Páginas

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

NOVA REDENÇÃO: UM DIA DE POLÍTICA E “FRATERNIZAÇÃO” COM PETISTAS DA CHAPADA (carta a uma amiga)

Ivan Soares, ex-prefeito e líder do PT local: dirigiu os trabalhos e se destacou nos debates (Foto: Smitson Oliveira)
(Foto: da página do Facebook do PT Nova Redenção)

Debate do 5º. encontro regional do PT (o maior até aqui – 130 pessoas) abrangeu o desmonte das políticas públicas populares após o golpe, críticas à direção estadual do partido e empenho para fortalecer os diretórios municipais.

Por Jadson Oliveira – jornalista/blogueiro – editor deste Blog Evidentemente

Querida amiga Lucilla,

Quanto tempo sem te escrever! Invoco teu nome em busca de inspiração para reportar um dia de debates políticos na bela região do interior da Bahia, a Chapada Diamantina. Foi na cidade de Nova Redenção, no último dia 3 (um sábado).

Um dia proveitoso e prazeroso: de fazer política, num tempo em que o Brasil vive uma conjuntura adversa de criminalização da política (e dos políticos, especialmente dos petistas); e dia também de “fraternização”, para realçar a palavra usada por nosso anfitrião, Ivan Soares, ex-prefeito do município e líder do PT local, que dirigiu os trabalhos.

Friso, porém, sobretudo, o grau de politização que prevaleceu nas discussões. Foi o mais politizado e crítico da série de encontros iniciada em Seabra – chamada a “capital da Chapada” – em maio do ano passado. Em especial, houve empenho na busca de organização e fortalecimento dos diretórios municipais do partido, que é muito fraco na região.

Pois é, amiga. Isso ficou patente: dos 28 municípios da chamada microrregião, compareceram dirigentes partidários de apenas três diretórios, além dos de Nova Redenção, sede do encontro: Seabra (como sempre, uma grande delegação), Andaraí e Ibitiara.

Dos três (ou quatro?) prefeitos petistas da região, esteve presente somente a prefeita anfitriã, Guilma Soares, mulher de Ivan (ela exerce o terceiro mandato do PT no município). Presentes ainda quatro vereadores da base aliada da prefeita.

Tal debilidade foi muito ressaltada nas discussões, agravada – segundo críticas de dirigentes, puxadas principalmente por Smitson Oliveira, da Executiva de Seabra, e reforçadas por Ivan Soares – pela falta de apoio e atenção da direção estadual.

Em alguns casos, a falta de apoio chega até a avançar para o boicote a iniciativas das direções municipais, o que deve se refletir no atual processo de renovação dos dirigentes partidários (está em curso o chamado PED – Processo de Eleições Diretas, nos níveis municipal, estadual e nacional, mas as chapas ainda não estavam definidas).
Lula Livre: Smitson Oliveira e Celsino Teixeira (da Executiva do PT/Seabra), Ivan Soares, Carmélia Santos (presidente do PT/Andaraí e vereadora), Pedrinho (pres. do PT/Ibitiara e vereador) e Ronilton Almeida (pres. do PT/Nova Redenção) (Quase todas as fotos são de Smitson Oliveira)
Afonso Florence, deputado federal do PT, fez a avaliação da conjuntura
Guilma Soares, prefeita do município (terceiro mandato do PT)
Pedro Lima (no microfone - pintor e presidente do PT/Seabra) ao lado de Pedrinho, Ivan, Carmélia, Geisa Neiva (assessora do deputado Jacó, do PT) e Goiano (José Donizette, de larga militância nas esquerdas, reconhecido como grande impulsor da série de encontros do PT da Chapada)
Pedrinho fala em nome dos petistas de Ibitiara
Ronilton Almeida
Carmélia Santos
Outro agravante é que tal desatenção vem também dos órgãos do governo estadual, cujo governador, Rui Costa, é do PT (é o quarto mandato petista consecutivo no estado, na “província”, como vocês, cara Lucilla, chamam aí na tua Argentina).

Entra aí a famigerada governabilidade, um nó “transcendental” (uma palavra muito usada por aí) da política brasileira. E também na Bahia: o senador baiano Oto Alencar, do PSD, tem grande influência na Chapada e é da base aliada do governador. Diz a maioria dos observadores que Oto já está, há muito tempo, coroado para dar “sequência” aos quatro mandatos petistas.

Criada uma Coordenação Regional

Para tentar enfrentar a debilidade do PT na região, foi criada, no final do encontro, uma Coordenação Regional, com oito membros (dois de cada diretório presente), que buscará uma articulação mais eficiente entre os companheiros da região. Em parte dos municípios – comentaram – não há nem comissão provisória do partido.

Os oito membros: de Nova Redenção: Ivan e Ronilton Almeida, presidente do PT municipal; Seabra: Pedro Lima, presidente, e Smitson; Andaraí: Carmélia Santos, presidente e vereadora, e Domingos Santos; e Ibitiara: Neto Sales e Joyce Evangelista, ambos do diretório municipal.

Será, querida Lucilla, uma tarefa muito difícil a desta coordenação, a pensar no precedente: já se tentou uma  semelhante no primeiro encontro, que deu em nada. Mas, em tempos mais difíceis, talvez se redobrem os esforços, quem sabe?.

No quesito da conjuntura, o deputado federal Afonso Florence, do PT, que é bem votado no município, falou do desmonte  - a partir do golpe de Estado e início do governo Bolsonaro - das políticas públicas populares que vinham sendo construídas nos governos Lula e Dilma. Inclusive com enormes prejuízos para as comunidades rurais, agravados pela chamada Reforma da Previdência.

E também ressaltou a regressão social e democrática, destruição dos direitos trabalhistas, violação da nossa soberania, o chamado “enxugamento” da economia e o processo de corrupção denunciado pela Vaza Jato. Ao falar dos cortes de verbas das universidades, determinados pelo governo Bolsonaro, num processo de desmonte do ensino público, lembrou os atos de rua, em defesa da educação, programados nacionalmente para amanhã, terça, dia 13.

Como vê, minha amiga, nossa situação política é bem parecida com a dos hermanos argentinos na era Mauricio Macri, embora as prévias eleitorais realizadas aí já indiquem, felizmente, uma grande vitória da chapa Alberto Fernandez/Cristina Kirchner - o que faz a gente prever uma virada progressista na nossa Pátria Grande.
Goiano (José Donizette)
Geisa Neiva
Adriana Oliveira (liderança entre os professores - APLB-Sindicato) exaltou a participação da juventude na luta contra os desmandos do governo Bolsonaro na educação: "Às vezes é na adversidade que nos fortalecemos". É sangue novo na militância petista de Seabra, reforçando a ala feminina com Alice Cerqueira, Fátima Pina, Geisa Neiva, Carol Campos e Antônia Araújo
 
Antônia Araújo
Celsino Teixeira, vice-presidente do PT/Seabra
A maioria aí é da delegação de Seabra
Carol Campos
Smitson (Foto do Facebook do PT Nova Redenção)
Delegação de Seabra (com Pedrinho/Ibitiara "infiltrado") na bela paisagem do Morro do Pai Inácio (dois aí não foram mencionados nas legendas anteriores: o engenheiro  Jorginho Oliveira (o segundo da esq. para dir.) e o professor Leonardo Teixeira (o sétimo)
Mas já me alonguei bastante nesta carta de política e de saudade. Depois te mandarei mais algumas notas sobre o intercâmbio político/partidário mantido nesse sábado na Fazenda Gameleira (de propriedade de Ivan), situada a 3 quilômetros da cidade. (Mais informações estão nas legendas das fotos. Leitores poderão suprir alguma falta de identificação nas legendas, através de comentários no blog).

Lá pelo meio da tarde, depois do almoço, reunião da Coordenação Regional, finalização dos trabalhos, umas cervejas e despedidas calorosas, com gentil lembrança distribuída pelo Ivan Soares: um CD intitulado 25 Anos de Cantoria. É que o Ivanzinho, como é também conhecido, é celebrado ainda como cantador e violeiro.

A delegação de Seabra – da qual fazia parte este teu amigo – partimos para cumprir 150 quilômetros de asfalto. Com parada para foto diante do Morro do Pai Inácio, belíssimo panorama turístico da Chapada, você precisa conhecer num dia desses. (Pedro Lima me “ordenou”: bote na matéria que na saída de Seabra, o café Delícia da Chapada, de Laudeci Anjos, brindou a delegação petista com um café da manhã).

Assim, me despeço, querida Lucilla. Recordando que te conheci num debate político em Caracas, em 2012, ano da última reeleição do nosso Chávez. Lembra? Beijo e abraço.

Nenhum comentário: