segunda-feira, 29 de junho de 2015

LAUDATO SI: “EVITAR QUE FIQUE ESQUECIDA” – POR WASHINGTON URANGA

Os Cristãos para o Terceiro Milênio propõem “colocar em prática as ideias centrais da encíclica” (Foto: Página/12)
Apoio à encíclica do Papa sobre o meio ambiente no planeta: Cristãos para o Terceiro Milênio, um grupo envolvido numa perspectiva progressista na Igreja Católica, advertiu sobre o intento dos setores mais conservadores de diluir a integralidade da mensagem social que implica a encíclica do papa Francisco.
(No artigo ‘A encíclica verde, um chamado contra os poderes econômicos’, Washington Uranga diz que Bergoglio critica o modelo capitalista consumista e responsabiliza os poderes econômicos e os países desenvolvidos por grande parte dos desastres ecológicos. Link para ler, em espanhol, no Página/12)
Por Washington Uranga (jornalista e estudioso da comunicação) – no jornal argentino Página/12, edição impressa de 26/06/2015

O grupo Cristãos para o Terceiro Milênio, que integram entre outros Hernán Patiño Mayer, Alicia Pierini, Ana Cafiero, Rodolfo Brardinelli e Felipe Solá, deu a conhecer uma declaração de firme respaldo à recente Carta Encíclica Laudato Si do papa Francisco, assinalando que ao mesmo tempo que “recebe com esperançosa alegria” o documento, pede “evitar que a encíclica seja, como ocorrera com outros documentos, elogiada da boca para fora, mas de fato, combatida e esquecida”. Sem fazer expressa menção a ninguém, o grupo de cristãos identificados com diferentes posições políticas, trajetórias acadêmicas e profissionais, embora todos eles envolvidos numa perspectiva progressista na Igreja Católica, adverte sobre o intento dos setores mais conservadores de diluir a integralidade da mensagem social que implica a encíclica do papa Bergoglio.
Por isso Cristãos para o Terceiro Milênio assinala que a carta papal Laudato Si “de nosso Padre Francisco sobre o cuidado da casa comum, aborda o problema global da humanidade que nos últimos 200 anos se dedicou a maltratar as pessoas e o ambiente, e propõe que todos assumamos com urgência um explícito compromisso pessoal e coletivo com as imprescindíveis transformações que a gravidade da situação reclama”.
O grupo sustenta que o documento papal “marca a imperiosa necessidade de se refletir sobre a tragédia que está ocorrendo” e afirma que este fato “nos põe frente à urgência de promover uma corajosa revolução cultural que suponha o abandono da indiferença diante do drama humano e ambiental, e a construção duma solidariedade universal nova, agora mesmo e em todo o planeta”.
O texto agrega que “este sistema econômico acumula um duplo fracasso: globalizou a pobreza e também globalizou a indiferença frente aos milhões de pessoas pobres que não têm acesso à água potável, aos alimentos, ao trabalho digno e padecem mortes e doenças evitáveis: o gemido da irmã Terra se une ao gemido dos abandonados do mundo”. No documento, que também leva a assinatura de Alicia Ladrón de Guevara, Cacho Bruno, Rodolfo Briozzo, Luis Miraldi, Juan Manazzoni, Cristina Domeniconi e Rogelio Ponsard, resgata um dos parágrafos mais críticos da encíclica sobre o sistema econômico e financeiro mundial. Ali o Papa diz que “os poderes econômicos continuam justificando o atual sistema mundial, onde primam uma especulação e uma busca da renda financeira que tendem a ignorar todo contexto e os efeitos sobre a dignidade humana e o meio ambiente” (Laudato Si núm. 54).
E reafirmando também o dito por Francisco sublinha que, reconhecendo que “somos uma só família humana”, é preciso levar em conta que “não há duas crises separadas, uma ambiental e a outra social, mas uma única e complexa crise sócio-ambiental”.
Por tal motivo, os Cristãos sustentam que é necessário encarar “uma tarefa difícil e urgente que deve se constituir a partir de hoje num compromisso irrenunciável para todos os cristãos e para todas e cada uma das organizações e estruturas que formam a Igreja” e propõem que “todas as organizações laicas independentes e toda a Igreja mesma, com suas estruturas religiosas, laicas e educativas, comecemos já uma ampla e permanente tarefa de difusão, aprofundamento e colocação em prática das ideias centrais da encíclica”.
Sem deixar de advertir que o que importa é “erradicar o maltrato, a depredação e a violência sobre as pessoas e o ambiente, naturalizados pelo modelo hegemônico de produção atual, e lutar pelo surgimento duma nova cidadania respeitosa da vida, inclusiva e integradora à imagem e semelhança de como Deus nos criou”.

Tradução: Jadson Oliveira

Nenhum comentário: