sábado, 31 de agosto de 2013

SOBRE A INTERVENÇÃO NA SÍRIA

Por Tariq Ali (foto), no portal Carta Maior, de 31/08/2013 

O objetivo da "guerra limitada", conforme foi colocado pelos Estados Unidos e seus vassalos europeus, é simples. O regime sírio estava restabelecendo lentamente seu controle sobre o país, contra a oposição armada pelo ocidente e seus Estados subordinados na região (Arábia Saudita e Qatar). Essa situação exigia um corretivo. A oposição, nessa deprimente guerra civil, precisava ser fortalecida militar e psicologicamente.

Visto que Obama disse serem as armas químicas a "linha vermelha", elas foram obrigadas a entrar em jogo. ‘Cui prodest?’, como os romanos costumavam perguntar. Quem lucra? Certamente, não o regime sírio.

Algumas semanas atrás, dois jornalistas do ‘Le Monde’ já haviam descoberto as armas químicas. A questão é a seguinte: se elas foram usadas, quem as utilizou? O governo Obama e seus simpatizantes gostariam que acreditássemos que Assad permitiu a entrada dos inspetores de armas químicas da ONU na Síria, e, em seguida, marcou sua chegada com um ataque químico contra mulheres e crianças, a cerca de 15 km de distância do hotel onde os inspetores estavam hospedados. Isso simplesmente não faz sentido. Quem realizou essa atrocidade?

No Iraque, sabemos que os EUA utilizaram fósforo branco em Fallujah, em 2004 (lá não havia linhas vermelhas, exceto aquelas feitas com o sangue iraquiano); portanto, a justificativa permanece tão obscura como nas guerras anteriores.


Para ler mais:

VENEZUELA: GOVERNO RECHAÇA PRETENSÕES IMPERIAIS CONTRA A SÍRIA




Governo de Maduro acusa o império e seus aliados de formar e treinar esquadrões de mercenários terroristas para atuar contra o governo sírio (Foto: Internet)
Em nota oficial, na quinta-feira, dia 29, o presidente Nicolás Maduro, em nome do governo e do povo venezuelanos, “rechaça e condena, de maneira firme e categórica, qualquer pretensão das potências imperialistas de intervir militarmente no território sírio, usando como desculpa o ataque com armas químicas, perpetrado em 21 de agosto deste ano, cuja origem até agora é desconhecida”.

(Observação do Evidentemente: Quem não se lembra da desculpa da existência de armas de destruição de massa para justificar a invasão do Iraque, desculpa esta reconhecida logo depois como uma deslavada mentira?)

O governo venezuelano acusa o império estadunidense e seus aliados de formar e treinar esquadrões de mercenários terroristas para atuar e tentar controlar a Síria e denuncia que as ameaças contra Damasco “repetem o mesmo padrão de mentiras e manipulações utilizado contra a Líbia, Iraque e Egito, que só visa controlar a riqueza petrolífera da região e expandir os mercados ocidentais”.


Maduro diz ainda no comunicado, publicado na íntegra pelo portal Aporrea.org:

“Nos acontecimentos dos últimos dias se observam todos os elementos próprios dos roteiros imperiais para invadir países, subjugar os povos e pisotear sua dignidade, deixando para trás todo um rastro de destruição e morte. Para justificar seu ato de barbárie, os Estados Unidos e seus aliados acusam o governo sírio sem nenhum tipo de evidências, e sem esperar o informe conclusivo da Comissão da ONU”.

Diz que a política imperialista levou “a uma guerra de conquista e destruição do povo sírio, que é baluarte histórico da civilização e bastião da estabilidade da região árabe”.

Mais dois parágrafos na íntegra: “O Governo da República Bolivariana da Venezuela responsabiliza as forças imperiais de colocar o mundo inteiro às portas duma guerra desastrosa de consequências incalculáveis para a humanidade”.

“O Presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro Moros, o Governo e o Povo venezuelanos reiteram os profundos laços de amizade e união com a República Árabe Síria e ratificam seu compromisso com todos os esforços que permitam lograr a paz do povo sírio, respeitando sempre sua soberania, autodeterminação, independência e integridade territorial”.

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

EM LIVRO, PALMÉRIO DÓRIA REVELA IDENTIDADE DE EX-DEPUTADO: GRAVOU COLEGAS QUE VENDERAM VOTOS PARA REELEGER FHC

Por Luiz Carlos Azenha, no blog Viomundo, de 30/08/2013


Foi o acreano Narciso Mendes, hoje com 67 anos de idade, quem usou um gravador emprestado pelo repórter Fernando Rodrigues, da Folha de S. Paulo, para comprovar que deputados federais de seu estado venderam os votos na aprovação da emenda constitucional que permitiu a reeleição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em 1997.

A revelação é feita no livro O Príncipe da Privataria, de Palmério Dória, que chega às livrarias hoje (dia 30).

Em Brasília não era segredo o papel desempenhado por Narciso, à época deputado federal pelo Partido Progressista, de Paulo Maluf. Porém, pela primeira vez ele assume oficialmente o que fez.
Trecho do livro:
A compra dos votos para a reeleição, frisa Narciso, “se dava às escâncaras”. Seria “muita ingenuidade”, diz ele, considerar inverossímil que, no episódio da troca de cheques pré-datados por dinheiro vivo, os deputados saíssem carregando R$ 200 mil em sacolas. Afinal, em notas de R$ 100,00 seriam duas mil notas, ou o dobro se fossem notas de R$ 50,00. Duzentos pacotes de mil reais: volume considerável. “Tinha de ser em sacolas!”, diverte-se ele.
O que Narciso diz é que cheques foram antecipados e, posteriormente — depois da aprovação da emenda — trocados por dinheiro.

Para ler mais:

ABSOLVIÇÃO DE NATAN DONADON DO PROCESSO DE CASSAÇÃO REVOLTA "O GIGANTE"

Donadon se ajoelhou para agradecer aos deputados que não o cassaram, no Plenário da Câmara
Donadon se ajoelhou para agradecer aos deputados que não o cassaram, no plenário da Câmara (Foto: Correio do Brasil)
Por Correio do Brasil - de Brasília e Rio de Janeiro, de 29/08/2013

O “gigante que acordou” nas ruas, durante as últimas manifestações, amanheceu revoltado com a absolvição do deputado Natan Donadon, como o Correio do Brasil apurou, ao visitar centenas de perfis nas redes sociais. Entre as manifestações mais contundentes estava a do secretário de saúde do município de São João, Oscar Berro: “Parabéns Natan Donadon! A cara do Brasil de merda! Nojo… Depois falam das passeatas! Tinha que haver uma CPI para apurar um resultado desses na votação! Vamos acabar com o voto secreto pra cassar parlamentares!”, protestou.

Para a filóloga Yvonne Bezerra de Mello, “99% dos membros do congresso atual deveriam ser banidos da vida política do país. Uns vermes, corroendo nossa república e nossa democracia. Não há adjetivo que qualifique a atuação do congresso nessas legislatura. E sabem porque fazem. Gozam da impunidade e se baseiam no voto de cabresto e fácil num país onde ainda as desigualdades são gritantes. Se fossemos um país sério, nenhum deles se reelegeria”.

O professor Carlos Alberto de Oliveira, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, acredita que o jeito é reforçar as passeatas: “Vamos voltar para as ruas! Vamos retomar a Câmara dos Deputados para o povo! Vamos cobrar de nossos deputados que digam como votaram na cassação do bandido, quadrilheiro, corrupto Donadon! Se ele ná revelar, vamos cassá-los em 2014!”. E a jornalista Cristina De Luca reproduz a “perguntinha do amigo Alex Campos: A absolvição do Donadon, mesmo condenado e preso, significa o quê: lugar de corrupto é na Câmara, ou lugar de deputado é na cadeia? E aí?”.

Maioria absoluta

Na noite passada, o plenário da Câmara absolveu o deputado Natan Donadon do processo de cassação de mandato. Foram 233 votos a favor do parecer do relator, Sergio Sveiter (PSD-RJ), 131 votos contra e 41 abstenções. Para que Donandon perdesse o mandato, o parecer de Sveiter precisaria de, no mínimo, 257 votos. Faltaram 24 votos para que o deputado fosse cassado e perdesse o mandato parlamentar.

Para ler mais:

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

MEDICINA CUBANA: UMA OUTRA VISÃO (me proibiram de usar bloqueador solar)

Este aí é o médico cubano Juan Delgado, que foi vaiado por um grupo de seus colegas brasileiros no Ceará e lhes deu uma lição de dignidade, ao dar entrevista: "Os brasileiros deveriam fazer como a gente, ir aos lugares mais pobres", disse ele. No blog Viomundo, tem amplo material sobre o tema, incluindo o caso da jornalista francamente racista e a manifestação da presidenta Dilma Rousseff sobre essa explosão de desinformação, preconceito e desumanidade duma parte - creio que bem minoritária - da sociedade brasileira. Clicar aqui para ler.
De Belo Horizonte (MG) - Diante da celeuma estabelecida atualmente no Brasil com a chegada de médicos cubanos, reproduzo matéria que publiquei aqui neste meu blog em 26/12/2011, com o mesmo título acima. Creio que ajuda a compreender o tipo de medicina que se pratica em Cuba. Aproveito para citar o nome do médico com quem fiz um tratamento de pele, como está relatado na matéria e cujo nome não tinha anotado. No ano passado estive novamente em Havana, reencontrei com ele e tive o cuidado de guardar seu cartão: é Orlando Rodríguez del Rey Pina, analista de Fenômenos Biológicos, mestrado em Ciências Biológicas, professor universitário.
 
De Salvador (Bahia) – De pele branca, sempre tive problemas para conviver com o nosso belo sol, o afamado verão baiano que, um pouco mais um pouco menos, perdura praticamente o ano inteiro. “Tive”, porque desde que passei uma temporada de oito meses em Cuba, há quatro anos, parece que os problemas acabaram.

Um amigo de lá, “El comandante Mongui”, me arranjou um médico em Havana, não era nem dermatologista, nem sei sua especialidade. É que no início do inverno de lá, em dezembro/2007, apareceram umas manchas vermelhas em meus braços. O doutor foi à casa de Mongui, me fez a consulta – um bate-papo sobre minha vida – e providenciou um exame de sangue, ele mesmo tirou o sangue, etc. Uns dias depois voltou com o diagnóstico e a receita:

Me deu a entender que eu não tinha motivo para me preocupar. E receitou e recomendou:

1 – Tomar uns comprimidos (“pastillas”), feitos artesanalmente, durante poucos dias;

2 – Me expor mais ao sol, meu corpo e minha pele necessitavam de mais sol. Evitar o sol APENAS das 12 às 14 horas (aqui os médicos condenam a exposição ao sol das 10 às 16 horas);

3 – Comer com certa frequência verduras coloridas como beterraba, cenoura, abóbora, etc;

4 – E por último, mas não menos importante, DEIXAR DE USAR BLOQUEADOR SOLAR, FILTRO SOLAR (esses produtos caríssimos fabricados por empresas multinacionais que toda gente de pele clara usa por aqui e os dermatologistas por aqui receitam adoidadamente. Aliás, era um troço que eu não encontrava para comprar nas “tiendas” cubanas).

Bem, segui as recomendações do doutor cubano e já são quatro anos, aparentemente vai tudo bem. Andei viajando por uns lugares frios (Curitiba, La Paz, etc) e pensava: quero ver quando tiver que enfrentar o verãozão baiano. Pois então, de lá para cá este é o segundo verão que passo na Bahia e a coisa vai indo bem.

Na época da consulta em Havana estava comigo a companheira Deta Maria, fotógrafa cujas fotos aparecem de quando em quando neste blog. Pois bem. Como uma moça atrevida que sempre foi, ela também nunca mais usou bloqueador solar, mesmo convivendo todo esse tempo com o esquentado sol baiano. E até agora, sem problema.


Abro aqui um parêntese para encaixar os comentários feitos na época por Deta Maria, que lembrou mais alguns detalhes do tratamento:
"Pois é, Jadson, eu continuo sem usar o dito protetor solar. Bom, somente no caso de ir à praia e me expor demais ao sol, uso o 15.
 

O médico cubano falou não só em verduras vermelhas e amarelas, como também as frutas. Ele preparou não só as pastilhas (segundo ele, preparado pelo próprio), como também um creme que tinha durabilidade de 15 dias (sem química, claro!), conservado na geladeira. Lembra?
 

Mais recentemente fui a uma dermatologista baiana, ela me proibiu totalmente o sol (como se fosse possível, na Bahia!) e queria que eu usasse um ácido para tirar as manchas da pele. Eu disse: "Doutora, essas manchas são naturais da minha pele desde que eu me entendo por gente, são minhas sardas que dão o meu charme, rsrsrs". Claro que não usei nada. Continuo bem, tomando meu suco de laranja com cenoura todo dia".
Nesses dias, com o início oficial do verão, voltaram infalivelmente as matérias na nossa imprensa – cuidados com o sol, uso de filtro solar, etc, etc. Mas não é nem por isso que estou tocando neste assunto, porque falar de assuntos cubanos no Brasil é muito difícil. As supostas verdades do pensamento único na mídia sobre as coisas de Cuba têm uma hegemonia tão forte que as poucas pessoas que querem destacar algum aspecto positivo da famosa Ilha de Fidel, quando falam, falam na defensiva. (Eu adorei estar em Cuba, mas geralmente só falo disso quando me perguntam).

Na verdade, estou tocando neste assunto porque a mesma Deta Maria me enviou uma entrevista de um conceituado médico brasileiro, cujas explicações reforçam a orientação do médico cubano. Eis abaixo parte da entrevista:


O filtro solar protege? Dr. Lair Ribeiro: filtro solar engorda e provoca celulite

Em entrevista concedida ao Arrase!, o Dr. Lair Ribeiro faz revelações surpreendentes sobre o uso do filtro solar. Dados que nunca são divulgados, esclarecidos de maneira acessível pelo consagrado médico e autor.

Os filtros solares não funcionam?

Dr. Lair Ribeiro: Os filtros solares em sua maioria não funcionam e ainda engordam.
Porque não funcionam: O que causa estragos na pele são os raios UVA, e a maioria dos filtros solares brasileiros só protegem contra os raios UVB. As pessoas usam filtros solares comerciais sem saber que não estão sendo protegidas dos raios que realmente causam os estragos: os raios UVA.

As marcas de filtros solares costumam citar na embalagem "proteção UVA/UVB" e logo em seguida citam algo como "proteção de largo espectro". Isso quer dizer que a proteção UVB é a indicada no rótulo: FPS 15, 30 ou qualquer outro, mas a proteção UVA que é medida em PPD não existe, fica disfarçada com a tal frase "proteção de largo espectro".
Isso é uma forma genérica de não se dizer nada, uma forma de disfarçar a falta de proteção UVA.

E quanto ao fato do filtro solar engordar?

Dr. Lair Ribeiro: Engordam. Por exemplo, outro dia uma moça me mostrou com orgulho um tubo de filtro solar FPS 100, disse que havia pago uma fortuna e que achava que agora estava protegida.

E eu perguntei:
Desde quando você está usando esse filtro?
Há alguns meses.
E quantos quilos você engordou desde que começou a usar esse filtro?
Ela parou, pensou e disse: uns sete quilos.

Isso é uma verdade que quase ninguém sabe, isso não é divulgado.
Os filtros solares brasileiros em sua maioria contêm como agente principal uma substância chamada 4-metil benzilideno cânfora (4-mbc).
Essa substância bloqueia a função da tireóide e com isso a atividade estrogênica cresce, o nível de estrogênio aumenta.
Em resumo: o 4-metil benzilideno cânfora é absorvido através da pele e desencadeia uma maior produção de estrogênio que é um hormônio feminino.
O aumento de estrogênio engorda e faz aparecer a celulite.

Nos homens que usam filtro solar, ocorre o aumento do tecido mamário e o arredondamento dos glúteos, dando-lhes uma forma típica do corpo feminino. O homem fica com ‘peito e bunda’.
Além desses fatores, o 4-metil benzilideno cânfora é altamente cancerígeno.
Por todos esses motivos, o 4-metil benzilideno cânfora é uma substância que está proibida em muitos países, mas não no Brasil.

Podemos engordar mesmo se usarmos esses filtros solares comuns só em uma área pequena como o rosto?

Dr. Lair Ribeiro: Sim, dá no mesmo. O rosto é um lugar que absorve muito.

Existe algum filtro solar que não engorde?

Dr. Lair Ribeiro: Filtros solares que tenham Tinosorb como princípio ativo, já que essa substância protege dos raios UVA, não engorda e não é cancerígena.

O sol afinal é causador de problemas ou não?

Dr. Lair Ribeiro: Em 1903, o Dr. Niels Ryberg Finsen ganhou o prêmio Nobel de medicina estimulando o uso da luz solar na cura de doenças. Ele já sabia na época, que o sol desencadeia a produção de hormônio D3 (o que conhecemos como vitamina D, mas que na verdade é um hormônio).
A partir daí, muitas doenças foram tratadas com a luz solar.
Hoje sabemos que a vitamina D é o hormônio mais poderoso no corpo humano, e é responsável por controlar pelo menos 10% dos genes do corpo de uma pessoa.

Atualmente, existe uma deficiência de vitamina D nas pessoas. Elas acordam, entram no carro na garagem sem sol, dirigem até o trabalho onde passam no mínimo 8 horas sem sol, voltam para casa à noite.
Não tomam sol, e quando tomam, tomam com medo, se instalou uma paranóia de que o sol faz mal, tomam sol cheias de filtros solares que não bloqueiam o que realmente causa danos: raios UVA.
 
As pessoas têm medo de ficar com melanoma (câncer de pele) se tomarem sol, mas paradoxalmente, quanto menos as pessoas tomam sol no mundo, mais cresce a incidência de melanoma e de cânceres diversos como de pulmão, próstata, colo, e de doenças como o diabetes, o raquitismo, doenças cardíacas, perda de dentes.
A incidência dessas doenças aumenta na medida em que as pessoas se afastam do sol.

O sol diminuiu e o melanoma aumentou.
As pessoas não sabem que a maioria dos casos de câncer de pele aparecem em áreas onde não se toma sol: área interna da coxa, axilas, etc.

Como usar corretamente o filtro solar?

Dr. Lair Ribeiro: Primeiro, usando um filtro que proteja dos raios UVA.
Segundo, fazendo uso do filtro de modo adequado: vá para o sol, tome em torno de 20 a 30 minutos de sol sem protetor e somente após esse período passe o protetor, com fator entre 8 e 15.


CORREA: TRANSNACIONAIS DOMINAM TRIBUNAIS DE ARBITRAGEM INTERNACIONAL



Rafael Correa levará o tema dos centros de arbitragem à reunião da Unasul (Foto: Internet)


O presidente equatoriano defende que é urgente a criação dum organismo de arbitragem que funcione na América-Latina, de maneira a evitar as imposições do império do capital. Assegurou que fará a proposta de criação deste organismo na reunião da Unasul em Suriname. (Destaque reproduzido do sítio da TV Telesul)


Quito, 28 agosto (Prensa Latina) - O Equador leva o tema da injustiça dos tribunais de arbitragem internacional à próxima reunião da União de Nações Sul-americanas (Unasul), informou o presidente Rafael Correa.


Essa VII Reunião Ordinária do Conselho de Chefes de Estado e de Governo da Unasul será realizada nesta sexta-feira, dia 30, e terá como sede a cidade de Paramaribo, capital do Suriname.

A Chancelaria do Equador anunciou que junto ao mandatário desta nação sul-americana viajará o ministro de Ralações Exteriores e Mobilidade Humana, Ricardo Patiño.

Correa destacou em conversa com meios de imprensa que denunciará a atuação destes tribunais, usados pelas grandes transnacionais para "nos submeter ao capital, pois tudo está em função dessas multinacionais", expressou.

"É uma forma sutil de submeter os países, já não se precisa de tanque nem de botas", expressou, e afirmou que a solução contra estes abusos de poder é a unidade sul-americana.

O presidente Rafael Correa e o chanceler Ricardo Patiño participarão da Reunião Ordinária da Unasul no Suriname.

Nesse encontro do bloco regional, o Peru entregará a presidência pró-témpore ao país anfitrião para o período 2013-2014. A Cúpula de Paramaribo estará precedida de uma reunião de chanceleres nesta quinta-feira, dia 29.

Pela sétima vez desde sua constituição, em maio de 2008, os mandatários da Unasul se reunirão, entre outros temas, para avançar no processo de integração regional.

A agenda desenhada pelo Suriname inclui discussões sobre a criação de um foro de participação cidadã e o fomento a uma identidade sul-americana. Também se analisará a melhoria da vida através de infraestruturas que promovam a interconexão de pessoas, mercadorias e recursos.

A Unasul está integrada por Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Chile, Equador, Guyana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela.

OBS.: O título da matéria é deste blog.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

MÉDICOS CUBANOS: EU FUI PACIENTE DO SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE NA VENEZUELA (Parte 3)

Eis aí a "prova do crime": o gesso foi colocado em Caracas e retirado em Salvador (Bahia) (Foto no espelho: Jadson Oliveira)
Tenho boas recordações do tratamento recebido dos “médicos cubanos” da “Misión Barrio Adentro” inventada pelos chavistas. Hoje, aqui no Brasil, me quedo pasmado e indignado com tanta asneira e pedrada jogada por uma parcela privilegiada de brasileiros (inclusive médicos), diante da chegada de médicos cubanos para ajudar no atendimento a brasileiros carentes.

Belo Horizonte (MG) – Retornei a Caracas na última semana de julho/2012 para acompanhar a campanha eleitoral que resultaria na reeleição, no dia 7 de outubro, do então presidente Hugo Chávez. Já sem gesso na mão, agora teria de fazer a fisioterapia.

Iria passar dois meses aos cuidados da equipe de reabilitação do CDI (Centro de Diagnóstico Integral) do bairro (“urbanización”) de Montalbán, do serviço público de saúde da Venezuela, cujos médicos são todos cubanos (os técnicos e auxiliares são cubanos e venezuelanos).

Na mesma semana em que cheguei fui ao CDI. Me mandaram me apresentar na segunda-feira, às 6 horas da manhã, para a consulta. Quando cheguei, constatei um procedimento inusitado: os próprios pacientes se incumbiam de fazer uma lista com os nomes dos que iam chegando. Não me lembro se me avisaram antes: é que, no tocante à consulta com o médico (no meu caso foi uma médica), para a fisioterapia, só eram atendidas 15 pessoas. Me recordo que fui o número 12 na lista.
Onde funciona o CDI de Montalbán, em Caracas (Fotos: Jadson Oliveira)
Nesse dia da primeira consulta só saí de lá em torno das 11 horas, gastei uma manhã inteira. A médica – uma jovem e bonita cubana: Dra. María Julia Rodríguez Nápoles – Esp. Medicina Física y Rehabilitación, conforme está no carimbo –, após eu contar o acidente, pegou a mão, apertou o dedinho meio torto, roxo e um pouco inchado, e me receitou 12 sessões de fisioterapia: todas as segundas, quartas e sextas.

E recomendou: exercícios apertando uma bolinha de borracha e mergulhar a mão em água o mais quente possível, durante uns 5 minutos (ou 10, não me recordo), duas vezes por dia.

Para os exercícios lá no CDI eu chegava às 8 horas da manhã e saia por volta das 9:30/10 horas. Fazia toda vez uma aplicação com um aparelho (passa gel na parte afetada da mão, me esqueci o nome do procedimento) e, em seguida, três tipos de exercícios numa sala repleta de aparelhos para reabilitação e mais um tipo de exercício em outra sala.

(Esse prédio do CDI onde fiz o tratamento é bem grande, há vários setores, acho que dá pra notar numa foto que pretendo publicar nesta matéria. No pátio da entrada do setor que freqüentei, o da fisioterapia, se aglomerava no início da manhã – eu chegava às 8 horas - também o pessoal de cardiologia e odontologia, eram dezenas de pacientes. A partir daí, eram encaminhados às diversas salas).

Dois meses (24 sessões) de fisioterapia

Logo no primeiro dia eu aprendi meus exercícios: nos dias seguintes, eu chegava, cumprimentava, ia pegando os aparelhos à medida que outros pacientes iam liberando e tchau. Meu caso realmente parecia muito simples. Sempre havia uns 15 a 20 na sala maior, atendidos por dois técnicos, ambos cubanos (Na sala menor a técnica era venezuelana). Via lá eles se virando pra fazer os exercícios em pacientes mais necessitados de atenção do que eu – geralmente crianças e idosos.

(Uma vez perguntei a um deles – o que me ensinou os exercícios no primeiro dia, esqueci seu nome – se eles iriam embora se Chávez perdesse a eleição. Ele disse que achava que sim, mas acrescentou que acreditava que Chávez ia vencer).
Meu cartão ("tarjeta") de identificação na fisioterapia (recebi o papelzinho e mandei plastificar)
A doutora María Julia me deu alta (veja a data: 3/10/2012) e a receita para o complexo de vitaminas B
Passou o mês de agosto com as 12 sessões. Nova consulta com a médica. Pensei: puxa, podia pedir à doutora pra me dar alta, esse negócio está me ocupando demais. Terminei não pedindo e lá fui para mais 12 sessões de fisioterapia durante todo o mês de setembro: no mesmo esquema, toda segunda, quarta e sexta.

Findo o segundo mês de tratamento, nova consulta. Pensei: desta vez, adeus “fisioterápia” (como eles dizem por lá, botei o acento pra indicar a pronúncia), já estou perfeitamente bom do dedinho, digo à médica que já estou indo embora. Bem, não precisou, ela me deu alta, receitando umas vitaminas B. (Comentei que estava indo pra Cuba, ela me falou “ah! Varadero!”, que é uma praia turística badaladíssima de Havana).

Pois é, tenho boas recordações do tratamento recebido dos “médicos cubanos” da “Misión Barrio Adentro” inventada pelos chavistas. Hoje, aqui no Brasil, me quedo pasmado e indignado com tanta asneira e pedrada jogada por uma parcela privilegiada de brasileiros (inclusive médicos), diante da chegada de médicos cubanos para ajudar no atendimento a brasileiros carentes.

Poderia se dizer que se trata dum absurdo, mas não é absurdo: os interesses capitalistas, no fundo e por trás, explicam tudo, inclusive os preconceitos e os conceitos enviesados criados para respaldar os mesmos interesses capitalistas.

Se serve de consolo a esses brasileiros enganados, lá em Caracas também gente da classe média anti-chavista falava o diabo dos médicos cubanos. A família com quem morei lá (aluguei um dos dois quartinhos que mantinha para aluguel), por exemplo, me dizia, sempre que se tocava no assunto: “Não são médicos”, com aquele ar de escárnio.

O mesmo ódio, o mesmo preconceito, a mesma matriz ideológica.

(No próximo capítulo, o último, publico uma matéria falando de modo geral sobre os CDIs).



(A parte 2 deste relato foi postada no dia 20/agosto)