quarta-feira, 10 de junho de 2015

BRASIL: PROGRAMA DE HUMOR É QUE FAZ JORNALISMO "SÉRIO" SOBRE RACISMO. VEJA A QUE PONTO CHEGAMOS... (vídeo)



(Foto: reproduzida do Tijolaço)
Se esta gente não for exposta em sua crua brutalidade e absoluto ridículo, o transtorno cerebral será uma regra neste país.
Por Fernando Brito, no seu blog Tijolaço, de 10/06/2015
O bandido que protagonizou o famoso vídeo humilhando o frentista haitiano em Porto Alegre, finalmente, foi achado pela imprensa para explicar seu gesto.
Assim como, afinal, alguém perguntou quem era e o que sentiu aquele rapaz. Que aliás, dava aulas de matemática e trabalhava como pedreiro no sofrido e miserável país devastado por um desastre.
E a ironia é que isso foi feito por um programa famoso por fazer humorismo e gaiatices, mas que se portou com uma dignidade que a imprensa brasileira não teve.
Um editorial, sequer, condenando, se não são capazes de fazer reportagem.
O homem é um imbecil e segue usurpando a imagem, com seu uniforme camuflado e seus gritos de guerra roubados de nossas Forças Armadas, os nossos militares, foi encontrado por Juliano Dip, Marcelo Salinas, Fabricio Brito e Juliana Dantas.
Seria, a tivessem, de matar de vergonha as direções de “jornalismo sério” que não se interessaram em ouvir agressor e agredido.
Porque jornalismo é um serviço público e nem uma máquina neutra de registrar fatos puderam ser.
Aliás, é interessante a ideia do programa de ir atrás dos “haters”, pessoas que   postam comentários de ódio irracional na internet.
Porque se esta gente não for exposta em sua crua brutalidade e absoluto ridículo, o transtorno cerebral será uma regra neste país.
Assista o trabalho do CQC, a quem tantas vezes critiquei, ao qual não me constranjo em bater palmas.

Nenhum comentário: