Páginas

sábado, 18 de junho de 2022

#DOMEBRUNOPRESENTES – AS DIGITAIS DO MANDANTE

 


(O mandante) está no incentivo à violência, no descaso na apuração, no desmonte aos órgãos responsáveis pelas políticas públicas, na perseguição à imprensa, na impunidade... Quem incentiva o crime também aperta o gatilho.

Por Mônica Bichara (jornalista)  junho 16, 2022 (Reproduzido do blog Pilha Pura)

Quem não está com um choro entalado na garganta hoje, no Brasil, está do lado do mandante. E seja lá quem for o mandante oficial dessa barbárie que abateu, num só golpe, um jornalista e um indigenista, a digital do verdadeiro culpado está espalhada por todos os lugares (pouco importa quem puxou o gatilho). Está no incentivo à violência, no descaso na apuração, no desmonte aos órgãos responsáveis pelas políticas públicas, na perseguição à imprensa, na impunidade... Quem incentiva o crime também aperta o gatilho.

Desde a primeira notícia sobre o sumiço dos dois, o "chefe supremo" botou a carapuça: “Se arriscaram numa aventura não recomendável”. Não! Não era, nem nunca foi uma aventura. Muito menos não recomendável. Estavam cumprindo suas missões. Culpar as vítimas sempre foi a saída preferida dos covardes. E para isso nem fingem um mínimo de preocupação. Não colaria mesmo. 

É sintomático que essa monstruosidade tenha vitimado justamente um jornalista, além do indigenista. Somos o alvo principal, e declarado, do atual governo. 

E justo o britânico Dom Phillips, correspondente do The Guardian no Brasil, autor da suprema ousadia de questionar o todo poderoso, em junho de 2019, sobre o crescimento dos desmatamentos na Amazônia e a falta de ações de preservação. Citou, inclusive, a parceria do então ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (o que queria passar a boiada), com madeireiros da região. Sem sequer olhar no rosto do entrevistador, sentado ao seu lado, nem disfarçar o ódio que espumava pela boca imunda, o incentivador de toda essa onda de violência que se instalou no país vomitou essa pérola: “Primeiro você tem que entender que a Amazônia é do Brasil, não é de vocês”.

O choro coletivo, que continua entalado, vem se acumulando desde outro maldito golpe, o que permitiu essa múltipla tragédia brasileira. E foram inúmeros os atentados, sob forma de declarações desastrosas, tecendo a crônica das mortes anunciadas. Alguns exemplos:

“Se eu assumir a Presidência do Brasil, não terá mais um centímetro para terra indígena”, disse em 8 de fevereiro de 2018;

“Em 2019 vamos desmarcar a Raposa Serra do Sol. Vamos dar fuzil e armas a todos os fazendeiros”, na Câmara Federal, em 2016;

"As reservas indígenas sufocam o agronegócio”, em 2015;

“Se depender de mim, todo cidadão vai ter uma arma de fogo dentro de casa. Não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola”, dia 3 de abril de 2017, no Estadão;

“Se eleito eu vou dar uma foiçada na Funai, mas uma foiçada no pescoço. Não tem outro caminho”, promessa de campanha cumprida com “louvor” – reduziu pela metade a estrutura do órgão de apoio aos povos indígenas. O próprio Bruno Pereira já tinha sido vítima desse desmonte, quando perdeu o cargo de coordenador de povos isolados na Funai, vingança promovida na gestão do ex-ministro Sérgio Moro na Justiça.

 

Que essas mortes não sejam em vão

 

E para que as mortes de Dom Phillips e Bruno Pereira não sejam em vão, o Brasil e o mundo precisam acordar e ir para as ruas, soltar o grito coletivo que está nos entalando. Exigir punição, exigir demarcação, respeito aos povos indígenas, aos territórios tradicionais, ao meio ambiente, à democracia. À dor que estamos sentindo. Difícil mensurar a aflição das famílias, amigos, colegas. Mais ainda a dos indígenas, que depositam ESPERANÇA na "aventura", ou "excursão", dos ativistas em defesa da Amazônia, 

Está cada vez mais difícil respirar nesse país, onde raposas foram colocadas para tomar conta de galinheiros. Um racista na Palmares, uma fundamentalista nos Direitos Humanos, um madeireiro na Funai, um latifundiário na Agricultura....

Não basta mais apenas chorar ou se revoltar com a confirmação das mortes. Que a repercussão internacional desse caso, por envolver um jornalista britânico, branco, representante de um dos mais importantes veículos de comunicação do mundo, não esmoreça. É o mínimo que podemos fazer, e exigir, para que Dom e Bruno não tenham perdido suas vidas em vão. Que, ao contrário, eles virem semente de um Brasil mais justo. Como a memória de Marielle Franco vem ajudando a semear a luta pela redemocratização do país.

#ForaBolsonaroGenocida

#domebrunopresentes

#MariellePresente

4 comentários:

Joana D'Arck disse...

#ForaBolsonaroGenocida

Mônica Bichara disse...

Que honra figurar no Evidentemente. Bom ver o blog renascendo, depois dessa longa e tenebrosa pandemia. Infelizmente, as notícias são tristes. Mas as pautas, apesar de negativas, já começam a apontar para uma luz de esperança no fim do túnel. Logo ali em outubro, não podemos deixar passar essa oportunidade. Chega de tanto ódio!

jadson oliveira disse...

Beleza, companheiras Joana/Mônica, vcs dão vida este blog um tanto quanto hibernado, beijo, Jadson (Mônica, ao contrário, o Evidentemente se sente honrado com sua bela presença. Tudo organizado, como diria nosso Délio).

Unknown disse...

Parabens Jadson, temos que divulgar ao maximo essa materia!!! Viva o blog Evidentemente!!!

Goiano.