terça-feira, 13 de outubro de 2015

FERNANDO BRITO, NO TIJOLAÇO: FINALMENTE, ALGUÉM PARA EDUARDO CUNHA

(Ilustração: Tijolaço) 

Até agora, o país vinha assistindo horrorizado a liberdade completa de ação de alguém que, comprovadamente, está enfiado até a medula na apropriação pessoal de dinheiros públicos.


Por Fernando Brito, no seu blog Tijolaço, de 13/10/2015


A decisão – dupla, em dois pedidos diferentes – dos Ministros Teori Zavaski e Rosa Weber (os despachos de cada um estão nos links), atendendo, respectivamente, a pedidos dos deputados Wadih Damous (PT/RJ) e Rubens Pereira e Silva Junior (PC do B/MA) e determinando a suspensão das “regras” baixadas solitariamente por Eduardo Cunha para levar em frente a pantomima armada com o PSDB, para fingir que recusa e, com um recurso, aceitar a abertura do processo de impeachment, é o primeiro ato concreto que se pratica para deter a louca cavalgada de um homem completamente desmoralizado moralmente para julgar a honradez de quem quer que seja.

Porque, até agora, o país vinha assistindo horrorizado a liberdade completa de ação de alguém que, comprovadamente, está enfiado até a medula na apropriação pessoal de dinheiros públicos.

Pior, o “acerto” entre ele e os “campeões da moralidade do tucanato”, que chegaram ao cúmulo de “exigir” de “brincadeirinha” seu afastamento da Presidência da Câmara, como revela – infelizmente só lá no final da matéria, como se isso fosse a coisa mais normal do mundo -, a Folha de S. Paulo:

O acerto entre o peemedebista e a oposição mostra que as duas partes continuam agindo de forma casada nos bastidores, apesar das acusações que pesam contra Cunha na operação Lava Jato. A oposição chegou a soltar uma nota pedindo o afastamento do presidente da Câmara, mas os termos foram acertados previamente entre ele e os líderes dos partidos adversários de Dilma.

Nenhum comentário: