segunda-feira, 14 de setembro de 2015

EM EVENTO NA FRANÇA, SÃO DESTACADAS INTENÇÕES DE “GUERRA ECONÔMICA” CONTRA A VENEZUELA

(Foto: Prensa Latina)
Ao intervir no debate, Bernard Cassen, professor emérito da Universidade Paris VIII, referiu-se às pressões exercidas historicamente pelos Estados Unidos contra América Latina, como a perpetração de golpes de Estado, a aprovação de leis extraterritoriais e outras formas de agressão.

Da agência Prensa Latina, de 13/09/2015

Paris - A guerra econômica contra a Revolução Bolivariana da Venezuela procura deteriorar os mecanismos de integração existentes na América Latina, sublinharam hoje experientes no contexto da Festa de L’ Humanité.
Por isso, há que ter em conta a estratégia global dos Estados Unidos como potência imperialista e hegemônica, apontou durante um debate sobre o tema Rémy Herrera, especialista do Centro Nacional de Investigação Científica, da França.

Enfatizou que Washington procura socavar os mecanismos de integração existentes na América Latina, como a Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (Alba) e a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac).

A situação de desestabilização na Venezuela, promovida desde o exterior, tenta desestabilizar a Revolução Bolivariana e atiçar os confrontos entre esse país e alguns de seus vizinhos, como Colômbia, sublinhou.

Herrera referiu-se à existência de uma organização em massa de fuga de alimentos e o incentivo do contrabando através da fronteira entre ambas nações. Aproximadamente 30% dos produtos alimentares importados pela Venezuela terminam em contrabando, exemplificou.

O pesquisador recordou que na medida em que se radicalizou a Revolução Cubana, se recrudesceram as agressões econômicas dos Estados Unidos contra esse país. A seu julgamento, algo similar sucederá com o processo bolivariano, pelo que considerou necessário permanecer lúcidos com relação à natureza dessa guerra econômica.

O processo bolivariano é apoiado pelo povo porque beneficia-se de lucros em matéria de saúde, educação e alimentação, acrescentou.

Ao intervir no debate, Bernard Cassen, professor emérito da Universidade Paris VIII, referiu-se às pressões exercidas historicamente pelos Estados Unidos contra América Latina, como a perpetração de golpes de Estado, a aprovação de leis extraterritoriais e outras formas de agressão.

Washington acha que pode utilizar qualquer método para conseguir seus objetivos e agora Venezuela está no colimador, manifestou.

A Festa de L’ Humanité, que tem lugar no parque departamental Georges Valbon aledaño a esta capital, conclui hoje depois de três dias de um intenso programa.

Nenhum comentário: