Páginas

terça-feira, 30 de julho de 2019

OLÍVIO EXALTA A POLÍTICA, MAS POLÍTICA ONDE O POVO É SUJEITO E NÃO OBJETO

Olívio Dutra (Fotos: Smitson Oliveira)

O ex-governador gaúcho defendeu em Salvador uma reciclagem do PT: os governos petistas construíram políticas públicas, mas não tocaram nas estruturas de poder. “As reformas foram ficando só no discurso – é evidente que tem de haver uma autocrítica”, disse.

Por Jadson Oliveira – jornalista/blogueiro – editor deste Blog Evidentemente

Numa época em que a política foi duramente criminalizada – a política, os políticos e, em especial, os petistas, chamados até de “petralhas” -, o ex-governador do Rio Grande do Sul, Olívio Dutra, um dos fundadores do PT, fez em Salvador uma veemente exaltação do fazer política: só através dela podemos mudar este mundo prenhe de injustiça e desigualdade.

Foi no último sábado, dia 27, no auditório do Sindae (nos Barris), para uma plateia de 250 pessoas, a maioria “jovens” de 60/70 anos, mas também com a presença alvissareira de algumas dezenas de jovens (sem aspas). O outro palestrante foi o economista baiano José Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobras.

Olívio defendeu uma política feita com o povo (e não para o povo). Ou seja, um tipo de política com plena participação popular, como de fato praticou, com mil e uma dificuldades, quando prefeito de Porto Alegre (1989/92) e governador do estado (1999/2003).

“Temos que atuar de baixo para cima, todos nós temos que ser sujeitos e não objetos da política, tudo que vem de cima para baixo é para piorar”, pregou ele, que foi também ministro das Cidades do ex-presidente Lula e, na década de 1970, em plena ditadura militar, presidente do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre.

Mostrou passo a passo na história que, ao contrário, tudo no Brasil vem sendo feito de cima para baixo, em proveito das elites e contra os interesses populares e nacionais. Falou dos 350 anos da escravidão negra, da fase do império, do extermínio na Guerra do Paraguai, da proclamação da República com os “republicanos escravocratas”, da imigração dos europeus para o “branqueamento” dos brasileiros, da Revolução de 1930 e da formação dos sindicatos e da CLT.
José Sérgio Gabrielli e Olívio Dutra, os dois palestrantes

Auditório do Sindae ficou superlotado: em torno de 250 pessoas

Ex-deputado constituinte em 1988, lembrou como as reformas estruturais foram sendo abandonadas. E já falando do período dos governos petistas, com a dependência da formação de maiorias no Congresso, em busca da “governabilidade”: o sistema tributário injusto foi mantido, não se fez a reforma agrária, nem a reforma política, nem a judiciária, o orçamento da União foi estilhaçado com as emendas parlamentares.

(Acrescento como contribuição deste repórter: não foi feita – nem sequer tentada – a tão falada regulamentação da mídia. A população ficou desarmada diante do bombardeio diário das campanhas anti-populares e anti-nacionais, promovidas pela Rede Globo e demais comparsas dos monopólios midiáticos. Campanhas, nos últimos anos, supostamente de combate à corrupção, em conluio com a Lava Jato e o Judiciário).

A metáfora da enxada (o PT precisa ser afiado)

Palavras de Olívio: “Um partido é como um instrumento. Uma enxada, por exemplo: o agricultor não vai para o eito com uma enxada enferrujada, sem o fio ou com dentes no fio. A nossa enxada tocou em toco, em pedra, então o fio dela pode estar precisando ser afiado. Precisamos afiar o fio dessa nossa ferramenta. E a enxada não pode estar frouxa no cabo. Se está frouxa temos de colocar uma cunha, uma cunha nova pra apertar bem a folha. O agricultor não vai para o eito com a enxada numa mão e o chimarrão na outra (pra usar no caso o gaúcho). Ele vai segurar o cabo da enxada com as duas mãos. A nossa ferramenta tem de estar bem firme nas nossas mãos e tem de estar permanentemente sendo afiada, porque ela vai topar terrenos pedregosos, perigosos, de toda ordem, porque não vamos achar sempre o terreno ideal. Vamos cuidar da nossa ferramenta e ela tem de estar nas mãos das bases”.

(Enquanto Olívio Dutra deu seu recado militante, Sérgio Gabrielli deu subsídios para a militância compreender a realidade concreta na qual vai atuar. Mas esta parte será objeto duma próxima matéria).

Mais palavras de Olívio (até hoje, aos 78 anos, militante político):

“Nós criamos o Ministério das Cidades e nunca se falou da reforma urbana”.

“Não mexemos nas estruturas fundamentais do Estado brasileiro: nas esferas federal, estaduais e municipais, e nos três poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário”.

“Se diz que para mudar as coisas precisamos dum cara bom, como o Lula. Não, não é assim que a coisa funciona. Temos de fazer uma reflexão de como atuar numa realidade adversa como a de hoje, mais adversa do que aquela da ditadura, onde estava claro quem era o inimigo, o adversário. Agora não, agora a realidade é muito mais complexa, cheia de meandros, coisas que se disfarçam, que enganam. O que temos de fazer? Fazer, por exemplo, como estamos fazendo aqui. Temos que aprender uns com os outros”.

“A estrutura tributária brasileira é pesada, mas é muito mais injusta do que pesada. Num país como o nosso, ela tem que servir também como um elemento distribuidor de renda. A reforma tributária que vem aí (no governo Bolsonaro) não se pode nem pensar nisso. A que apresentamos (no governo Lula), que tinha sido discutida com os movimentos sociais populares – claro que a discussão deveria ter sido muito mais ampliada -, foi sendo abandonada, pois desagradava a nossos aliados. A reforma agrária, que era necessária, urgente – nós a tínhamos no nosso discurso -, foi ficando como na Constituinte. Ficou para o Judiciário resolver. O Judiciário e não a luta social, o interesse social”.

“Eu não tenho a pretensão de responder ‘o que fazer?’ (conforme perguntas feitas em intervenções da plateia). Meu caminhãozinho não tem capacidade para tanta areia. Mas é evidente que não dá pra fazer o que vínhamos fazendo. É evidente que tem de haver uma autocrítica. Mas autocrítica não é dizer que o culpado é Fulano ou Beltrano, e sim avaliar a experiência do nosso partido e também das forças de esquerda com as quais compomos”.

“A democracia não é uma receita pronta e acabada, é uma obra aberta para ser aperfeiçoada. Temos que qualificá-la, ampliando a participação consciente e cidadã, e o controle público sobre o Estado. O Estado não é propriedade dos governantes, dos seus partidários, dos seus familiares, dos seus financiadores de campanha. O Estado Democrático de Direito só pode acontecer na medida em que o povo está controlando a máquina pública, a qual está sempre em disputa”.

“O Estado brasileiro continua sendo uma espécie de propriedade privada das elites”.


Os palestrantes com os organizadores do evento: Goiano (José Donizette), Valdimiro Lustosa e Osvaldo Laranjeira
“A luta democrática para nós é fundamental, a luta pela liberdade do Lula é uma luta democrática. Não porque é o Lula, mas porque ele é a representação de um projeto coletivo, solidário. Temos muita luta a fazer: conscientização, mobilização e reforço das organizações populares”.

“Não vendo a ilusão de que vamos sair disto que temos hoje e cair no socialismo. Não há condições para isso. Mas eu sou socialista, cristão, marxista... imagina o que é isso: talvez não um bom cristão, nem um bom socialista, mas sou um lutador social que está sempre disposto a aprender e, junto com outros, construir um mundo de solidariedade e fraternidade, que é um mundo que não cabe no capitalismo, é um mundo a ser feito”.

“O ser humano não se realiza se não se realizar na sua dimensão política. Ser político, portanto, não é ter um cargo, um mandato executivo, legislativo. Evidente que como partido precisamos eleger representantes para nos representar, não para nos substituir, e gente séria”.

“Ser político é da natureza do cidadão, do ser humano. Quando a gente nasce, o parteiro (ou a parteira) dá um tapa na nossa bunda e a gente grita, chora, porque a gente está saindo de um mundo e entrando num outro mundo, somos políticos até na hora que estamos nascendo”.

“Ocorre que a gente não se assume como político e acaba sofrendo a política dos outros, inclusive dos nossos partidos de esquerda. Partidos centralizados, decidem as coisas de cima pra baixo. O PT surgiu criticando essas coisas, mas às vezes a gente diz uma coisa e pratica outra”.

3 comentários:

Joana D'Arck disse...

Debater, discutir e refletir pra encontrar alternativas ao grave momento que vivemos é fundamental. Iniciativas como essa são muito importantes e os companheiros organizadores e apoiadores desse encontro estão de parabéns. As palestras com Sérgio Gabrielli e Olívio Dutra foram bastante esclarecedoras e estimulantes para continuarmos na luta. Precisamos entender e refletir, com tambem é urgente a necessidade de mobilização popular para determos essa onda de retrocessos no país. #LulaLivre #impeachmentdebolsonaro

Joana D'Arck disse...

*como também é urgente...

Ananindeuadebates disse...

Verdade, Joaninha! Rui Baiano Santana