Páginas

sábado, 30 de julho de 2022

LARANJEIRA: “LUTAR POR UM SISTEMA FINANCEIRO CONTRA-HEGEMÔNICO SE FAZ NECESSÁRIO”

Osvaldo Laranjeira: considerações sobre diretrizes do provável Governo Lula (Foto: Smitson Oliveira)

“As pessoas, os trabalhadores, as famílias, assim como as pequenas e microempresas estão quebradas em níveis alarmantes”

Por Osvaldo Laranjeira – militante político, ex-presidente do Sindicato dos Bancários da Bahia – em julho/2022 (título e destaque acima, bem como a definição dos parágrafos, são deste blog)

FRAGMENTOS DE UM DISCURSO MILITANTE -  I

Começo estes Fragmentos fazendo pequenas considerações sobre algumas das recém publicadas Diretrizes para o Programa de Reconstrução e Transformação do Brasil, as quais constituirão o Programa do Governo Lula (se ele ganhar as eleições, claro). Como o terceiro mandato de Lula será também um Governo de coalizão, muito provável que - e aqui menciono uma circunstância atenuante, do ponto de vista e dos desejos de um militante petista - muitas limitações na aplicação do Programa acontecerão.

A Diretriz que modestamente comento é a de número 60 que assim diz:

"Como a renda familiar dos brasileiros e brasileiras desabou e o endividamento das famílias explodiu, já são mais de 66 milhões de pessoas inadimplentes, vamos promover a renegociação das dívidas das famílias e das pequenas e médias empresas por meio dos bancos públicos e incentivar os bancos privados para oferecer condições adequadas de negociação com os devedores. Avançaremos na regulação e incentivaremos medidas para ampliar a oferta e reduzir o custo do crédito".

Creio ser uma medida urgente, após a posse de Lula. Pois, de fato, as pessoas, os trabalhadores, as famílias, assim como as pequenas e microempresas estão quebradas em níveis alarmantes. Graças ao comprometimento, de parte crescente dos seus orçamentos, com o pagamento dos serviços decorrentes do endividamento financeiro, conforme Márcio Pochmann. Ou seja, quase todo mundo está "pendurado" nos Bancos ou no crediário.

Isto é muito ruim, tanto para a população quanto para a Economia, uma vez que, quando as pessoas se endividam muito, compram pouco. Sobra mês e falta salário. O efeito demanda fica travado. Se cerca de da renda das pessoas está destinado ao pagamento de despesas financeiras (juros, tarifas, etc) ocorre, de fato, uma real transferência de renda da população para os banqueiros. Como diz o Prof. Ladislau Dowbor, "o brasileiro trabalha muito, mas os resultados são desviados das atividades produtivas para a chamada ciranda financeira, que não reinveste na economia".

Uma das causas dessa situação são as altíssimas taxas de juros cobradas pelo SISTEMA FINANCEIRO BRASILEIRO. Quem precisa recorrer às linhas de crédito existentes, tais como Cartão de Crédito, Crediário (Comércio), Cheque Especial, CDC - Bancos (financiamento de automóveis), Empréstimo Pessoal nos Bancos e Empréstimo Pessoal nas Financeiras, paga uma Taxa de Juros para Pessoa Física, em Maio/2022, em média de 117,27 % a.a., conf. a ANEFAC (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

Tão catastrófica quanto, é a situação das 5,5 milhões de Micro e Pequenas Empresas, cuja inadimplência bate recorde com a alta da inflação e juros altíssimos, conf. o G1 (Globo), que traz a seguinte conclusão a respeito das famílias: "endividamento e inadimplência batem novo recorde em abril: muitas delas tiveram que recorrer a empréstimos com instituições financeiras para sobreviver durante a pandemia, e agora estão tendo dificuldades para pagar as parcelas". O pior está por vir, pois as taxas de juros vêm crescendo mês a mês.

O resultado dessa situação excludente e escorchante para a população é o enriquecimento fácil de banqueiros e rentistas (Os 5 maiores bancos brasileiros - Banco do Brasil, CEF, Bradesco, Itaú e Santander - lucraram, no ano de 2021, mais de 94 bilhões de reais. Dinheiro que não é revertido para a produção social). Renegociar as dívidas, aumentar a oferta de crédito, baratear as taxas de juros são medidas corretas e necessárias. É preciso enfrentar estruturalmente a agiotagem praticada pelos intermediários financeiros de forma prioritária. Isso para, conforme Ladislau Dowbor, colocar a economia brasileira nos trilhos.

Temos um Sistema Financeiro que está na contramão das necessidades da população brasileira, sobretudo dos mais pobres. Lutar por um Sistema Financeiro contra-hegemônico se faz necessário. Já temos um horizonte que são as FINANÇAS SOLIDÁRIAS, democráticas, sustentáveis, sem agiotagem e voltadas para o desenvolvimento das comunidades.

(Conforme indica a numeração, virão outros “fragmentos”)


Nenhum comentário: