domingo, 9 de agosto de 2015

QUEM TEM REALMENTE O PODER COMEÇA A DESCARTAR O “FORA DILMA” (Ato 3)

Trabuco e Lázaro Brandão compraram o HSBC e querem trabalhar em paz, viu, Gilmar? (Foto: Conversa Afiada)
Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco: “O Congresso tem contribuído para buscar soluções ou apenas tumultua o ambiente e cria desgastes para o governo? (...) O capital que está investido aqui pode dar um retorno maior e mais seguro que em outros países. Mas precisamos botar isso para funcionar”.

Reproduzido do blog Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim, de 08/08/2015 (o título e o destaque acima são deste blog)

TRABUCO DO BRADESCO: VAMOS ACABAR COM ESSE FURDUNÇO!

Não desprezar a base da pirâmide. O Bradesco acredita na mobilidade social
Aos que embarcaram no furdunço do Golpe e do impitim (são a mesma coisa), valeria a pena meditar sobre as sensatas palavras do Trabuco:

Na Fel-lha, entrevista com Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco:


http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/228777-vamos-ter-que-consertar-este-aviao-em-pleno-voo.shtml

A crise política é mais forte que a própria crise econômica. Isso abala a confiança e retarda a retomada. Todos os participantes desse processo – políticos, Executivo, autoridades – têm de pensar grande. Precisamos ter a grandeza de buscar a convergência.

O Congresso tem contribuído para buscar soluções ou apenas tumultua o ambiente e cria desgastes para o governo?

Eu tenho dificuldades, até pelo meu escopo de trabalho, de opinar sobre determinadas atitudes do momento. Mas precisamos sair desse ciclo do quanto pior, melhor. Melhor para quem? Para o Brasil, não é. As pessoas precisam ter a grandeza de separar o ego pessoal do que é o melhor para o país.

(…)

Mas essa é uma inflação corretiva, que está equacionando uma diferença de preços e tem prazo para acabar. A política monetária foi executada. Nós trabalhamos com um PIB extremamente modesto, fraco até junho do ano que vem. Depois tem a retomada. Mas essa retomada será puxada pelos investimentos em infraestrutura.

(…)

O Bradesco, que é conhecido como um banco popular, passa a ser o maior do país em clientes de alta renda com a compra o HSBC. Isso não pode descaracterizar a instituição?

A segmentação de clientes existe para reconhecer pela renda a evolução social que o Brasil teve e vai continuar a ter. Se desprezássemos a base da pirâmide, perderíamos nosso projeto histórico, que acredita na mobilidade social. Queremos ser eficientes para todos os clientes.



No Globo: http://oglobo.globo.com/economia/negocios/a-pasmaceira-tem-um-custo-para-sociedade-diz-luiz-carlos-trabuco-17128130

(…)

Mas há o chamado dissenso entre os órgãos do governo e o Legislativo, que parece retardar um pouco esse processo. Agora, a sua retomada é inevitável. Uma pesquisa da KPMG desta semana, sobre o humor dos investidores, mostra que o Brasil está entre os três países de preferência, porque os bônus que oferece são concretos para um mundo que está atrás de taxas de retorno. Então, o capital que está investido aqui pode dar um retorno maior e mais seguro que em outros países. Mas precisamos botar isso para funcionar. A pasmaceira tem um custo, e o custo é diluído para toda a sociedade, mesmo para aqueles setores sociais que nada têm a ver com os dissensos que estão acontecendo.

(…)

O que o sistema bancário mais deseja é que o país e a economia funcionem dentro de bases sustentáveis para construirmos o longo prazo. É evidente que a curto prazo há dificuldades, e não vamos comemorar esse PIB em recessão. O que temos de fazer é criar as pontes necessárias entre o Estado e a sociedade para que se construa uma avenida de crescimento. E o apoio para a convergência a uma serenidade no trato disso é muito importante. Os problemas econômicos se resolvem, porque são matematização de certas variáveis que podem ser consertadas. Mas os problemas políticos, não. Eles são de ideias, de ideologia, de postura. É uma energia usada para provocar calor, e hoje o país precisa de energia para provocar luz.

Nenhum comentário: