Páginas

terça-feira, 24 de setembro de 2019

NOVA ETAPA DO CAPITALISMO DEIXA ESQUERDA SEM RUMO: “O NORTE DA CONSTRUÇÃO DUM NOVO MODELO DEVE SER A LUTA CONTRA A DESIGUALDADE” (parte 4/final)

Sérgio Gabrielli: "Quando estávamos encontrando as respostas, as perguntas mudaram" (Foto: Smitson Oliveira)

A burguesia brasileira não tem projeto. É preciso identificar o que unifica mais gente contra o poder. Não adianta uma frente só de esquerda. O PT tomará um rumo de completa parlamentarização ou caminhará para liderar uma frente da sociedade?

Por Jadson Oliveira – jornalista/blogueiro – editor deste Blog Evidentemente

Concluímos com esta matéria a cobertura da palestra/debate com o professor de Economia José Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobrás, evento ocorrido em Salvador no dia 27 de julho último e já objeto de várias matérias deste blog. O contexto continua: o declínio do desenvolvimento baseado na indústria e a hegemonia do capitalismo financeiro. Diante das mudanças estruturais no mundo empresarial e no mundo do trabalho, as forças democráticas e populares buscam definir tática e estratégia para enfrentar o governo de extrema direita presidido por Jair Bolsonaro.
GABRIELLI COM A PALAVRA:
“Precisamos encontrar o que unifica mais gente contra o poder. Não adianta ter uma frente somente de esquerda”

“Precisamos pensar em formas de luta e vitórias, porque se não tivermos vitórias, na próxima luta vamos ter menos gente do que nas lutas atuais. Temos que acumular vitórias e, para isso, precisamos encontrar aquilo que unifica mais gente contra o poder. Como o poder de direita ampliou sua base, nós estamos isolados. Temos que disputar esse meio (forças que não apoiam a extrema direita), porque não adianta ter uma frente somente de esquerda para enfrentar o governo Bolsonaro.

Uma frente só de esquerda terá no Parlamento uns 100 deputados dentre 513 (se tiver, aí incluindo PDT, PSB, PCdoB, PSOL, além do PT). E na sociedade vai ter os 20%/30% que nos acompanham. É insuficiente para enfrentar Bolsonaro.

Uma frente com a burguesia brasileira? Não, porque eu acho que, estruturalmente, a burguesia brasileira não tem projeto, ela não vai entrar numa frente contra Bolsonaro. Pelo contrário, ela está na esperança vã de que o governo Bolsonaro vai criar condições para que os melhores se salvem (acho que não vai acontecer isso, mas é essa a esperança que a direita tem hoje).

Então, onde podemos ampliar? Nos segmentos médios: profissionais liberais, pequenos comerciantes, dentro das questões regionais entre os que têm esperança de expansão do mercado interno – isso é fundamental”.

Não há alternativa hoje de centro-esquerda sem o PT. Ou ele tomará um rumo de completa parlamentarização ou caminhará para liderar uma frente da sociedade

“Nesse processo, qual o papel dos partidos? Infelizmente, para quem não gosta, está crítico – ou felizmente, para quem está a favor -, não há como ter alternativa hoje de centro-esquerda, sem o PT, não há como. O PT tem 2 milhões de filiados, é o único partido que tem de fato estrutura nacional, vai ter agora eleições (internas, o PED – Processo de Eleições Diretas) em 3 mil municípios (de 5 mil e 500), vai ter agora renovação de diretórios. (Tal processo já foi iniciado).

Queiramos ou não, o PT é o único instrumento – é uma enxada enferrujada, cheia de dentes? mas é a única enxada que nós temos e essa enxada está num processo ainda autofágico (o outro palestrante do dia, o ex-governador gaúcho Olívio Dutra, também petista histórico como Gabrielli, tinha feito uma metáfora comparando o PT com uma enxada que está precisando ser afiada).

Mas vai sair daí (do processo de renovação dos dirigentes) alguma coisa positiva. Acho que até o final do ano vai começar a definir um rumo para o partido: ou ele vai tomar um rumo de completa parlamentarização ou caminhará para ser um partido que vai liderar uma frente da sociedade disposta a enfrentar as pretensões de Bolsonaro”.

O centro de nossa ação deve ser a luta contra a desigualdade, pela redução da pobreza e pela melhoria das condições de vida do povo

“Eu tenho seguido a lógica do (Antonio) Gramsci (pensador comunista italiano – 1891-1937): precisamos ser pessimistas na razão, mas temos que ser otimistas na prática, otimistas na ação. Para sermos otimistas na ação, temos que fortalecer a estrutura partidária, tentar avançar no diagnóstico da situação e na identificação de quais são os temas e as formas que podem mobilizar o máximo possível o nosso povo.

Sou uma pessoa socialista, não sou cristão e sou marxista. Não acredito que o socialismo esteja em nosso horizonte, não está no horizonte romper com a propriedade privada no Brasil, não temos a mínima acumulação de forças para isso.

Assim, temos que manter como o centro de nossas atividades a luta contra a desigualdade, pela redução da pobreza e pela melhoria das condições de vida do nosso povo. Esse é o norte da construção dum novo modelo. Esse norte implica um papel essencial para o Estado, este Estado que está sendo destruído, desmontado pelo Bolsonaro.

Não temos que fazer uma defesa intransigente do que é o atual Estado, mas fazer uma defesa intransigente das concepções de um Estado que seja capaz de colocar a distribuição da renda como a razão fundamental do seu ser, do seu significado, de sua função”. 

PS 1: A análise que Gabrielli nos apresentou em Salvador estará presente nos debates dos quais está participando no âmbito do PT e outros partidos e movimentos sociais, a nível nacional, durante este semestre, em busca de resoluções políticas das forças progressistas.


PS 2: Gabrielli fará palestra em Seabra, na Chapada Diamantina (interior da Bahia), no próximo dia 17 de outubro. Este blog vai se encarregar da cobertura jornalística. Aguardem detalhes.

Mais intervenções durante a fase de debates e outras fotos (clicadas por Smitson Oliveira, de Seabra/Chapada):
Pedro Barbosa, combativo militante da esquerda nos chamados “anos de chumbo”, integrou a diretoria do Sindicato dos Bancários pós pelegos da ditadura (1981-1984). Ele lembrou a contribuição de Olívio Dutra na luta dos bancários baianos, exaltou o papel da utopia e o trabalho desenvolvido por Maria Lúcia Fattorelli, através da Auditoria Cidadã da Dívida. Condenou a cultura da violência, criticando neste particular a ação de governos estaduais, inclusive os do PT, como é o caso da Bahia. E defendeu a importância da defesa da Amazônia, conclamando a esquerda a se incorporar à luta ecológica.
Tonga aproveitou o momento para homenagear o reitor da UFBA, João Carlos Salles, que foi reconduzido ao cargo e é o novo presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).

Germino falou sobre o domínio da burguesia nos órgãos de imprensa e nos meios de produção. Fez uma proposta no sentido de se criar uma emissora de TV, um meio de comunicação de massa com capacidade de enfrentar os monopólios da mídia, dominados pela direita. Sua ideia é que a empresa seria financiada pelas pessoas interessadas em defender os setores populares e democráticos, tornando-se assim acionistas. 
Daniel, arquiteto, abordou (como fez Pedro Barbosa) a importância do trabalho de Maria Lúcia Fattorelli, da Auditoria Cidadã da Dívida. E destacou como fundamental para as lutas sociais a participação popular, através de conselhos independentes.
Neri Clademir: como gaúcho (mora na Bahia há muitos anos), elogiou a atuação de Olívio Dutra como dirigente sindical dos bancários no Rio Grande do Sul. Lembrou a militância "dessas cabeças brancas" na luta histórica contra a ditadura, condenando o que chamou "pacto de esquecimento" dos crimes cometidos durante o período pós golpe de 1964. Falou ainda dos estragos feitos pelas chamadas fake news no processo político atual e exaltou os postulados do internacionalismo.
Cristiano levantou a questão da formação de frentes políticas para enfrentar o governo Bolsonaro e criticou a política de conciliação de governadores do Nordeste, a exemplo de Rui Costa na Bahia, cujos parlamentares da chamada base aliada votaram a favor da Reforma da Previdência.
Moisés Bebé (de camisa azul, velho militante de esquerda, fez parte da diretoria do Sindicato dos Bancários pós pelegos da ditadura - 1981-1984) na plateia com Neri Clademir (no meio) e Iuri Ramos (camisa branca).
Participantes e organizadores do evento, com os dois palestrantes (Olívio e Gabrielli), manifestam-se pela bandeira Lula Livre.
Os organizadores (Goiano/José Donizette, Valdimiro Lustosa Soares e Osvaldo Laranjeira) preparam pose para foto com os palestrantes. 
O êxito do evento ficou patente na superlotação (em torno de 250 pessoas) do auditório do Sindae (Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente da Bahia).



2 comentários:

jadson oliveira disse...

Transcrevo comentário feito no Facebook:

Virginia Botelho Finalmente uma esperança! Muito boa leitura de uma possível reunificação de frente contra a extrema direita bolsonarista. Em frente!

jadson oliveira disse...

Comentário de Neri Clademir através de email:


As matérias ficaram muito boas e temos um registro fiel do que foi dito no encontro. Meus parabéns.
Abraços,
Neri