terça-feira, 31 de julho de 2018

NOVA CONSTITUIÇÃO CUBANA: O QUE MUDARÁ?

Miguel Díaz Canel e Raúl Castro, o presidente atual e o ex (Foto:AFP/Página/12)

Carta Magna de la transformación en Cuba


“Cuba pasará a ser un Estado socialista de derecho”, un concepto novedoso. En materia económica, se incorporan otras definiciones de propiedad diferentes a la estatal. El presidente no podrá superar dos mandatos consecutivos.


...diferentes tipos de propiedad que pueden coexistir en la economía (socialista de todo el pueblo; cooperativa, mixta; de las organizaciones políticas, de masas y sociales; privada y personal).


Deve ser instituído el matrimonio igualitario ya que el texto dejará de decir (que o casamento será) “entre un hombre y una mujer” y señalará “entre dos personas”.


Mantendrá su habitual “condena al imperialismo, al fascismo, al colonialismo o neocolonialismo en cualquiera de sus manifestaciones”.


La salud pública como un derecho de todas las personas y la educación gratuita “desde prescolar hasta la enseñanza universitaria de pregrado” continuarán como hasta ahora bajo el programa de economía planificada del estado socialista cubano.

Para ler a matéria no jornal argentino Página/12:


segunda-feira, 30 de julho de 2018

CHÁVEZ, COMANDANTE ETERNO


A Chávez lo mataron con un cáncer de laboratorio, como lo ha comprobado, definitivamente, el libro de Astolfo Sangronis Godoy, La Muerte de Hugo Chávez. La vida por su pueblo. Washington, un contumaz asesino serial, también intentó hacer lo mismo con René Preval (Haití); Lula y Dilma Roussef (Brasil), Fernando Lugo (Paraguay).

Por Atilio A. Boron – sociólogo e cientista político (é argentino e se diz “latino-americano por convicção”) – Transcrito do jornal argentino Página/12, de 30/07/2018

El 28 de julio de 1954 nacía en Sabaneta, estado de Barinas, Hugo Rafael Chávez Frías. Retomo algunas palabras pronunciadas hace un par de años pero que el paso del tiempo no hizo sino reafirmarlas. Chávez fue un líder enorme de la Patria Grande; un digno discípulo de Bolívar y por su capacidad didáctica aventajado alumno del gran educador del Libertador, Simón Rodríguez. Con Chávez la historia venezolana y de gran parte de Nuestra América abre un nuevo capítulo. La larga marcha iniciada casi exactamente un año antes del nacimiento de Chávez con el asalto al Moncada, el 26 de Julio de 1953, y que luego tuviera como sus hitos fundamentales la guerrilla de Sierra Maestra y el triunfo de la Revolución Cubana, esa marcha, decíamos, recibió un impulso decisivo cuando Chávez asumió la presidencia de Venezuela y se convirtió en el Gran Mariscal de Campo que, con su visión de águila, Fidel había descubierto cuando la izquierda latinoamericana no daba un cinco por el de Sabaneta. Y el Comandante, como estratega continental, acertó en su elección porque Chávez cumplió con creces esa función en la crucial batalla librada contra el ALCA en Mar del Plata, en noviembre del 2005. Batalla que marcaría un hito en nuestra larga e inconclusa marcha por la Segunda y Definitiva Independencia de Nuestra América.

Tenemos una inmensa deuda con Chávez: haber reinstalado el tema de la actualidad del socialismo cuando el neoliberalismo campeaba sin contrapesos en Nuestra América; haber potenciado extraordinariamente el sentimiento antiimperialista dormido por siglos y que Cuba había despertado con su heroica revolución; haber rescatado la centralidad de la unidad de nuestros pueblos y plasmado en instituciones concretas el ideario nuestroamericano como el ALBA, la Unasur, la Celac, Petrocaribe, Telesur, el Banco del Sur, etc. Fue por eso que se convirtió en el enemigo público número uno del imperio, cosa que marca definitivamente la gravitación universal del bolivariano por contraposición a la absoluta indiferencia que Washington le concede a la inocua ultraizquierda vociferante de América Latina, esa que hizo de su visceral crítica y repudio a Chávez el leitmotiv de su existencia. Este pagó con su vida su audacia revolucionaria, su lucha cotidiana, alejada de la vacía retórica de sus desastrados críticos.

Por eso a Chávez lo mataron con un cáncer de laboratorio, como lo ha comprobado, definitivamente, el libro de Astolfo Sangronis Godoy, La Muerte de Hugo Chávez. La vida por su pueblo. Washington, un contumaz asesino serial, también intentó hacer lo mismo con René Preval (Haití); Lula y Dilma Roussef (Brasil), Fernando Lugo (Paraguay). El caso de Cristina Fernández, de Argentina, no es exactamente igual pero el tumor que le afectó la tiroides despertó la suspicacia de muchos. En todo caso, que el cáncer se hubiera transformado en una “enfermedad contagiosa” que afecta sobre todo a los líderes antiimperialistas de la región alimenta todo tipo de sospechas sobre la inescrupulosidad de los recursos a los que apela el imperio para eliminar a quienes no están dispuestos a convertirse en ejecutores de sus designios en la región.

Por eso Chávez, como Bolívar, vivirá eternamente en el corazón de nuestros pueblos. Fue un líder extraordinario pero, por sobre todas las cosas, una buena persona, un hombre honrado, transparente y profundamente humano: inteligente como pocos, amigo fidelísimo, dotado de un fino sentido del humor; lector insaciable y apasionado al punto tal que sólo Fidel se le compara en este punto; dueño de una memoria fabulosa capaz de recitar poesías y cantar sin parar hasta el amanecer; hombre de pueblo, profundamente de pueblo y capaz como muy pocos de comunicarse con su gente y entender sus vivencias, sus emociones y sus necesidades. Por eso Chávez fue Chávez, y por eso Chávez es pueblo, en Venezuela y en toda América latina y el Caribe. En Nuestra América decir Chávez es decir pueblo. Su nombre ha entrado definitivamente por la puerta grande de la historia. Por eso recordamos hoy su natalicio y nos basta saludarlo con un ¡Hasta siempre, querido comandante eterno!

sexta-feira, 27 de julho de 2018

INICIA EM PORTO ALEGRE O 2o. FORUM LATINO-AMERICANO ORGANIZADO PELO MOVIMENTO SOCIAL ARGENTINO LA PODEROSA

Inicia en Porto Alegre el 2° Foro Latinoamericano organizado por el movimiento La Poderosa


(transcrito do portal Nodal - Notícias da América Latina e Caribe, de 27/07/2018)
La Poderosa realizará su 2° Foro Latinoamericano
Los días 27, 28 y 29 de julio tendrá lugar el 2° Foro Latinoamericano de la organización villera La Poderosa junto a otras agrupaciones del campo popular de Brasil, partidos políticos y sindicatos en la ciudad de Porto Alegre.
Desde distintas partes de Latinoamérica saldrán caravanas de micros con delegados y delegadas de todas las asambleas barriales de los países de América del Sur, Cuba y México. Entre los referentes destacados en materia de derechos humanos, estarán en la delegación argentina Adolfo Pérez Esquivel, premio nobel de la paz en 1980, y “Norita” Cortiñas, Madre de Plaza de Mayo.
El foro será punto de encuentro de moradoras y moradores tanto de favelas como de comunidades rurales, referentes de Derechos Humanos de todos los países donde tiene asamblea La Poderosa, referencias del feminismo, de la comunicación, de la educación popular, de los pueblos originarios y de la economía popular.
También estarán involucrados los principales medios de comunicación de todos los países participantes, entre ellos El Litoral.
La Poderosa
Constituida legalmente como Asociación Civil sin fines de lucro, La Poderosa es un movimiento político apartidario que nació en el año 2004 en la Villa Zavaleta de Buenos Aires. Trabajando desde las propias necesidades de cada comunidad mediante espacios de educación popular y de cooperativas, habiendo actualmente 96 asambleas en todas las provincias de Argentina y en 12 países de Latinoamérica (Brasil, Uruguay, Chile, Paraguay, Bolivia, Perú, Ecuador, Colombia, Venezuela, México y Cuba).
En el 2011 se creó la cooperativa ”La Garganta Poderosa“ que es el medio de comunicación de la organización desde donde los barrios logran hablar sin intermediarios con un alcance de 500 mil personas en las redes sociales.
En Santa Fe el barrio Chalet cuenta hace más de un año con una asamblea barrial desde la cual se organizan distintas actividades y espacios: taller de cultura y comunicación, espacio de educación popular y talleres de apoyo escolar, y el espacio de catering de la Cocina Poderosa, en vistas a constituirse en una cooperativa de trabajo.
En agosto del año 2017 se realizó el 1° Foro Latinoamericano de La Poderosa en Casa de las Américas, La Habana, Cuba. Allí se definió que el siguiente debía ser en Brasil anticipando la situación política, económica y social que se está viviendo.
El Foro
Las actividades del 2° Foro Latinoamericano tendrán inicio el 27 de julio con la recepción de los contingentes. Por la tarde se prevé la presentación del Foro y se realizará una marcha en el marco del aniversario de Marielle Franco, concejala feminista del PSOL asesinada, que cumpliría ese día 39 años.
El día 28 y por la mañana del día 29 se desarrollarán distintas rondas de debate y mesas-paneles (de: educación, derechos humanos, feminismo, etcétera) a cargo de referentes de cada espacio, definidos por consenso de las asambleas populares de La Poderosa junto a todos los actores políticos integrados a las reuniones de organización del foro. Por otro lado, habrá distintas expresiones culturales y se hará el Primer Campeonato de Fútbol Latinoamericano entre jóvenes de favelas.
También se realizarán encuentros entre comunicadores populares y los medios de diversos países de Latinoamérica.
El último día se destinará a todo lo vinculado a Derechos Humanos. Además, como síntesis del foro, se redactará un documento con las conclusiones, acciones concretas a seguir y sede del 3er Foro Latinoamericano de La Poderosa.

Movimentos sociais de 11 países realizam Fórum Latinoamericano em Porto Alegre
O coletivo argentino La Poderosa, que hoje está organizado em mais de 90 vilas e favelas de 11 países da região, promove  entre esta sexta-feira (27) e domingo (29), na Casa do Gaúcho, em Porto Alegre, o 2º Fórum Latinoamericano. A Capital sediará debates sobre direitos humanos, economia popular, educação, feminismo, direito à terra, cultura, comunicação popular e alternativa.
De acordo com a organização do movimento, mas de 2 mil pessoas partiram de suas cidades com destino a Porto Alegre onde, na sexta-feira (27), às 16h30, será realizada uma marcha pelo centro da cidade. A data marca o dia em que Marielle Franco, vereadora do PSOL assassinada no Rio de Janeiro, completaria 39 anos.
Dentro da programação também está o Campeonato de Futebol “Resistidores de América”, o primeiro realizado entre jovens da região.
Norita Cortiñas, do grupo Mães da Praça de Maio, Adolfo Pérez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz, Lilian Celiberti, coordenadora do Centro de Comunicacão Virginia Wolf, Luciano Concheiro Bórquez, especialista em economia política e rural, Petronilha Gonçalves e Silva, liderança feminista do movimento negro brasileiro, Sérgio Maldonado, irmão de Santiago, ativista político argentino cujo corpo foi encontrado no fim de 2017 após 78 dias desaparecido, e Álvaro García Linera, vice-presidente de Bolívia, estão entre os nomes que participam do fórum em Porto Alegre
A primeira edição do evento aconteceu no ano passado, em Havana, Cuba.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

UMA ENCICLOPÉDIA AMBULANTE SOBRE LAMPIÃO E O CANGAÇO

José Bezerra Lima Irmão, autor do livro 'Lampião - a raposa das Caatingas' (Foto: Jadson Oliveira)

“Para se saber quem foi Lampião, é preciso situá-lo no contexto social de seu tempo e no espaço geográfico em que ele viveu. Só assim é possível compreender e julgar esse personagem que terminou sendo o símbolo de uma época no sertão nordestino”.
Por Jadson Oliveira – jornalista/blogueiro, editor do Blog Evidentemente (matéria postada no site Fazendo Media – a média que a mídia faz, em 02/12/2016)
Reproduzida aqui por ocasião do seminário feito pelo Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (Praça da Piedade, Salvador-Ba) – de ontem, dia 24, até amanhã, dia 26, a partir das 16:30 horas - pelos ’80 anos da morte de Lampião’.
De Salvador-Bahia – Parece inevitável. Uma discussão sobre o Rei do Cangaço e o cangaceirismo desemboca na interrogação recorrente: o “capitão” Virgulino Ferreira, o Lampião, que aterrorizou o Nordeste brasileiro durante 17 anos, na primeira metade do século passado, foi bandido ou herói?
Isso aconteceu mais uma vez no último dia 26, na Faculdade de Arquitetura da UFBa, em Salvador, onde intelectuais baianos debateram o tema a partir da avaliação do livro ‘Lampião – a Raposa das Caatingas’.
O autor, José Bezerra Lima Irmão, foi taxativo: “Nem bandido nem herói, foi um cangaceiro”. Advertiu que a pergunta é a mais tola que se possa fazer e é simplória qualquer resposta dada às pressas.
“Para se saber quem foi Lampião, é preciso situá-lo no contexto social de seu tempo e no espaço geográfico em que ele viveu. Só assim, situando-o nas dimensões dos espaços físico e temporal, é possível compreender e julgar esse personagem que terminou sendo o símbolo de uma época no sertão nordestino”.
Este trechinho copiei da parte inicial do livro, um camalhaço (no bom sentido) de 736 páginas de letras miúdas. E dá o tom do conteúdo da exposição de José Bezerra para as pouco mais de 20 pessoas que foram ao encontro (uma pena tão pouca gente!).
Talvez não fosse necessário frisar que o autor deu uma mostra do seu conhecimento enciclopédico sobre o assunto, adjacências e contexto – Guerra de Canudos e outros levantes populares, coronelismo, violência, injustiças sociais, religiosidade, falta de instrução, vinganças familiares, luta “braba” pela terra e pela sobrevivência, ausência do Estado, mandos e desmandos dos coronéis, dos jagunços, da polícia e, óbvio, dos cangaceiros.
Sobre tudo isso, José Bezerra mostrou que sabe tudo, pode-se dizer sem medo do exagero. Tanto que o reconhecido escritor baiano, Oleone Coelho Fontes (autor, dentre outros livros, de ‘Lampião na Bahia’, já na décima edição), não hesitou em declarar que Bezerra esgotou o tema.
A estrutura social da época explica o fenômeno
Oleone, aliás, tem uma opinião bastante diferente da de Bezerra. Proclama com toda eloquência que Lampião foi um bandido, simplesmente assim, um bandido sanguinário. Invoca a favor de sua posição as inúmeras testemunhas ou contemporâneos dos fatos que entrevistou para escrever seu livro.
Presente ao encontro, Antonio Olavo, cineasta/documentarista baiano, mostrou-se afinado com grande parte da visão apresentada por Bezerra. Disse que respeita vozes diversas, mas discorda de enfoques como o de Oleone, frisando o fenômeno da reação dos cangaceiros frente a uma situação política, econômica e social marcada pela injustiça e violência.
O cenário natural de tal situação era a tirania capitaneada pelos coronéis e chefes políticos, que tinham a seu serviço jagunços e policiais, além de autoridades como delegados, juízes e padres.
Já os organizadores do debate, o professor Edmilson Carvalho e Jorge Oliver, velhos militantes do campo das esquerdas, defenderam a necessidade e a relevância do aprofundamento de tal discussão, levando em conta principalmente que as verdadeiras causas do cangaceirismo residem na estrutura social e política da sociedade de então.
Bem, é preciso dizer que José Bezerra, um sergipano que vive em Salvador, é auditor da Receita estadual, com 70 anos, ainda não aposentado. Passou 11 anos atolado nas pesquisas, usando finais de semana, feriados, férias, licenças (preciso lhe perguntar como sua família aguentou, ou não aguentou?), com mais de 30 viagens pelos sete estados nordestinos por onde andou Lampião obrando suas controvertidas e famosas proezas.
PS: Edmilson Carvalho comentou que se trata duma obra “monumental”, que começou a ler as mais de 700 páginas, formato grande e letras miúdas, e só sossegou quando acabou. Eu já cheguei à página 85 e está até me atrapalhando, pois tenho outros afazeres e, infelizmente, não posso ficar o tempo todo na leitura. Um conselho: compre o livro. Em Salvador, pode ser encontrado na Saraiva (Salvador Shopping). Ou entre em contato com o autor por e-mail: josebezerra@terra.com.br

sábado, 21 de julho de 2018

Evo Morales, presidente de Bolivia: “El capitalismo y el imperialismo son el peor enemigo de la humanidad” – Por Conversando con Correa, RT


En una nueva edición de 'Conversando con Correa', el expresidente ecuatoriano intercambia posturas con el actual mandatario de Bolivia, Evo Morales, respecto al "nuevo orden mundial" y el futuro de América Latina en este contexto.

Do RT em espanhol (Russian Today), de 19/07/2018 - Link para vídeo abaixo

En este nuevo programa Rafael Correa invitó al presidente de Bolivia, Evo Morales, a dialogar sobre lo que definió como "el nuevo e injusto orden mundial", en el cual "el Capital tiene más derechos que los seres humanos".

Coincidiendo con esta mirada, Morales consideró importante en este contexto "identificar quiénes son los enemigos internos y quiénes los enemigos externos" de los pueblos.

"Por encima de nuestra situación económica, social, cultural, primero está nuestra dignidad".Evo Morales, presidente de Bolivia



En este sentido, señaló que en Bolivia los internos "son los partidos de derecha, sumidos al imperio". A su vez, dijo que "el enemigo externo es la embajada de EE.UU.", e ironizó que "no hay golpes de Estado" en territorio estadounidense "porque no hay embajada de EE.UU. allí".

"Por encima de nuestra situación económica, social, cultural, primero está nuestra dignidad", enfatizó el jefe de Estado boliviano, afirmando que "el capitalismo y el imperialismo son el peor enemigo de la humanidad".
El modelo económico para América Latina

Correa remarcó que hoy por hoy "ninguna economía puede ser cerrada, pero eso no implica que cuanto más abierta mejor". Y agregó que no se puede analizar "aisladamente el problema económico del problema social, del problema político". Así, para el expresidente ecuatoriano, las decisiones económicas hay que tomarlas "en función de un proyecto nacional".

"Los países industrializados no quieren que haya competencia porque somos un mercado de ellos".Evo Morales, presidente de Bolivia



Por su parte, Morales se preguntó: "¿Hasta cuándo América Latina va a ser exportadora de materias primas?". "Los países industrializados no quieren que haya competencia" porque "somos un mercado de ellos", denunció.

"Hay que aprovechar los recursos naturales respetando la madre tierra, pero también darle valor agregado", dijo Morales, señalando que en Bolivia están pasando "de la nacionalización a la industrialización". El problema es que "para eso hay que importar tecnología".

El conocimiento y la ciencia para el futuro

Finalmente, ambos líderes abordaron el problema de la explotación de los recursos naturales, con qué objetivos y de qué forma. Para Correa resulta necesario "movilizar los recursos naturales hacia la ciencia, la tecnología, becas para nuestros jóvenes, para ir hacia esa economía de los recursos infinitos, basada en las ideas".


"Se deben combinar dos cosas: explotar los recursos naturales pero cuidando el medio ambiente".Evo Morales, presidente de Bolivia



"El conocimiento se privatiza, mientras que los bienes ambientales se consumen sin restricciones cuando debería ser al revés", agregó.

Por su parte, Morales completó esta idea señalando que se deben "combinar dos cosas: explotar los recursos naturales pero cuidando el medio ambiente".
Durante este encuentro, Rafael Correa y Evo Morales profundizan también en otras cuestiones de actualidad y de gran interés, un diálogo que podrán ver en el video del programa que les ofrecemos aquí en su totalidad.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

“DEUS FEZ O MUNDO PRA DAR CERTO” (memória e ficção)

Stimison, rodeado por Jadson, Alberto e Rubia (Foto: Jadson Oliveira)

Era um sonhador. Porém - uma mistura aparentemente paradoxal – era um sonhador diligente e realizador. Tanto que quase foi prefeito dum município lá da Chapada, interior da Bahia. 
Por Jadson Oliveira - jornalista/blogueiro, editor do Blog Evidentemente
Para Stimison Oliveira e Eudaldo Teixeira, parceiros de adolescência
“Eu vou lhe provar que Deus fez o mundo pra dar certo”, dizia ele com ar convicto e sonhador. Um missionário. Depois que foi entrando pelos anos e aderiu ao espiritismo, virou missionário: andou pregando contra o alcoolismo, fundando o AA em tudo que é lugar por onde morou, ajudando cachaceiros a renegar o terrível (e embevecedor) vício. Um bom cristão: vivia socorrendo andrajosos, caídos por aí, excluídos do mercado, gente que não é gente, os Pedro Ruim da vida.
(Pregador inspirado, ilustrava seus arrazoados com um caso muito elucidativo: dois amigos, cachaceiros - ou alcoólatras, não é tão simples distingui-los – saíram para uma caçada; no caminho um deles notou, espantado, já que eram frequentadores do AA, que o outro levava um litro de cachaça. Este outro explicou logo: não, compadre, é para alguma emergência, caso a gente seja picado por cobra; e emendou: “E você, tá levando o quê aí na mochila?” “Ah! tô levando uma cobra, pode ser que não apareça nenhuma...”)
Como ia dizendo, virou um santo e diligente missionário. E crente, claro. Quando jovem, posso garantir, era ateu ou se exibia como tal. Uma vez uma nossa tia, ao se despedir de nós (eu, ele e um primo), o fez com o costumeiro chavão dos cristãos: “Que Deus acompanhe vocês”. “Eh! se ele (ou Ele) quiser”, ironizou irreverente.
Mas, como diz um grande amigo nosso (meu e dele) lá da bela Chapada Diamantina, parceiro dele nas lides espíritas, quando a Inominada se avizinha a gente muda.
Repito: era um sonhador. Porém - uma mistura aparentemente paradoxal – era um sonhador diligente e realizador. Tanto que quase foi prefeito dum município lá da Chapada (o velho Raul: “Mamãe, não quero ser prefeito, pode ser q’eu seja eleito...”).
Pois é, ele até que queria, mas o chefe político da área (seu chefe e grande amigo) meditou bem, pesou os prós e contras e deu última forma. Imagina-se que ele pensou: esse rapaz é gente boa, gosto muito dele, sempre gostei e vou continuar gostando, mas está na cara que ele vai me criar um monte de problemas, não por causa de seus defeitos, que são poucos, mas por suas qualidades boas, que são muitas.
No tempo em que quase foi prefeito, ele alimentava o sonho dum grande projeto, certamente seu sonho maior em termos de realização política: queria criar um novo Vale do Tennessee, um imenso vale de abundância, de agricultura farta, um verdadeiro paraíso terrestre, a redenção daquela região seca de caatinga.
Ele me falava disso e como eu não sabia do que se tratava, ficava lembrando das paisagens paradisíacas que costumam aparecer naquelas revistas dos Testemunhas de Jeová; me lembrava também dos projetos mirabolantes e fracassados de Policarpo Quaresma, criação genial do nosso Lima Barreto (“Ou o Brasil acaba com a saúva, ou a saúva acaba com o Brasil”).
Quem adorava conversar com ele era Pedão, outro sonhador gente boa, lá das bandas de Iguaí, sudoeste da Bahia. Os dois ficavam horas trocando ideias sobre as espantosas promessas agrícolas do tal do novo Vale do Tennessee, versão brasileira. Traziam e davam um ao outro sementes e mudas que seriam, segundo eles, de muita valia para uma agricultura redentora da fome popular, falavam de matérias do Globo Rural... Os dois riam, felizes, felicidade em estado puro.
(Só para não parecer que se tratava de delírio puro e simples: tecnicamente – ou cientificamente – o grande projeto estaria assentado no fato concreto de que a tal região é rica – “imensamente rica”, dizia – em águas subterrâneas, “lençóis freáticos”, esclarecia).
Como me referi à política, não posso deixar de mencionar um dado curioso: ele era do PFL (aquele partido filhote da ditadura militar, que veio da Arena, do PDS e agora é DEM). Desejava sinceramente ajudar o povo mais pobre e deu inúmeras provas de tal sinceridade. Mas fazia questão de explicar: “Sou do PFL” e não entendia a “besteira” dessa gente de esquerda, diz que querem ajudar os pobres e vão militar na oposição. Ora, argumentava, a gente só consegue mudar as coisas quando está lá junto, dentro, com os homens do poder.
Eu discordava totalmente, mas me consolava pensando que um homem assim de tanta fé, tão bom, tão desprendido, tinha que ter razão, nem que fosse um pouquinho só. Não é possível que o seu Deus vá consentir em vê-lo morrer desapontado, tinha que dar um jeito de fazer o mundo dar certo.
Do contrário, seria uma tremenda injustiça.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

JESSÉ SOUZA: A CLASSE MÉDIA BRASILEIRA ODEIA O POVO


A classe média brasileira possui um ódio e um desprezo cevados secularmente pelo povo. Essa é talvez nossa maior herança intocada da escravidão nunca verdadeiramente compreendida e criticada entre nós.
Para que se possa odiar o pobre e o humilhado, tem-se que construí-lo como culpado de sua própria (falta de) sorte e ainda torná-lo perigoso e ameaçador.
Se possível, deve-se humilhá-lo, enganá-lo, desumanizá-lo, maltratá-lo e matá-lo cotidianamente. Era isso que se fazia com o escravo e é exatamente a mesma coisa que se faz com a ralé de novos escravos hoje em dia.
Transformava-se o trabalho manual e produtivo em vergonha suprema, como “coisa de preto”, e depois se espantava que o negro não enfrentasse o trabalho produtivo com a mesma naturalidade que os imigrantes estrangeiros, para quem o trabalho era símbolo de dignidade.
Dificultava-se de todas as formas a formação da família escrava e nos espantamos com as famílias desestruturadas dos nossos excluídos de hoje, mera continuidade de um ativismo perverso para desumanizar os escravos de ontem e de hoje.
Os escravos foram sistematicamente enganados, compravam a alforria nas minas e eram escravizados novamente e vendidos para outras regiões, eram brutalizados, assassinados covardemente. A matança continua também agora com os novos escravos de todas as cores.
O Brasil tem mais assassinatos – de pobres – que qualquer outro país do mundo
O Brasil tem mais assassinatos – de pobres – que qualquer outro país do mundo. São 60 mil pobres assassinados por ano no Brasil. Existe uma guerra de classes hoje declarada e aberta.
Construiu-se toda uma percepção negativa dos escravos e de seus descendentes como feios, fedorentos, incapazes, perigosos e preguiçosos, isso tudo sob forma irônica, povoando o cotidiano com ditos e piadas preconceituosas, e hoje muitos se comprazem em ver a profecia realizada.
A concepção que um ser humano tem de si mesmo não depende de sua vontade e é formada pela forma como o indivíduo é percebido pelo seu meio social maior. É isso que significa dizer que somos produtos sociais. Nos tornamos, em grande medida, aquilo que a sociedade vê em nós.
O Brasil não simplesmente abandonou os escravos e seus descendentes à miséria. Os brasileiros das classes superiores cevaram a miséria e a construíram ativamente. Construiu-se uma classe de humilhados para assim explorá-los por pouco e para construir uma distinção meritocrática covarde contra quem nunca teve igualdade de ponto de partida.
Não se entende a miséria permanente e secular dos nossos excluídos sociais sem esse ativismo social e político covarde e perverso de nossas classes “superiores”.
Mais um aperitivo para a leitura de ‘A elite do atraso – Da escravidão à Lava Jato – Um livro que analisa o pacto dos donos do poder para perpetuar uma sociedade cruel forjada na escravidão’, do sociólogo Jessé Souza (páginas 169/170) – editora Casa da Palavra/LeYa. (O título, o intertítulo e a disposição dos parágrafos são da edição deste blog)

segunda-feira, 9 de julho de 2018

LULA LIVRE: DECISÃO JUDICIAL É CONSTRUÍDA A PARTIR DE MANCHETE DA GLOBO


A batalha, hoje, crucial, é a batalha da comunicação. Enquanto estivermos sob a hegemonia da Globo, ditando o ritmo, a regra, os valores, a verdade, não temos qualquer chance.

Por Jadson Oliveira - jornalista/blogueiro, editor deste Blog Evidentemente

O problema do embate político é saber se temos força ou não temos – foi o que se viu neste domingo, dia 8, com a soltura/prisão de Lula. De nada adianta argumentar com base nas firulas jurídicas. Trata-se – repito – de ter força ou não ter força, de ter bala na agulha ou não ter, de ter munição para a batalha ou não ter. O velho chavão da correlação de forças.

É isto que conta. O resto é choradeira de perdedor. E de perdedor, as esquerdas têm experiência de décadas. Perdemos em 1954, perdemos em 1964, perdemos em 2016. E continuamos perdendo. Não aprendemos?

Estas reflexões me batem, em desespero, neste final de domingo, depois de participar de concentração (dita resistência, com escassos resistentes) na praça vermelha do Rio Vermelho, em Salvador, esperando a soltura de Lula, de acordo com ordem expedida e confirmada e, outra vez - a terceira vez -, repetida pelo desembargador Rogério Favreto, plantonista do TRF4.

Os entendidos no tema não têm dúvidas: é líquido e certo o direito do plantonista ao mandar soltar Lula. Mas o que é o direito em confronto com o poder real? O que é o direito em confronto com o poder concentrado nas mãos do juiz Sérgio Moro? O poder real vem, por vias tortuosas, do império do norte e torna-se visível na tela da Rede Globo.

Meus amigos e amigas já festejavam, antecipadamente, o gostinho da vitória com a iminente libertação de Lula. Eu avisei que, por volta do final da tarde, uma das manchetes da Globo News era: “O presidente do TRF4 vai decidir se mantém ou não a prisão de Lula”.

Fui apupado como derrotista. Me advertiram cantando o aguerrido reggae de Edson Gomes: “Lute amigo, lute, lute amigo, lute, lute amigo, lute, porque senão a gente vai perder o que conquistou”.

Eu estava sendo acusado de derrotista. Me lembrei da pecha intolerável que recaia sobre os companheiros que duvidavam da eficácia da luta armada contra a ditadura militar no início da década de 1970.

Intolerável!? Estava desbundando, como dizíamos naquela fase desgraçada da nossa história. E centenas de jovens idealistas foram massacrados pela repressão cruel. Estamos condenados a não aprender com nossos erros? Até quando seremos compelidos a ir ao campo de batalha desarmados? Teremos de nos submeter a quantos espetáculos mais de crucificação?

A batalha, hoje, crucial, é a batalha da comunicação. Enquanto estivermos sob a hegemonia da Globo, ditando o ritmo, a regra, os valores, a verdade, legitimando aos olhos da população todo atropelo judicial (além de outros), não temos qualquer chance.

A nossa única chance, dentro da realidade atual, estaria na mobilização popular. Mas isto está fora de cogitação, porque não temos - e não teremos, pelo menos a curto prazo -, qualquer chance de mobilização popular enquanto não tivermos meios de comunicação capazes de disputar os corações e mentes do povo brasileiro.

Me parece uma coisa tão simples, tão elementar. Mas, desconfio, será mesmo? Porque os nossos líderes das esquerdas brasileiras não parecem sensibilizados com isso.

Uma amiga, certa vez, me disse: quem faz trabalho de base no Brasil, hoje, é a Rede Globo, nós não temos canais de interlocução com as massas. A nossa possível salvação, neste campo, é Lula, disse eu. Porque – acrescentei -, em termos de massa, em termos de esquerda (ou centro-esquerda), apenas e unicamente Lula sabe falar com o povo. Nós, as esquerdas, estamos interditados. Até quando?

Vai se estendendo a noite na praça vermelha. Ou poucos – daí nossa impotência – militantes ensaiaram várias vezes festejar a iminente libertação. Se animavam a cada notícia favorável, juristas se diziam escandalizados com os atropelos, até a Cármen Lúcia, presidente do STF, jurava que a hierarquia judicial era sagrada. Um velho, calejado de desilusões, destoava: “Só acredito quando ver o homem na rua”.

E veio, afinal, a decisão do presidente do TRF4, Thompson Flores, recolocando tudo nos eixos. Como a Globo já tinha antecipado: “O presidente do TRF4 vai decidir se mantém ou não a prisão de Lula”.

“Lute amigo, lute, lute amigo, lute, lute amigo, lute...”

terça-feira, 3 de julho de 2018

A REBELIÃO DOS MEXICANOS – POR FERNANDO BUEN ABAD DOMÍNGUEZ

(Foto: EFE/Sáshenka Gutiérrez - Reproduzida de Página/12)

O México padece da virulência do neoliberalismo e dos embates coloniais do império ianque.

Ninguém pode frear o crime organizado e sua metástase em todas as estruturas sociais e culturais do país. Ninguém pode exercer regulação alguma em matéria de democracia comunicacional. Ninguém pode garantir o direito à educação, o direito ao trabalho, o direito à saúde, o direito à alimentação…

Agora começa o difícil.

Por Fernando Buen Abad Domínguez – parte de artigo traduzido do jornal argentino Página/12, de 03/07/2018.

A vitória de Morena-López Obrador (Movimento de Regeneração Nacional-Andrés Manuel López Obrador) é uma rebelião nas entranhas duma estrutura democrática severamente apodrecida pelo corporativismo de dois partidos políticos (PRI-Partido Revolucionário Institucional e PAN-Partido de Ação Nacional) e por uma lista imensa de vícios e práticas corruptas que levaram à bancarrota institucional de toda a estrutura política. Uma rebelião assediada pela violência macabra desatada por uma falsa guerra contra o “crime organizado”, que na prática não foi senão a militarização “encoberta” de todo o território para colocar as riquezas nacionais a serviço das empresas multinacionais e seus cúmplices locais. Uma rebelião que teve de saltar milhares de armadilhas e emboscadas em todos os tipos odiosos do empobrecimento econômico e das guerras midiático-psicológicas. 

O México padece da virulência do neoliberalismo e dos embates coloniais do império ianque. É um país sequestrado por gerentes - impostos pela via da fraude - para entregar recursos naturais, para explorar a mão de obra. No México até hoje ninguém pode garantir ao povo a defesa nacional e a defesa dos recursos naturais. Ninguém pode garantir o exercício independente da Justiça. Ninguém pode frear o crime organizado e sua metástase em todas as estruturas sociais e culturais do país. Ninguém pode exercer regulação alguma em matéria de democracia comunicacional. Ninguém pode garantir o direito à educação, o direito ao trabalho, o direito à saúde, o direito à alimentação… Ninguém pode assegurar dignidade às pessoas porque uma moral entreguista e rasteira, adoradora do império ianque, serve da forma mais ignominiosa à opressão. Nesse contexto ganha as eleições López Obrador.

Agora começa o difícil. López Obrador se propõe a pacificar o país; acabar com a corrupção e recompor a economia dignificando o trabalho e o salário. Lograr a inclusão dos mais desprezados e a distribuição equitativa do orçamento federal. Isso implica derrotar as máfias que sequestraram o governo e o Estado, para fazer justiça...

O autor é diretor do Instituto de Cultura y Comunicación, Universidad Nacional de Lanús. Segue o link/endereço para quem quiser ler o artigo na íntegra, em espanhol:

https://www.pagina12.com.ar/125781-la-rebelion-de-los-mexicanos