domingo, 24 de janeiro de 2016

“NÃO HÁ LIBERDADE NA VENEZUELA”: ME DESCULPE, AMIGO, A IMPRENSA TE ENGANOU!


Por Jadson Oliveira (jornalista/blogueiro), editor do Blog Evidentemente - reproduzido do site Dia e Noite no Ar, de 19/01/2016

Estava eu no sábado (dia 16) tomando umas com amigos no Bar de David, meu predileto uns tempos atrás, ali no Parque São Paulo (Centenário). A conversa descamba pra Venezuela, é uma merda, a maioria dando cacete no que os brasileiros consideram chavismo, bolivarianismo... uma ditadura, enfim.

Um sapecou logo, não falha: um país sufocado, não há liberdade de imprensa. Peraí, meu irmão, reagi logo: estive lá três meses em 2008 e cinco meses em 2012 – de junho a outubro, quando houve a última reeleição de Hugo Chávez (dia 7/outubro). As bancas de jornais estavam lá no centro de Caracas, em cada uma você podia ver pelo menos uns 10 jornais metendo o pau no governo. Como não tem liberdade de imprensa?

Meu amigo desconversou, meteu na graça e mudou de mesa. Na verdade, ninguém quer estragar sua cervejinha do final de semana ouvindo um chato  tentando desconstruir “sua verdade”, cevada anos e anos através dos noticiários da TV, rádio e jornais. Realmente, não é um programa agradável.

Daí que resolvi transcrever a matéria abaixo, escrita em Caracas nas vésperas da eleição presidencial e publicada no meu Blog Evidentemente em 03/10/2012 (a banca das fotos era na avenida Baralt, centro da capital; se me lembro bem, o dono se chamava – ou se chama – William; as fotos são de minha autoria).


“O GOLPISTA NÃO MUDA, SEMPRE BUSCARÁ ATALHOS” (Eleição na Venezuela)

Um pouco dos jornais venezuelanos: especialmente para os brasileiros que, intoxicados pelo terrorismo da mídia hegemônica, pensam que na Venezuela do "ditador" Chávez não existe liberdade de imprensa.

De Caracas - A manchete de primeira página aí acima é um ataque frontal ao presidente Hugo Chávez, o "golpista" que, em 4 de fevereiro de 1992, como tenente-coronel do Exército, liderou uma tentativa de golpe de Estado. De 1998 até agora ele ganhou em torno de 15 eleições democráticas, mas isso não importa... A declaração é de ninguém menos que o empresário Marcel Granier, dono da emissora RCTV, aquela que ficou famosíssima quando em 2004 não teve sua concessão renovada pelo governo de Chávez, depois de ter participado ativamente do golpe de 11 de abril de 2002 (ou tentativa, porque no dia 13 o povo e os militares resgataram o presidente). A emissora opera hoje somente a cabo.

E o jornal é La Razón, semanário radicalmente anti-chavista como se vê (foto acima). A entrevista é longa, vou transcrever (traduzindo) os destaques que estão aí na primeira página, uma mostra de que para os direitistas venezuelanos os ventos da mudança vão passar a soprar para trás e tudo voltará, como num belo sonho, aos velhos "tempos dourados" (para as velhas oligarquias e o imperialismo, evidentemente, para o povo seria um pesadelo, mas isso é outro papo). Creio ser uma visão representativa de uma parte minoritária da população, principalmente entre a classe média e a burguesia.


Granier, no apoio à manchete: "Essa mentalidade está aí, o veremos em 7 de outubro" (próximo domingo, a eleição presidencial, quando Chávez terá como principal opositor Henrique Capriles Radonski, governador do estado de Miranda). Mais: "Essa gente não crê nas eleições, é um grupo golpista que não crê na democracia, isso não vai mudar"; "O país quer que Chávez se vá do poder"; "O presidente e seus ministros mentem ao país"; "Chávez tornou a Venezuela mais dependente"; "Deu de presente os recursos dos venezuelanos e descuidou das reclamações territoriais".

E mais: "A tragédia financeira que se vive é consequência da aliança entre funcionários públicos e banqueiros"; "RCTV se prepara para regressar" (na esperança que Capriles ganhe); "A reconstrução do país será difícil".

La Razón é apenas um dos quatro jornais semanais encontráveis nas bancas de Caracas, todos anti-chavistas. Os outros: Quinto Dia, As verdades de Miguel e Sexto Poder. Um dado característico daqui é que não há revistas semanais influentes como no Brasil - há revistas semanais, mas sem peso político. Relativamente, os jornais semanais têm mais influência, conforme me informaram alguns jornalistas.


Fiz um levantamento nas bancas do centro de Caracas: ao todo, além dos quatro semanários, anotei 22 jornais diários. Veja bem: são vendidos na capital, mas nem todos têm circulação nacional. Destes, pelo menos a metade são anti-chavistas. Relaciono os que recordo com manchetes e títulos de capa mais agressivos diariamente: El Nacional, El Universal, El Nuevo País, Tal Cual, 2001 e El Carabobeño (do estado de Carabobo).

Dos demais - em torno de 11 -, há três chavistas: Correo Del Orinoco é o mais forte (o chavismo resgatou o nome da publicação criada por Simón Bolívar quando da guerra contra o domínio espanhol): estatal, custa apenas 1 bolívar (o preço mais comum  aqui é 4 ou 5 bolívares), tem circulação nacional, estimada em 100 mil exemplares diários; Ciudad Caracas é editado pela prefeitura da cidade (município de Libertador, o maior dos cinco municípios que formam a capital), é distribuído gratuitamente somente em Caracas; e Diário Vea (Veja), de um grupo privado.

Dos oito restantes, mais ou menos a metade dedica-se a esportes, notícias policiais e fofocas de celebridades. A outra metade enquadra-se no que chamo "mais ou menos equilibrados" entre o chavismo e o anti-chavismo. Aí, dois merecem destaque:


1 - O Últimas Notícias é o mais lido do país, a estimativa que obtive foi de 300 mil exemplares por dia. É do Grupo Capriles (privado), que reúne várias outras publicações e, como se vê, da família do candidato oposicionista (daí se dizer que a direita venezuelana nesta eleição conseguiu apresentar um postulante puro sangue, representante legítimo das velhas oligarquias). Mas, de qualquer forma, não é um panfleto de propaganda da campanha de Capriles, como outros citados acima.

Perguntei a um influente jornalista venezuelano: "O quanto o Últimas Notícias é equilibrado?" Ele respondeu sem pestanejar: "É 70% contra Chávez e 30% a favor". A foto aí logo acima corrobora esta avaliação.
(Acrescento aqui nesta transcrição a legenda que usei na foto do Últimas Notícias: ‘O "equilíbrio" do Últimas Notícias (edição da segunda, dia primeiro de outubro): foto grande da concentração de Capriles, encima; e foto menor da de Chávez, embaixo; além disso, nunca daria manchete de capa com discurso textual do presidente, como o faz aí com o discurso de Capriles).

2 - O segundo é o Panorama, jornal muito importante de Zulia, o estado de maior população e maior peso econômico do país (por sinal que, como São Paulo, é governado pela direita). Do ponto de vista técnico-jornalístico, na minha modesta opinião, é o melhor jornal da Venezuela. Fiz a mesma pergunta ao mesmo jornalista, com referência ao Panorama. Resposta: "É o contrário, 70% a favor de Chávez e 30% contra". 

Comentário significativo:

Vai aí um comentário, “assinado” por Anônimo, feito lá no meu blog a esta matéria, mostrando que pouco adianta você caprichar na informação: o cara está lá com sua “verdade” bem plantada no cérebro:


“Tomara que o câncer leve embora logo esse ditador FDP, populista, cínico... Tenho muita pena dos venezuelanos de bem que estão vendo seu país ser destruído por esse charlatão amoral. "Opção pelos pobres" é o caralho... a opção dessa corja é bajular e manter os pobres ignorantes com a esmola oficial e assim se perpetuar no poder, isso sim!! (igualzinho aqui no Brasil).

Aliás, esse negócio de "pai dos pobres" e culto à personalidade é beeeem coisa de país subdesenvolvido mesmo (republiqueta das bananas). Em país sério, o presidente é um mero servidor público, ninguém fica cultuando como se fosse um "santo" ou uma celebridade. Ah, e se ele fizer MERDA tem que responder (simples assim).

Aqui no Brasil, não... a Justiça parece ter medo até de julgar ex-presidente. Medo de quê? Deles colocarem os "muvimentos sociais" na rua?? Ora, se os "camisas negras" do MST, CUT, etc., forem pra rua ameaçar as instituições e as pessoas de bem, CACETE neles.. é pra isso que existem polícia e forças armadas. Simples assim.

PS: Este Blog é escrito por gente paga ou um verdadeiro cérebro de minhoca (das duas, uma).”

Nenhum comentário: