Páginas

domingo, 13 de outubro de 2019

MECANISMO REAL DA CORRUPÇÃO NO BRASIL: “O SISTEMA FINANCEIRO ROUBA E A IMPRENSA MENTE”


A pedida é ler o livro e estudar o resultado das investigações coordenadas pela auditora fiscal Maria Lúcia Fattorelli. Acesse o site da Auditoria Cidadã da Dívida: https://auditoriacidada.org.br/

Por Jessé Souza – sociólogo – do livro ‘A classe média no espelho – Sua história, seus sonhos e ilusões, sua realidade’ – da editora Estação Brasil – páginas 269/270 (o título e destaque acima são da edição deste blog).

(...)

“Além dos multimilionários que ficam com a parte do leão, existe uma camada superior de rentistas também na alta classe média. Alguns poucos milhões de indivíduos entre nós participam dos mecanismos legais e ilegais de se apropriar da riqueza coletiva e do orçamento público.

Para esse segmento social, funciona com perfeição a “boca de fumo” da verdadeira corrupção brasileira, institucionalizada no Banco Central – cujo presidente é indicado pelos bancos – e efetiva materialização do poder do capitalismo financeiro. A corrupção dos soldados do tráfico, ou seja, a dos políticos, por mais execrável que seja, é apenas um apêndice menor da intermediação dos negócios dos donos do mercado na esfera estatal.

Os políticos não passam de lacaios nesse esquema. O episódio das malas supostamente dirigidas a Aécio e Temer, mostradas na TV, comprova isso. Eram pagamento de serviços prestados aos patrões dos políticos: as corporações e o sistema financeiro.

Tal como no combate ao tráfico de drogas, a polícia prende apenas os soldados do tráfico, enquanto os poderosos donos da boca de fumo continuam em liberdade. Foi exatamente o que fez a Lava Jato. A operação não se interessou pelas denúncias que Palocci queria fazer do sistema financeiro. Afinal, não vinham ao caso, que era só prender Lula.

Precisa desenhar mais ainda, caro leitor e cara leitora? Palocci queria mostrar as irregularidades de um esquema para drenar a riqueza da sociedade  em benefício da elite e da alta classe média rentista. Não mais do que 2% da população brasileira. Nunca vamos saber dos detalhes, porque os paladinos da justiça seletiva só queriam ouvir as denúncias que lhe eram convenientes. E, na outra ponta do esquema, está a imprensa.

Este é o mecanismo real da corrupção entre nós: o sistema financeiro rouba e a imprensa mente, invertendo causa e efeito, tornando invisível o assalto real e distorcendo sistematicamente a realidade. A justiça seletiva apenas confere o selo da autoridade estatal a esse acordo.

Como o mito vira-lata é talhado de propósito, conforme os interesses dessa elite do mercado, basta apontar o dedo para os soldados da corrupção política e lançar uma cortina de fumaça sobre o assalto real dos bancos em benefício próprio e dos rentistas daqui e de fora. Esse é o trabalho da grande imprensa amiga e devidamente comprada”.

(...)