Páginas

domingo, 25 de agosto de 2019

BOLSONARO VEIO PARA MUDAR? BRIGAR COM O SISTEMA, COM A GLOBO, COM O SUPREMO? E AS ESQUERDAS?

Jair Bolsonaro (Foto: reproduzida da Internet)

Então é Bolsonaro quem ataca Merval, Míriam, a Globo? E nós torcemos contra Bolsonaro? Ou seja, a favor do Merval, da Míriam, da Globo? Alguma coisa está errada: A INDIGÊNCIA DA OPOSIÇÃO RESULTA NA DEFESA DE INIMIGOS DO POVO.

Por Jadson Oliveira – jornalista/blogueiro – editor deste Blog Evidentemente

Há pouco tempo me chamou a atenção matéria com o jornalista Breno Altman, editor do site Opera Mundi, no Brasil 247. Título: BRENO ALTMAN: PARA TER FORÇA, A ESQUERDA PRECISA SER ANTI-SISTEMA.

Diz ele, por exemplo: "Se a esquerda quiser se enterrar ela defende a democracia liberal apodrecida e colapsada da Constituição de 88, porque é exatamente contra esse sistema político que se construiu maioria ao redor do Bolsonaro, e com razão porque esse sistema faliu”.

Continua: “Outra coisa são as liberdades democráticas, eu acho que a esquerda deve lutar com quem estiver disposto a cerrar fileiras pelas liberdades democráticas. Defender as liberdades democráticas não é a mesma coisa que defender o retorno ao regime político da Constituição de 88”.


Vi outro artigo do mesmo Breno, com o título: O PT COMO PARTIDO DA ORDEM QUE NÃO É SUA (no Viomundo – não me lembro se o li, é tanta coisa pra ler que a gente fica baratinado).

Me lembrei da primeira matéria citada – tinha guardado nos meus arquivos – ao ver a briga do presidente Bolsonaro com o jornalista do jornal O Globo, o famigerado Merval Pereira (um dos porta-vozes – dizem - mais reconhecidos dos Marinho – o outro, seria a Míriam Leitão), em torno da suposta palestra de 375 mil reais.

O presidente ameaçou, numa iniciativa realmente corajosa e inovadora: só dará entrevista a jornalista que ouse falar da tal suposta palestra de Merval, supostamente paga pelo Senac.

Pensei: então é o Bolsonaro quem ataca o Merval, a Míriam, enfim, a Globo? E nós torcemos contra Bolsonaro? Ou seja, a favor do Merval, da Míriam, da Globo, enfim, da venal mídia hegemônica?

Aliás, outro dia aí o Bolsonaro barrou, para uma entrevista coletiva, jornalistas que representariam os meios de comunicação: TV Globo, Globonews, jornal O Globo, Rádio CBN, Valor Econômico, Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL.


Então é também o Bolsonaro quem ataca o STF, ministros do Supremo, Gilmar Mendes, etc? Um dos filhos já chegou até a dizer que bastam um cabo e um soldado para fechar a suprema Corte!

E nós torcemos contra Bolsonaro? Ou seja, a favor daquela coisa que chamamos Supremo, que esperou um tempão (uns seis meses, não?) para defenestrar o Eduardo Cunha da presidência da Câmara, esperando ele votar o impeachment da Dilma?

Que está esperando – conforme penso – o Guedes e o capital financeiro aprovarem a pauta prioritária dos golpistas – reforma da Previdência, reforma tributária, completar a destruição das políticas públicas populares, acabar o que resta dos direitos trabalhistas?

E o que mais? Que os fazendeiros, madeireiros e empresas de mineração acabem de destruir a floresta amazônica? Que acabem totalmente com a raça do que resta dos nossos indígenas? E o que mais?

Esperando para que? Esperando completar a pauta neoliberal para que descubram que o Lula foi condenado num processo fraudulento?

Por falar no STF, outro dia aí as centrais sindicais (e mais entidades de peso da chamada sociedade civil) fizeram um manifesto em defesa desses tão impolutos quanto impopulares juízes supremos. Com direito, na entrega, a sessão especial festiva.

A Suprema Corte é insubstituível para o país e é dever de todos a sua defesa, pois, sem ela, nenhum cidadão está protegido”. Uma belezura, não?

Alguma coisa está errada. Quando as esquerdas vão conseguir se comunicar com as camadas populares, com os trabalhadores? (não com os sindicatos nem com os partidos ditos dos trabalhadores, mas com os trabalhadores). O bolsonarismo (ou coisa que o valha) vem conseguindo.

Vamos ficar dependentes da liderança carismática do Lula para falarmos alguma coisa que o povo entenda?

Outro dia, tive uma inspiração quiçá brilhante de escrever um artigo quiçá arrasador, quiçá histórico. Escrevi o título (e ficou somente no título): A INDIGÊNCIA DA OPOSIÇÃO RESULTA NA DEFESA DE INIMIGOS DO POVO. É a questão das alianças?


Que tal? Na maioria das vezes, eu penso que não entendo nada de política. Tudo que espero, prevejo (é simples torcida, né? aquela coisa do wishful thinking – pensamento desejoso), dá tudo errado.


Mas, raras vezes, eu penso desafiadoramente: que nada! eu devo ser um daqueles gênios incompreendidos. Não deixa de ser um delírio inspirador, mesmo que seja para escrever um arrazoado assim recheado de perguntas.


Um comentário:

Unknown disse...

Oi Militão. Realmente, de há muito precisamos sacudir as esquerdas. Suas questões precisam ser respondidas. Elas nos fazem pensar. Parabéns pelo brilhante artigo. Grande abraço. Militão.