflejado en la reciente cumbre de París. Informó, con especial minucia, iniciativas como el lanzamiento del satélite geoestacionario argentino Arsat II (a fines de septiembre) así como el fortalecimiento de la carrera espacial chilena a partir del inicio de la construcción del Gigante de Magallanes, el telescopio más grande del mundo.
También recuperó los avances brasileños y mexicanos vinculados al combate de un virus letal para las poblaciones locales como el dengue, del mismo modo que destacó todas las buenas nuevas que provinieron de Cuba y su sistema de salud ejemplar a nivel internacional. No faltaron noticias respecto a los avances de los países centroamericanos y caribeños, relacionadas a la promoción de insumos renovables a partir de la diversificación de las matrices energéticas (producción eólica en países como Costa Rica, y geotérmica en islas como San Cristóbal y Nieves, y Dominica), ni tampoco se soslayaron los esfuerzos de gobiernos como el de Uruguay y Venezuela por democratizar el acceso a la banda ancha e internet.
Además, intentamos dar dio cuenta de la infinidad de iniciativas novedosas y creativas que tantas investigadoras e investigadores latinoamericanos impulsaron a lo largo del año, lo que da cuenta de que el aporte científico que nuestro subcontinente hace al mundo es enorme a pesar de no visibilizarse con frecuencia en los medios de la región.

En efecto, confiamos en que la producción de la ciencia es tan importante como su divulgación. Fueron tantas las buenas noticias que nos preocupamos por comunicarlas con rapidez y calidad, con el objetivo de informar sobre todo los desarrollos tecnológicos y creativos pensados y realizados en la región.

PRENSA LATINA: GOVERNO DESTACA CRESCIMENTO RÉCORDE DA BOLÍVIA E AVANÇOS SOCIAIS

(Foto: Prensa Latina)
Vice-presidente García Linera: O mundo fala do milagre boliviano e nos perguntam como fazemos para crescer 5% quando o Chile vai crescer 1,5%; o Brasil está decrescendo a menos 1% e o México crescerá entre 0,9% e 1%.
Da agência de notícias Prensa Latina, de 31/12/2015
La Paz - A Bolívia está vivendo um dos momentos econômicos e sociais mais importantes de sua história, afirmou o vice-presidente Álvaro García Linera, ao destacar o salto em nove anos de seu Produto Interno Bruto (PIB), de quase quatro vezes.


Há nove anos, apontou em entrevista com a televisora oficial, a economia boliviana media nove bilhões de dólares, hoje seu PIB ascende a 33 bilhões. Nenhum país da América Latina tem tido esse salto, disse, e essa riqueza distribui-se entre sua população, acrescentou.

Os prognósticos do país andino dão um crescimento do PIB de 5,8% entre 2016 e 2020, enfatizou, e em infraestrutura via os seguintes 50 anos estão seguros com o investimento atualmente em negociação de sete bilhões de bolivianos (1 bilhão e 4 milhões de dólares).

Em 2005 o salário mínimo de um boliviano era 50 dólares ao mês, enquanto na Argentina eram 200 dólares, umas quatro vezes mais, relatou. Hoje o salário mínimo do boliviano é de quase 220 dólares e o salário mínimo argentino é 450, o qual reduziu a diferença a umas duas vezes, sublinhou.

A economia do Chile em 2005 era 14 vezes maior que a boliviana, recordou, e em nove anos temos reduzido essa diferença a oito vezes. Se mantivermos o ritmo de crescimento atual, disse, em 2020 a diferença será de quatro vezes, e em 2025, de só duas vezes.

A economia da Bolívia é a que, em função de seu tamanho, tem crescido mais na região, com estabilidade política, social, e segurança jurídica para o investimento estrangeiro, como sócios e ofertantes de serviços, nunca como patrões, enfatizou García Linera.

O mundo fala do milagre boliviano, assinalou seu vice-presidente, e perguntam-nos como fazemos para crescer cinco por cento quando o Chile vai crescer 1,5 por cento; o Brasil está decrescendo a menos um por cento e o México crescerá entre 0,9 e 1%.

A fórmula boliviana de modelos pós neoliberais, explicou, baseia-se em movimentos sociais no poder, nacionalização, mercado interno, distribuição da riqueza, industrialização e a liderança do presidente Evo Morales.

É um país que dinamiza seu mercado interno, explicou, depois de afirmar que estes resultados demonstram uma alternativa na economia ao velho neoliberalismo que tanto dano fez ao continente e à Bolívia.

PRENSA LATINA: VENEZUELA MANTEVE O INVESTIMENTO SOCIAL COMO PRIORIDADE EM 2015

(Foto: Prensa Latina)
Diante da vitória parlamentar da oposição, no último dia 6 de dezembro, fato que atenta contra o desenvolvimento dos programas sociais, a direção do país aprovou também um conjunto de leis e reformas para garantir a segurança do povo, bem como impulsionar e diversificar a economia do país.
Da agência de notícias Prensa Latina, de 31/12/2015
Caracas - O governo venezuelano manteve o investimento social como prioridade no ano que se encerra hoje, apesar da queda dos preços do petróleo, a principal fonte de renda do país sul-americano. A queda do preço internacional do barril de petróleo comprometeu pelo menos 70 por cento das divisas que ingressavam na Venezuela.

Apesar dessas circunstâncias, a Revolução Bolivariana mantém sua política de proteção ao povo, que lhe permitiu atingir este 2015 os três milhões de aposentados, aumentos salariais, proteção do emprego e programas sociais como a Grande Missão Moradia Venezuela (GMVV – V de Vivienda/Moradia).

O presidente da República, Nicolás Maduro, entregou nesta quarta-feira (dia 30) a unidade habitacional número um milhão, cumprindo assim com a meta proposta para este ano dentro desse projeto social.

A GMVV foi criada por iniciativa de Hugo Chávez, que pediu que fossem atendidas, no início, às famílias venezuelanas que tinham ficado sem um teto próprio como resultado das intensas chuvas registradas no país no final de 2010 e inícios de 2011.

Posteriormente, esse programa se estendeu ao restante da população, principalmente aos setores mais desfavorecidos diante do alto custo dos imóveis no mercado especulativo.

A meta para este ano é inaugurar um milhão de moradias, para chegar em 2019 com três milhões construídas e entregues.

Da mesma forma, a Venezuela conseguiu localizar-se entre os países com alto desenvolvimento humano em meio a uma guerra econômica e planos desestabilizadores promovidos pela direita local.

Além disso, com a entrega do computador Canaima número quatro milhões e o reimpulso da Missão Robinson II Produtiva, o Governo Bolivariano continuou avançando na área educacional neste ano.

Diante da vitória parlamentar da oposição, no último dia 6 de dezembro, fato que atenta contra o desenvolvimento dos programas sociais, a direção do país aprovou também um conjunto de leis e reformas para garantir a segurança do povo, bem como impulsionar e diversificar a economia do país.

Dos 1.548.574.000,00 de bolívares (mais de 245 bilhões de dólares, com taxa de câmbio de 6.30) do orçamento venezuelano para 2016, 78 por cento será pela arrecadação de rendas internas e o 22 por cento por via petroleira.

A estimativa orçamentária do país baseou-se na análise e estudo de todas as variáveis econômicas e de mercado, diante da queda dos preços do petróleo no mercado internacional desde meados de 2014.

Para os cálculos do orçamento venezuelano de 2016 foi considerado o preço do barril de petróleo em 40 dólares, com uma inflação de 60 por cento, e a taxa de câmbio de 6.30 bolívares por dólar.

Por outro lado, os representantes da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reuniram-se no início de dezembro em Viena, Áustria, para acordarem a cota de produção de petróleo para o próximo ano.

Países como Venezuela, Equador, Líbia e Argélia propuseram uma redução conjunta da oferta devido à baixa de preços no mercado; atribuída por algumas nações à superoferta gerada pelos Estados Unidos.

No entanto, o bloco decidiu manter a cota de produção de petróleo em 30 milhões de barris diários.

PRENSA LATINA: CRESCE INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM CUBA

Visita do então governador do RGS, Tarso Genro, em 2012, às obras do Porto de Mariel, exemplo de investimento estrangeiro em Cuba, no caso brasileiro (Foto: Caco Argemi/Palácio Piratini)
A captação de capital estrangeiro é considerada uma das ações de maior peso no processo de atualização do modelo econômico cubano.

Da agência de notícias Prensa Latina

Havana - O ano de 2015 foi decisivo para o crescimento do investimento estrangeiro direto (IED) em Cuba devido à intensa atividade de promoção e à aprovação dos primeiros projetos, depois do novo rumo adotado para essa estratégia.

Ao considerá-la uma das transformações de maior transcendência na política econômica de Cuba, analistas e autoridades da ilha consideram essa opção para setores essenciais, já não como complemento, mas como fator central para o desenvolvimento econômico do país.

A captação de capital estrangeiro é considerada também uma das ações de maior peso no processo de atualização do modelo econômico cubano e se fundamenta na importância de investir recursos externos para elevar de maneira sustentável o ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).

Cálculos estimam que, para conseguir taxas de crescimento entre cinco e sete por cento do PIB, é necessário atrair fluxos de investimento estrangeiro entre 2 bilhões e 2,5 bilhões de dólares anuais.

A experiência internacional indica que os países que conseguiram adotar um caminho de crescimento e melhoria na infraestrutura e nas condições de vida da população mantêm taxas acima de 30% do PIB, que, além disso, proporcionam acesso às cadeias internacionais de valor e às novas tecnologias.

Em concordância com a Lei 118 de Investimento Estrangeiro, deve se dispor de participação majoritária cubana nos setores que incluem extração de recursos naturais, prestação de serviços públicos, desenvolvimento de biotecnologia, comércio atacadista e turismo.

De acordo com a diretora de Negócios do Ministério de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro (Mincex), Katia Alonso, até metade de 2015 tinham sido aprovados cerca de vinte projetos de investimento estrangeiro, entre os quais se destacam contratos de administração hoteleira, associações econômicas internacionais e empresas mistas nos setores de petróleo, turismo, serviços profissionais e construção.

Dentro desse grupo, se destacam os oito aprovados na Zona Especial de Desenvolvimento Mariel (ZEDM), dois deles já operativos e seis em processo de execução dos investimentos.

Pela parte cubana, figuram a Empresa de Serviços Logísticos e o Terminal de Contêiners, este último sob contrato de administração com a PSA Internacional, de Singapura, uma das mais importantes operadoras de terminais portuários do planeta.

Também existem firmas de capital cem por cento estrangeiro, como as mexicanas Richmeat, produtora de embutidos de carne, e Devox Caribe, fabricante de pinturas. A Espanha tem presença em Cuba com a Profood Service, fornecedora de alimentos e bebidas para o setor hoteleiro.

As outras aprovadas são BDC-Log e BDC-Tec, ambas da Bélgica, que se dedicarão a atividade logística e no setor de alta tecnologia, respectivamente, e BrasCuba, produtora de cigarros, composta por Brasil e Cuba.

Para Ana Teresa Igarza, diretora geral do Escritório que administra a ZEDM, "essas primeiras empresas estrangeiras são pequenas; temos expedientes quase concluídos com outras mais fortes, mas vale esclarecer que a Zona não é apenas para os grandes - que naturalmente queremos -, mas também para médios e pequenos, de pessoas jurídicas ou naturais de qualquer país cujos projetos nos convêm".

No meio dos trâmites de promoção da IED, Cuba aproveitou a edição 33 da Feira Internacional da Habana para apresentar seu Diretório Comercial, que reúne 323 empresas vinculadas a 22 setores, que exercem atividades de exportação, importação e produção.

Trata-se de um instrumento para facilitar os contatos entre instituições cubanas e estrangeiras e inclui, também, regulamentações técnicas ao comércio, principalmente aquelas associadas à qualidade e aos requisitos indispensáveis para exercer a atividade de compra e venda no exterior.

Esse documento foi acompanhado pela segunda versão da Pasta de Oportunidades de Negócios do país, que inclui agora 326 projetos identificados em 12 áreas econômicas fundamentais.

Valorizados em oito bilhões de dólares, os projetos incluídos estão espalhados por todo o arquipélago e foram identificados por empresas cubanas interessadas em fomentar o fluxo de capital estrangeiro para melhorar suas capacidades tecnológicas e métodos de gestão.

A versão atual tem como novidade a incorporação de três projetos orientados a criar instalações para o desenvolvimento da exportação de serviços de turismo, saúde e associados ao esporte.

Além disso, inclui negócios vinculados aos meios audiovisuais e ao comércio atacadista, cada um com três projetos para a promoção dessas atividades no país.

Este portfólio renovado contém 80 oportunidades de investimento a mais que o anterior, do qual foram retirados 40 por estar em fase de negociação avançada.

Com estes dois documentos à disposição dos investidores estrangeiros, Cuba passa a uma nova fase de inserção no mercado internacional, com maiores oportunidades e condições para diversificar suas relações comerciais, inclusive sem o bloqueio.

Segundo o ministro de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro, Rodrigo Malmierca, "nos encontramos em um momento de decolagem, de geração de confiança para investidores de outros países em um marco econômico e político que vem despertando grande interesse".

ELEMENTOS QUE SE COMBINAM

De transcendência considerável durante todo o ano foi o avanço no processo de restauração e normalização das relações com os Estados Unidos, ainda com a permanência do bloqueio econômico, comercial e financeiro, principal obstáculo para a realização de um maior número de investimentos.

O economista José Luis Rodríguez, assessor do Centro de Pesquisa da Economia Mundial, afirma que os efeitos dessa aproximação têm sido maioritariamente indiretos, considerando o impacto que provavelmente terá o levantamento do bloqueio no mercado cubano.

Em sua opinião, isto repercutiu no processo de normalização gradual do fluxo financeiro externo e representou maior interesse de comercializar e investir em Cuba por parte de setores de negócios de diversos países, entre os quais se destacam México, Espanha e Rússia.

Para este especialista, não é menos importante o reordenamento e a melhoria da posição financeira do país, particularmente no que se refere à sua dívida externa.

Nesse sentido, mencionou a redução de 70% da dívida com o Clube de Paris, que alcançou cerca de 11,1 bilhões de dólares, dos quais serão pagos 2,6 bilhões em um período de 18 anos.

Essa transação se soma a avanços anteriores, como a remissão por parte da Rússia de 90% da dívida à antiga União Soviética, um total calculado em cerca de 35 bilhões de dólares, com facilidades para o pagamento restante durante 10 anos e com baixas taxas de juros.

Passo importante foi o pagamento de 70% da dívida com o México, ou 487 milhões de dólares, com facilidades para pagar o restante.

Rodríguez explica que com este desempenho, que implicou que o pagamento do serviço da dívida aumentasse de 2,5 a cinco por cento do PIB entre 2008 e 2015, começam a observar avanços na oferta de novos créditos e no investimento estrangeiro direto.

Trata-se de um aumento na credibilidade financeira da ilha e nas oportunidades de inserção na economia mundial, assim como uma taxa de crescimento mais acelerada.

Algo que seguramente terá, além disso, uma consequência direta no comércio, nos negócios com os provedores e, obviamente, no investimento estrangeiro.

CUBA PREPARA CELEBRAÇÕES PELO 57º. ANIVERSÁRIO DA REVOLUÇÃO

(Foto: Prensa Latina)
Mais de meio século depois, apesar da permanência do bloqueio dos Estados Unidos - o mais longo da história - a nação caribenha desenvolve um processo de atualização do modelo econômico e social.

Da agência de notícias Prensa Latina, de 31/12/2015

Havana - Os cubanos terminam hoje preparativos de diversas atividades em cumprimento ao aniversário 57 do triunfo da Revolução, e para celebrar a chegada de 2016.

Como a cada ano, às 12 da noite se realizará a habitual cerimônia militar que inclui disparos de 21 salvas de artilharia desde a fortaleza de San Carlos da Cabana, à entrada da baía de Havana.

Também com motivo das efemérides, o Ballet Nacional de Cuba (BNC) prepara para os dias 1 e 3 de janeiro uma festa no Grande Teatro de Havana Alicia Alonso, o qual reabrirá suas portas nesse dia, depois de sua restauração.

No espetáculo se apresentará o segundo ato do lago dos cisnes, peça com coreografia da prima bailarina absoluta Alicia Alonso sobre a original de Lev Ivanov e música de Piotr Ilich Chaikovski.

Sob o título Tríptico Clássico, o programa do BNC inclui ademais o primeiro ato de Giselle, inspirado em uma lenda popular alemã recolhida pelo poeta e ensaísta Heinrich Heine, e o terceiro de Coppélia.

Para os cubanos, o 1º. de janeiro de 1959 representou o fim do regime ditatorial de Fulgêncio Batista e o início de uma etapa de transformações em benefício da maioria da população.

Mais de meio século depois, apesar da permanência do bloqueio dos Estados Unidos - o mais longo da história - a nação caribenha desenvolve um processo de atualização do modelo econômico e social para garantir a continuidade e o fortalecimento do sistema socialista adotado em ara do desenvolvimento nacional.

A vontade de continuar esse caminho foi ratificada no dia 29 de dezembro pelo presidente Raúl Castro ao intervir em sessão plenária do Parlamento, para o qual chamou a elevar a produtividade, eficiência, controle e poupança dos recursos da nação.

Afirmou que apesar de que o Produto Interno Bruto nacional crescerá uns dois por cento, a um ritmo mais lento, no próximo ano, se manterão as conquistas de benefício social da Revolução.

Cuba situa-se como um país de alto desenvolvimento humano como resultado das sustentadas políticas de bem-estar social implementadas, e cumpriu grande parte dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas.

Atingiu metas – a de Número Um (erradicar pobreza extrema e a fome), Dois (conseguir ensino primário universal), Três (promover igualdade entre os gêneros e empoderamento da mulher) e Quatro (reduzir a mortalidade das crianças menores de cinco anos) -, e  trabalha para especificar as restantes.

CONVERSA AFIADA: PROPINA A AÉCIO LEVOU SEIS MESES PARA VAZAR

(Imagem: Fábio Sexugi: "Minha sugestão à Veja para sua próxima capa")

Nassif: a Lava Jato só ataca um lado

O Conversa Afiada reproduz artigo de Luis Nassif:

Falta um 11º mandamento na lista bíblica de Dallagnol

Há duas maneiras de ler a Lava Jato: pelas manchetes e pelas entrelinhas.

Já que as manchetes são óbvias, vamos a uma releitura através das entrelinhas do que saiu publicado nos últimos dias.

***

O repórter policial da Folha, Frederico Vasconcellos, divulgou trechos de um trabalho de Sérgio Moro de 2004, sobre a Operação Mãos Limpas, da Itália. Já havia sido divulgado e analisado no Blog há tempos. Como é repórter policial, restringiu-se aos abusos para-legais analisados por Moro na Mãos Limpas, e vistas por ele como imprescindíveis para a Lava Jato. Tipo, em linguagem policial: tem que manter o suspeito na prisão o máximo de tempo possível afim de que ele abra o bico.

***

Mais sofisticado, o colunista Mário Sérgio Conti aborda outros ângulos do trabalho, exaustivamente discutidos no Blog. Um deles, o uso desabusado da imprensa, através do vazamento de notícias visando comandar a pauta.

Aborda também os aspectos geopolíticos da cooperação internacional - a rede internacional de autoridades de vários países, montada inicialmente para o combate à narcotráfico e ao terrorismo e, depois, estendida para outras atividades ilícitas, sob controle estrito das autoridades norte-americanas.

***

Aqui, mostramos claramente que a cooperação internacional tornou-se uma peça da geopolítica norte-americana, visando impedir concorrência desleal de empresas de outros países contra as americanas.

Conti faz uma baita ginástica para a conclusão óbvia: na cooperação internacional, os Estados Unidos entram com motivação econômica. O óbulo: "Para os toscos,  é um garrote vil do imperialismo norte-americano". Para ele, que é sofisticado, "a corrupção beneficia as burguesias locais, mormente (sic) de países periféricos, em detrimento da classe dominante do Império". E justifica como um gesto de auto-defesa dos EUA – aquele país cujas ferramentas de espionagem não pouparam sequer presidentes de nações amigas.

***

Pelo conteúdo, o artigo foi montado em cima de entrevistas com membros da Lava Jato, que admitem o jogo. Segundo eles, "admite-se que a motivação americana (e não apenas ela) tem boa dose de mercantilismo". Mas, no frigir dos ovos, acreditam que seja benigna, pois "ajuda o Brasil a resolver seus problemas".

A maneira como as corporações norte-americanas instrumentalizam suas instituições torna o Brasil um peixe fácil. É para ajudar o Brasil a resolver seus problemas que a Lava Jato tratou de criminalizar financiamentos à exportação de serviços, que o MPF tenta a todo custo envolver o BNDES e espalhar suspeitas sobre ações diplomáticas na África.

Nem se culpe juiz, procuradores e delegados. Eles apenas se valem de forma oportunista da fragilidade institucional brasileira, da visão rala de interesse nacional, de uma presidente politicamente inerte e de um Ministro da Justiça abúlico para ocupar espaços.

***

A manipulação da mídia ficou clara em um episódio ocorrido ontem. Nos depoimentos, qualquer menção a Lula é vazado no mesmo dia.

Ontem, o repórter Rubens Valente, da Folha - que não pertence ao circuito mídia-Lava Jato - levantou o depoimento de um delator apontando propinas a Aécio Neves. É de junho passado. Passou seis meses inédito.

No período da tarde, a Lava Jato tratava de vazar correndo outro depoimento, indicando pagamento de propinas ao presidente do Senado Renan Calheiros, a um senador da Rede, Randolfo Rodrigues.

***

Todo dia o procurador Deltan Dallagnol aparece em sua campanha pelos 10 pontos a serem alterados na lei para combate à corrupção.

Se fosse uma campanha efetivamente isenta, o 11º ponto seria a obrigação do Procurador Geral da República e do Supremo Tribunal Federal (STF) de abrir os dados em relação a todo pedido de vista ou todo inquérito engavetado. E de se criar formas que impeçam o uso político do vazamento seletivo de inquéritos.

No STF, o ex-Ministro Ayres Britto engavetou por dez anos, sem nenhuma explicação, o inquérito sobre o mensalão mineiro. Tinha que apresentar em uma sessão, foi tomar um café no intervalo, e na volta simplesmente deixou de falar sobre o inquérito.

Do mesmo modo, desde 2010 dorme na gaveta do PGR um inquérito contra Aécio Neves, acusado de ter conta no paraíso fiscal de Liechtenstein em nome de uma offshore. Como o próprio Procurador Geral observou, na denúncia contra Eduardo Cunha, o uso de offshores visa esconder a verdadeira identidade dos titulares da conta. E se visa esconder, é porque o dinheiro é de procedência duvidosa.

***

De fato, o país precisa ser passado a limpo. E a Lava Jato tem feito um trabalho completo de desvendar as maracutaias de um lado. Mas esconde e blinda os malfeitos do outro lado.

Se ataca só um lado - a ponto de deixar por um fio o mandato de uma presidente inerte - e poupa o outro, é evidente que instrumentaliza o combate à corrupção em favor de interesses corporativos e políticos.

Essa hipocrisia não pode perdurar muito, ainda mais em um ambiente de redes sociais.

FERNANDO BRITO: O DEMOCRATA MACRI ANULA LEI POR DECRETO. A MÍDIA É DONA DOS GOVERNOS


Muita gente havia se esquecido de como a direita é bruta, autoritária e usa a força, legal ou ilegal, para se impor.
Por Fernando Brito, no seu blog Tijolaço, de 31/12/2015
Do diário argentino Pagina 12:
O  presidente (argentino, Maurício Macri)  decidiu por um “Decreto Nacional de Urgência” que a partir de ontem, “a guerra do Estado contra o jornalismo” foi concluída. A medida, a ser publicada segunda-feira no Diário Oficial, cria a Agência Nacional de Comunicações (ENACOM) e elimina a AFSCA e Aftic, autoridades na implementação da Lei de Ato de Serviços de Comunicação Audiovisual e a Argentina Digital (Nota do Tijolaço: conhecida como “Ley de Medios”).
Além disso,  modificações foram  feitas em vários artigos da lei para beneficiar o setor privado. Ambas as agências tinham sofrido intervenção por decreto na semana passada e  foram nomeados  Agustin Garzón e Mario Frigerio, no lugar de Martin Sabbatella e Norberto Berner (NT: com mandato).
No entanto, ontem o juiz de La Plata Luis Arias emitiu uma medida cautelar em que anulou a intervenção do Executivo e ordenou-lhe que se abstenha de fazer quaisquer alterações “nos poderes e na existência da AFSCA”. Arias advertiu que a prevalecer o Decreto, a atitude de Macri “seria uma violação da constituição e passaria diretamente a ser cometido um crime.” No entanto, fontes do partido governista garantem que Macri  vai recorrer da sentença e confirmaram que na segunda-feira publicará o decreto.”
Alguém aí lembra como era aquela história de que o “bolivaniarismo” dos Kirchner era uma espécie de ditadura, onde as garantias da lei e do Judiciário não eram respeitadas?
Na Venezuela, a Corte Suprema suspendeu a diplomação  de quatro deputados – três da oposição e um do chavismo – por supostas fraudes nas eleições. A oposição venezuelana, entretanto, diz que os deputados impugnados vão tomar posse, até na marra.
Alguém aí lembra daquela história de que decisão judicial a gente não discute, cumpre?
O fato é que muita gente havia se esquecido de como a direita é bruta, autoritária e usa a força, legal ou ilegal, para se impor.

A TENTATIVA DE GOLPE NAS MANCHETES DE 2015

(Foto: Carta Maior)
Em defesa de seus interesses, as empresas de comunicação talharam a turbulência política, criando mocinhos e bandidos de ocasião.


Por Tatiana Carlotti, no portal Carta Maior, de 30/12/2015

Em tempos de midiatização da vida pública e de domínio dos meios de comunicação, não apenas o conteúdo divulgado, mas, sobretudo, o modo de apresentação das notícias desempenha um papel crucial na formação da opinião do leitor. Neste 2015, ano em que a onda conservadora subiu a crista e ameaçou direitos e conquistas sociais, obtidas a duras penas, é imperativa uma análise da narrativa disseminada no país pelo oligopólio midiático.
 
Uma breve passagem pelas capas dos principais jornais brasileiros, ao longo deste ano, traz a imagem de um país em frangalhos, (des)governado pelo partido mais corrupto da história e sitiado por sindicatos, movimentos sociais e populares encrenqueiros - mesmo que entre os “encrenqueiros” estejam professores em luta por melhores salários ou adolescentes defendendo seu direito à escola.
 
Na contramão de outros países democráticos, no Brasil, as empresas de comunicação atuam sem qualquer regulamentação. Não é à toa que, cinquenta anos após a ditadura militar, tenhamos visto o ressuscitar da Marcha da Família e outras excrescências semelhantes. Afinal, a pauta do ano reverberou o tudo ou nada para a manutenção do terceiro turno eleitoral – forjado e sustentando pela mídia em conluio com a oposição partidária.
 
Em defesa de seus interesses, as empresas de comunicação do país talharam a turbulência política, criando mocinhos e bandidos de ocasião, sem qualquer profundidade analítica quanto aos reais entraves que emperram as instituições políticas e de representação no país. Seguindo a cartilha dos “dois pesos, duas medidas” – aos afins, a complacência; aos demais, o ataque –  utilizaram manchetes tendenciosas, editorializaram reportagens e minimizaram o contraditório, suportado, aqui e ali, em nome de um mínimo de credibilidade.


APÓLLO NATALI: CRIANÇADA ILUMINADA

A coragem dos estudantes conseguiu dobrar o governo (Foto: Internet)
Colunista se inflama diante da coragem das estudantes paulistas que enfrentaram o governo.

Por Apóllo Natali, de São Paulo – no site Direto da Redação – reproduzido do jornal digital Correio do Brasil, de 28/12/2015
Que instantâneo emocionante de uma democracia! Meninas estudantes nas ruas de São Paulo - meninas! -, que coragem a de vocês, enfrentando de peito aberto temíveis policiais militares encarregados de desencorajarem com brutalidade sua luta pacífica pelo não fechamento de suas escolas.

Do alto dos meus 80 anos nunca fui assim iluminado e proclamo: que inveja dessa coragem que eu nunca tive! Confessar covardia, esta coragem eu tenho…
Gatinha, olha essa bomba de efeito moral que explodiu ao seu lado! Essa bomba de gás lacrimogênio! Esse gás de pimenta nos seus olhinhos! Você não tem medo, garotinha?
(Não tem medo não, a danadinha!)
Que inveja da coragem daqueles meninos e meninas a teimar que uma democracia não é lugar para posturas autoritárias. Que lição de democracia essa, dos pequeninos e pequeninas! São de boa estatura, alguns, mas na idade e na cabeça são estudantes crianças. A polícia já constata que foram bandidos, alguns até mascarados, que aproveitaram a oportunidade para depredar escolas e furtar bens. E tem de concordar que só em democracia se faz festas.
Trajetória negativa de Alckmin: de médico bonachão a aprendiz de ditador.
Na história de Alice no País das Maravilhas, a menininha enfrenta uma rainha ditatorial que esbraveja repetidamente durante toda a historinha infantil de terror sua deixa de morte: cortem-lhe a cabeça!
As menininhas e menininhos nos protestos da Avenida Paulista enfrentam um duque absolutista que, durante toda essa sua historinha adulta de terror, dá vazão à sua sanha ditatorial contra crianças, a esbravejar, espumando de ódio: reprima-se!
A rainha ordena, sem mais nem menos, que um tal gatinho, bichinho querido das crianças, seja decapitado, por pertencer à Duquesa, que ela odeia. O governador Geraldo Alckmin, com seu ódio a uma duquesa chamada democracia, põe na rua policiais militares para derrubar, algemar crianças e levá-las para a delegacia.
Crianças! Que instantâneo nauseante das sobras da última ditadura brasileira!
Mais algumas lufadas de despotismo como esse e a nossa esganada democracia vai perder o fôlego de vez.
Para justificar a suspensão do seu projeto de alcance medíocre em favor da educação, Alckmin se escudou nas palavras do papa Francisco que recomenda diálogo para resolver diferenças.  Para dizer o nada que disse, Alckmin fez um  solene, espetaculoso discurso de meio minuto diante de uma selva de microfones. Falou pouco, virou as costas e fugiu de perguntas dos jornalistas.
Ora, governador Geraldo Alckmin, faz tempo, faz 6 mil anos, surgiu na região onde se situa hoje o Irã, a Síria e o Iraque, o movimento para opor o diálogo à opinião única dos tiranos, movimento esse então chamado de democracia de assembleia. Não precisava esperar tanto tempo e se agarrar em Francisco para deixar sua ficha cair. [Não, a democracia não surgiu na Grécia. Lá ela se fanatizou.]
Até agora só deu PM de Alckmin em cima de estudantes que protestam na USP,  PM de Alckmin em cima de professores grevistas,  PM de Alckmin em cima de qualquer um que protesta nas ruas. Tudo bem, dá-lhe, PM! é a rotina do governo Alckmin. Mas agora, o que acontece?
Tudo bem, todos sabem que o PSDB, há 21 anos no governo, é o responsável pelo fracasso da educação em São Paulo; e também já se tornou de domínio público que os estudantes não aceitam agora a falácia de sua chamada reestruturação do ensino. No entanto, encurralado, fingindo-se de democrata, Alckmin se oferece para o diálogo com os estudantes e seus pais durante todo 2016.
Cuidado, o inimigo da Duquesa nos dá o direito de suspeitar que ele vá desferir sem dó em 2017 o golpe de misericórdia para executar ditatorialmente, sem a concordância dos alunos, seu insignificante e predador projeto de reduzir custos para a educação.
Ou antes até, passo a passo, em doses homeopáticas em meio às férias escolares, um pouco aqui, outro ali. De grão em grão a galinha acaba na panela. Alerta!
Em todo caso, quando vocês, menininhos e menininhas iluminados, e seu papais, não vislumbrarem a mínima possibilidade de salvação e a vontade absoluta de Geraldo Alckmin vencer, aí é que vocês deverão apelar para todas as suas forças, erguer a cabeça orgulhosamente e gritar bem alto, com voz possante, segura, para que o mundo inteiro os escute: socooooooooorrrrrrooo!!!
Apóllo Natali foi o primeiro redator da antiga Agência Estado, foi redator da Rádio Eldorado, do Estadão e do antigo Jornal da Tarde. Escreve atualmente para diversos sites e blogs de notícia, como o Observatório da Imprensa.

Direto da Redação é um fórum de debates editado pelo jornalista Rui Martins.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

REPÓRTERES SEM FRONTEIRAS: MÉXICO É O PAÍS "MAIS MORTÍFERO DA AMÉRICA LATINA" PARA A IMPRENSA

(Foto: Nodal)

Oito dos 110 jornalistas assassinados este ano no mundo eram originários do México.


“Antes, alguns podiam fugir destes estados (Veracruz e Oaxaca) e se refugiavam em regiões mais tranquilas, mas o assassinato de Rubén Espinosa (…) demonstrou que hoje em dia já não existe nenhum refúgio para os jornalistas ameaçados”.

Do portal Nodal - Notícias da América Latina e Caribe, de 30/12/2015 (em espanhol)

El asesinato de Rubén Espinosa, fotorreportero y colaborador de Proceso, perpetrado el pasado 31 de julio en un departamento de la colonia Narvarte, en el Distrito Federal, demuestra que en México “ya no existe ningún refugio posible para los periodistas”, según el balance del año 2015 que publicó hoy la organización Reporteros Sin Fronteras (RSF).
La organización reportó que 8 de los 110 periodistas asesinados este año en el mundo eran originarios de México, el cual permaneció como “el país más mortífero de América Latina para la profesión”, y en particular los estados de Veracruz y Oaxaca, donde los reporteros se vuelven “blancos (alvos) de las mafias y de las personalidades políticas locales cuando denuncian hechos de corrupción”.
En su informe, RSF precisó: “Antes, algunos podían huir de estos estados y se refugiaban en regiones más tranquilas, pero el asesinato de Rubén Espinosa (…) demostró que hoy en día ya no existe ningún refugio para los periodistas amenazados”.
Y advirtió que la ley para la protección integral de personas defensoras de derechos humanos y periodistas del Distrito Federal, promulgada unos días después del asesinato de Espinosa, “será eficaz sólo al extenderse a los demás estados y al recibir los medios efectivos para su puesta en aplicación”.
De acuerdo con el informe, en el 64% de los casos documentados, los periodistas fueron asesinados en zonas “fuera de conflicto” y el 97% de ellos eran reporteros locales.
En Siria, los periodistas se encuentran atrapados entre las fuerzas armadas gubernamentales y de los movimientos insurgentes armados, así como bajo las bombas de la coalición internacional. En 2015, al menos 11 de ellos murieron en el ejercicio de su profesión.
En Irak, y particularmente en Mosul, RSF denuncia una campaña de exterminio de los periodistas por parte de los militantes del Estado Islámico (EI), quienes hubieran asesinado a 13 reporteros en los últimos 18 meses.
Por primera vez en un informe de la organización figuró un país occidental, Francia, a consecuencia de la masacre perpetrada el pasado 7 de enero contra ocho periodistas del semanario satírico Charlie Hebdo.
Según la organización, además de los 110 periodistas profesionales asesinados en el transcurso del año se añaden 27 ciudadanos periodistas y otros siete colaboradores.

OCIMAR MUNHOZ: ESTUDANTES DE SP PROTAGONIZARAM DEBATE SOBRE O ENSINO

Estudantes da rede pública de ensino fizeram passeatas pedindo melhorias na educação e a participação da comunidade na gestão do ensino (Foto: Correio do Brasil)
Maria Izabel Noronha: “Essas ocupações provocaram os alunos de tal forma que eles vão dizer: eu não quero mais sentar em frente à lousa. Eu vou querer sentar no chão, vou querer outro tipo de aula, e isso vai requerer nova dinâmica para organizar o tempo, o espaço escolar”.
Por Redação, com ABr – de São Paulo – reproduzido do jornal digital Correio do Brasil, de 28/12/2015
O protagonismo dos estudantes secundaristas no debate sobre mudanças no ensino no Estado de São Paulo marcou 2015. Para Ocimar Munhoz, especialista em sistemas educacionais e professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), a participação do movimento estudantil proporcionou um salto no debate sobre a reorganização escolar.
– Os estudantes entraram em cena e isso mudou, porque deu visibilidade à questão. Expôs limitações profundas dessa proposta do governo do Estado – disse o docente. “Foi uma tentativa, na verdade, de fazer valer outros interesses como racionalização de custos e a municipalização do que, propriamente, a melhoria da qualidade.”
A proposta de reorganização escolar, do governo estadual, previa o fechamento de 94 escolas e a transferência de 311 mil alunos para instituições de ensino na região onde moram. A reorganização separaria em ciclos alunos com idades entre 6 e 10 anos, adolescentes de 11 a 14 anos e jovens entre 15 e 17 anos. Estudantes, então, ocuparam escolas para mostrar a insatisfação com a proposta.
Segundo Munhoz, o projeto passou a ser debatido na mídia após as ocupações das escolas. Apesar de ampliar as discussões, faltou iniciativa do governo estadual, na avaliação do professor. “Tinha que haver um debate, mas não só pela imprensa. Isso não consolidou, de fato, o debate”, disse.
Histórico das ocupações

A primeira ocupação, no dia 9 de novembro, foi a da Escola Estadual Diadema, na grande São Paulo. O movimento cresceu gradativamente e, cerca de um mês depois, no auge, aproximadamente 200 escolas foram ocupadas. Os alunos também foram às ruas protestar, sendo, diversas vezes, duramente reprimidos pela Polícia Militar.
Os estudantes argumentavam que a comunidade escolar não foi ouvida sobre as mudanças. Outra crítica é que as alterações e transferências, se colocadas em prática, causariam a ruptura da relação que os alunos desenvolveram com colegas e prejudicariam a logística dos pais, que muitas vezes pedem aos filhos mais velhos para levar os irmãos mais novos para a escola. O governo estadual disse que houve queda de 1,3% ao ano da população em idade escolar no Estado. Desde 1998, a rede estadual perdeu 2 milhões de alunos. Segundo o governo, com a divisão por ciclo, as escolas estariam mais preparadas para as necessidades de cada etapa de ensino. “Entre diversos estudos que foram utilizados para a proposta da reorganização, está o resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp), que mostrou que unidades que atendem alunos de apenas uma faixa etária têm desempenho melhor”, informou o governo, em nota.
No período das ocupações, os jovens criaram uma rotina de atividades com o intuito de garantir a conservação das escolas, como mostrou a Agência Brasil. Os grupos se dividiam entre os responsáveis pela limpeza, alimentação e até demandas da imprensa. A comunidade colaborou com doações de alimentos, remédios e produtos de limpeza.
Na Escola Brigadeiro Gavião Peixoto, uma das maiores do Estado, na região de Perus, com cerca de 4 mil matriculados, os alunos promoveram aulas voluntárias. Juliana de Oliveira, de 16 anos, estudante do segundo ano do Ensino Médio, conta que docentes de escolas públicas e particulares se dispuseram a auxiliar na programação das aulas. “A gente teve aula de história, uma professora veio aqui e deu aula especial sobre o que está acontecendo na Palestina, é algo bem legal. A gente não está desocupado. Estamos tendo aulas, palestras e estamos ganhando mais conhecimento do que antes, porque era comum faltar professor”, disse.
O governo estadual tentou obter na Justiça a reintegração de posse das unidades ocupadas. No dia 23 de novembro, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) negou, por unanimidade, o pedido.
No dia 4 de dezembro, o governador Geraldo Alckmin recuou e revogou o decreto que instituía a reorganização escolar em todo o Estado. Com a decisão, o secretário de Educação, Herman Jacobus Cornelis Voorwald, deixou o cargo.
Debate em 2016
Para a presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado (Apeoesp), Maria Izabel Azevedo Noronha, a iniciativa dos alunos estimulou o debate. “Essas ocupações provocaram os alunos de tal forma que eles vão dizer: eu não quero mais sentar em frente à lousa. Eu vou querer sentar no chão, vou querer outro tipo de aula, e isso vai requerer nova dinâmica para organizar o tempo, o espaço escolar. Estamos falando da necessidade de ter biblioteca, de ter laboratório, para que os alunos sintam que são convidados a ir e a ficar na escola”.
A Secretaria da Educação do Estado prometeu um debate mais aprofundado em 2016 sobre a reorganização escolar. De acordo com a assessoria de imprensa, a metodologia desse debate ainda não foi definida. Para Ocimar Munhoz, as discussões precisam ser mais amplas que as feitas anteriormente à decisão da reorganização.
– Essa reorganização foi uma medida sem um projeto, esse é um primeiro elemento que tenho destacado. Uma medida que afeta milhares de estudantes, professores, pais, tinha que ter uma fundamentação – declarou o especialista. A secretaria informou, por sua vez, que houve diálogo com a comunidade. As audiências ocorreram em setembro e cada uma das 91 diretorias de ensino definiu um método diferente para essas reuniões.

Ocimar Munhoz defende que, em 2016, o governo dedique também atenção especial ao Plano Estadual da Educação, contemplando a carreira dos docentes e as condições das escolas. “A melhoria da qualidade da escola passa por um conjunto de fatores. Em São Paulo, tem a valorização da carreira dos professores, que hoje é precária”, disse.