Páginas

quarta-feira, 25 de maio de 2022

PROFESSORES DE SEABRA: UMA GREVE LONGA E VITORIOSA

A categoria se manteve mobilizada (Fotos: Smitson Oliveira) 

Tânia Oliveira, dirigente da APLB-Sindicato

Depois de uma greve de mais de 50 dias, os professores da rede municipal de Seabra, na Chapada Diamantina, chegaram a um acordo considerado satisfatório, retomando as aulas a partir da terça-feira, dia 24: conseguiram a maioria das reivindicações, incluindo o reajuste de 33,24% do piso salarial, que é garantido em lei federal e faz parte da luta da categoria em todo o estado, pois tal direito vem sendo atropelado pelas prefeituras.

 

(Em Salvador, por exemplo, os professores das escolas municipais estão em greve, iniciada na última quinta-feira, dia 19, exigindo o mesmo reajuste).

 

Apesar da volta às aulas, o professorado seabrense continua mobilizado para serem efetivamente atendidos os itens acordados, constantes em ata registrada no Ministério Público. E também para acompanhar – buscando transparência – a aplicação das verbas para a educação.

 

Isto em meio à extrema má vontade do prefeito Fábio Miranda, que, passando ao largo da institucionalidade, negou-se a se sentar à mesa de negociação com os legítimos representantes da APLB-Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia, existente há 70 anos como referência em luta de classe.

 

O seu secretário da Educação, Altair Sá Teles, no entanto, negociou com a comissão dos grevistas. E o documento do acordo foi apresentado no Ministério Público local, no intuito de referendar o cumprimento dos prazos acordados.

 

Este é um pequeno resumo feito a partir da avaliação e relato da  dirigente da APLB, Tânia (Maristônia) Oliveira, presidente da Delegacia Sindical Lavras da Diamantina da APLB/Sindicato (abrange Seabra e mais quatro municípios da Chapada Diamantina).

 

Segundo ela, foram dias de muita movimentação, com manifestações de rua, assembleias, inclusive nas praças, “ocupações da prefeitura” (ocupação do pátio da Secretaria da Educação durante o expediente), panfletagens, carreatas, gravação e divulgação de vídeos e muita atuação nas redes sociais. Além de reuniões/encontros no sindicato, Câmara de Vereadores e Ministério Público.

 

O movimento contou (e ainda conta) com o apoio de mães e pais (principalmente as mães) dos alunos, cuja participação foi talvez um dos toques mais notáveis da mobilização e articulações.

 

Com o fim da greve, os professores têm agora também o compromisso com a reposição das aulas para os cerca de 8.000 alunos e alunas da rede de educação infantil e ensino fundamental, níveis da competência da gestão municipal. São aproximadamente 50 escolas em todo o município.


Mais fotos do movimento:












 

15 comentários:

Anônimo disse...

Que bom você estar de volta com seu blog,Jjadson. Manda ver! Forte abraço. Raimundo Lima

Carlão de Oliveira disse...

Parabéns às educadoras e educadores que lutam em defesa dos interesses da maioria da população. Educação é um direito de todos e dever de Estado.

Adilson Borges disse...

Nada melhor do que ver os professores e Jadson Oliveira fazendo o dever de casa! Abraço, companheiro?

Anônimo disse...

Que bem nos faz uma leitura sucinta, e análise perfeita do movimento grevista dos professores na luta por um salário justo. Viva os trabalhadores da educação que conseguiram envolver os pais dos educandos na sua luta. Parabéns pelo artigo!

Anônimo disse...

Agradeço a todos que apoiaram e respeitaram os profissionais da educação, que lutaram e continuarão lutando, pela qualidade da educação do município.

Joana D'Arck disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Joana D'Arck disse...

O gigante acordou e volta dicumforça :) Parabéns Jadson Oliveira por esse retorno das suas publicações no blog. Precisamos muito do olhar e de trabalhos como o seu para dar voz à luta das classes oprimidas e pela democracia. Muito orgulho de você, sempre. Vá em frente, companheiro! Tamo junto!

Anônimo disse...

Grande companheiro. Que bom que vc está de volta à labuta no Evidentemente, com seu texto sempre gostoso de ler, e onde cada palavra é uma informação. Melhor ainda é saber dessa luta vitoriosa dos professores da querida Seabra

Anônimo disse...

Anônimo disse...

Esse anônimo do comentário acima quer revelar a cara: é Sinval

jadson oliveira disse...

Raimundo Lima, velho colega de redação da TB, obrigado pela acolhida nesta tentativa de volta pós pandemia, a gente começa a se animar apesar dos muitos pesares, abraços, companheiro

jadson oliveira disse...

Carlão de Oliveira, obrigado pela mensagem, estamos juntos na exaltação dos educadores/educadoras, gente tão carente de apoio e valorização

jadson oliveira disse...

Adilson Borges, grande companheiro de tantas jornadas, nas redações, nos bares, especialmente numa memorável farra/serenata, com o prezado "coronel" Ireno Viana, em Parnaíba/Riacho do Mel, em Iraquara/Seabra, Chapada Diamantina. Lembra? Filosofando: ficar velho é lembrar, lembrar, lembrar... e ficar chato. Mas o que eu queria mesmo saber é "por que todo caso de Adilson só acontece anteontem?", abraço, companheiro

jadson oliveira disse...

Aos "anônimos/as" agradecimentos pela atenção/participação, comentários com elogios e/ou críticas são sempre grande estímulo. abraços.

jadson oliveira disse...

Joana D'Arck, a popular Joaninha, grande companheira na TB e tantos outros cantos por aí. Acho até ruim falar dela, pois fica uma babação demais, não tem jeito. Pra resumir, este blog é criação dela, não só criar, propriamente dito, mas me empurrar, o que é a parte mais sensível. E agora, a coisa renovou-se, pois fiquei dois anos com o blog parado e ela teve que me ensinar/empurrar tudo novamente, é mole? Obrigado, companheira, sempre, sempre...

E o grande companheiro Sinval? Porra, companheiro, se saudade matasse... Hoje, pela manhã, estava falando ao telefone com minha irmã Rubia, falando do blog, falei de Joaninha, e aí ela perguntou: "E o marido dela, como vai?". Eu não sabia que ela conhecia nem Joana quanto mais Sinval. São coisas, detalhes, desta nossa andança, que já vai longa e tomara que continue... Temos aí pela frente, qualquer dia desses, brevemente, um encontro no Caxixi, com Alberto, Manelão...