Páginas

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

EXALTADO O PAPEL DE GOIANO NAS ARTICULAÇÕES DO PT DA CHAPADA

Goiano: construir a sustentação da ação política através da organização popular (Fotos: Smitson Oliveira)

O reconhecimento público veio no quinto encontro regional do partido, em Nova Redenção, através do anúncio de Ivan Soares, ex-prefeito, líder do PT local e anfitrião do evento.

Por Jadson Oliveira – jornalista/blogueiro – editor deste Blog Evidentemente

Quem cantou a pedra foi o ex-prefeito Ivan Soares, em Nova Redenção, durante o quinto Encontro de Diretórios Municipais do PT, no último dia 3. Anfitrião do evento e dirigente dos trabalhos, ele chamou Goiano (José Donizette) para compor a mesa, ao lado dos representantes petistas da Chapada, justificando:

- Foi um dos idealizadores e principal articulador dos encontros de dirigentes do PT regional, desde o primeiro, realizado em Seabra em maio do ano passado, sempre visando organizar melhor as bases e reforçar as direções municipais do partido. Ou seja, Ivan proclamou publicamente uma verdade sobejamente conhecida entre as lideranças partidárias da Chapada.

Antigo militante político desde a década de 1970, a partir do sindicalismo bancário em Salvador, Goiano tem uma extensa folha de serviços no campo das esquerdas, tendo inclusive participado da criação da CUT e do PT. Nos últimos anos, além de outras militâncias (também na capital), vem se dedicando às campanhas eleitorais de petistas, como o deputado Jorge Solla, e atuando junto a comunidades rurais e quilombolas, particularmente em Seabra e municípios vizinhos.

E, em paralelo, atua como uma espécie de agitador cultural e tem se empenhado na luta pelo fortalecimento do PT na região, o que abrange as articulações para os encontros regionais. Daí o reconhecimento anunciado por Ivan Soares.
Ivan Soares, líder do PT em Nova Redenção e anfitrião do encontro

Ao falar para mais de uma centena de pessoas no encontro de Nova Redenção, Goiano relembrou resumidamente sua vida militante e apontou erros do partido nas diversas gestões a seu encargo, nos níveis municipal, estadual e federal:

“É preciso uma autocrítica, pois houve muitas falhas na ação do partido e de seus governos, sobretudo no tocante à organização do povo”, acusou. Erros que, na sua avaliação, desembocaram no golpe e ascensão das forças de extrema direita.

Levantou a bandeira ecológica e bradou contra a disseminação dos venenos na alimentação dos brasileiros (agrotóxicos) promovida pelo agronegócio, com o beneplácito inclusive de governos petistas. Defendeu então o fortalecimento dos agricultores familiares.

Acenou ainda para a necessidade de estímulos à participação da juventude nos movimentos sociais e para a prioridade de construir a sustentação da ação política através da organização popular. E não apenas – como predomina hoje nos maiores partidos de esquerda e centro-esquerda – nos processos eleitorais.

E Goiano é candidato a prefeito?

O fato mais curioso na trajetória recente do “militante político” de nome de batismo José Donizette, o popular Goiano, é que ele, apesar do seu profícuo ativismo junto ao PT – mesmo mantendo mil e uma restrições à sua prática -, não é filiado ao partido (nem a qualquer outro).

Nem se dispôs até hoje a se filiar, embora cobrado frequentemente por dirigentes petistas, em especial de Seabra (os exemplos mais notórios são Pedro Lima e Smitson Oliveira, da Executiva do PT/Seabra).

Daí que este fato insofismável – não filiação partidária – descarta qualquer possibilidade de que ele venha a ser candidato a prefeito de Seabra na próxima eleição, em 2020. Apesar dos rumores em sentido contrário que se ouvem nos quatro cantos da cidade e em zonas rurais, insistentemente. Aliás, desde eleições anteriores.

Até aqui em Salvador, muitas vezes amigos comuns me perguntam: “E aí, Goiano vai ser finalmente candidato a prefeito de Seabra?” Eu respondo: “Não sei, acho que não. Ele não é filiado a nenhum partido”.

PS: Com esta matéria - a quarta postada neste meu blog -, encerro a cobertura do V Encontro de Diretórios Municipais do PT da Chapada, realizado em Nova Redenção, no último dia 3.  

Um comentário:

Unknown disse...

Muito interessante o artigo, acredito que a analise toca em um ponto que algumas pessoas acabam aceitando as explicações quando Goiano justifica a sua posição, e não parte para uma discussão mais aprofundada da questão. Liderança é uma coisa construída ao longo do tempo e isto ele fez muito bem. Não adianta mais querer apresentar um ou outro como candidato para sente marcar posição, se quisermos fazer um trabalho politico sério e de poder temos que debate esta questão colocada no artigo.