quarta-feira, 15 de abril de 2015

RAMONET: “SE TODOS HOJE SOMOS JORNALISTAS, ENTÃO O QUE É SER UM JORNALISTA?

Jornalista e acadêmico Ignacio Ramonet, diretor do Le Monde Diplomatique em espanhol (Foto: Marco Salgado/El Telégrafo)
A imprensa escrita (jornais e revistas de papel) está em extinção. A maioria dos jornais está perdendo dinheiro. Hoje, praticamente, no mundo desenvolvido central, não há um jornal de imprensa escrita que não tenha enormes dificuldades.

Hoje há o 'prosumidor', que é produtor e consumidor. Não é somente consumidor, e sim, também, produtor. Ele sabe produzir informação e isso faz com que hoje não se saiba o que é um jornalista.

A televisão está vivendo o mesmo fenômeno; isto é, o desaparecimento das massas de audiência. Se você passa três ou quatro horas com suas redes sociais, é óbvio que você não está diante da televisão.

Esta é a quarta parte (divisão feita por este blog) da rica entrevista do jornalista e acadêmico Ignacio Ramonet, diretor do Le Monde Diplomatique em espanhol, ativista e estudioso do papel político exercido pelos meios de comunicação. Esta parte está concentrada na extinção do jornal e também na fuga de audiência da TV. A entrevista, feita numa recente visita de Ramonet ao Equador, foi matéria de capa do El Telégrafo, edição impressa de 23/03/2015, com a manchete: ‘Ramonet: Meios de comunicação substituem as forças conservadoras’. Este blog Evidentemente publicou a primeira parte em 24/março, a segunda em 29/março e a terceira em 07/abril.

Por Orlando Pérez e María Elena Vaca, do jornal equatoriano El Telégrafo (empresa pública), edição de 23/03/2015 (o título e os destaques acima são deste blog)

O jornalista e professor afirma que a maioria dos jornais está perdendo dinheiro pelo advento das novas formas de comunicação mediante a Internet. Ramonet afirma que alguns semanários que faz algum tempo tinham uma grande influência na sociedade, como nos Estados Unidos — Time, Newsweek —, desapareceram ou foram vendidos por um euro. “Estamos no fim duma era do jornalismo”, assegura.

Ignacio Ramonet vai direto ao ponto. Por isso sustenta que “a imprensa escrita está em crise” e assinala que há uma mudança de era neste campo. O diretor de Le Monde Diplomatique em espanhol acredita que há um “meteorito da Internet” que afeta os meios de comunicação tradicionais, esses dinossauros que atravessam graves problemas para se manterem. Em visita na semana passada a nosso país (segunda quinzena de março), deu algumas palestras e manteve vários encontros com políticos e jornalistas para conversar sobre os acontecimentos do mundo. 

Continuação:

Você tem um livro que se chama La explosión del periodismo (A implosão do jornalismo), como está se manifestando essa expansão de redes sociais, blogs, meios digitais, no exercício real e prático do jornalismo? Não acredita que pode ocorrer, paradoxalmente, uma incomunicação por saturação?

Meu último livro de comunicação essencialmente trata da crise da imprensa escrita. Quer dizer, como a imprensa escrita está sofrendo o impacto da Internet e das novas tecnologias da informação. Parto de uma constatação: hoje no mundo centenas de jornais — que ainda não faz muito tempo dominavam a opinião pública — desapareceram. Chamo isto a grande extinção, igualmente como na ecologia se fala de extinção de animais. Como quando houve um meteorito que caiu em Yucatán e pôs fim à era jurássica com o desaparecimento dos dinossauros, de igual maneira, o impacto da Internet provocou uma série de consequências que faz com que os ‘dinossauros’, os grandes grupos midiáticos de imprensa, estejam desaparecendo. Hoje, praticamente, no mundo desenvolvido central, não há um jornal de imprensa escrita que não tenha enormes dificuldades.
Que tipo de dificuldades?

Que tenham reduzido suas páginas, se sobreviveram, que tenham reduzido suas editorias, cortando milhares de trabalhadores. Neste momento, no mundo, há dezenas de milhares de jornalistas que foram despedidos. Um jornal como El País, da Espanha, despediu faz ano e meio 30% de seu pessoal duma só vez. A maioria dos jornais está perdendo dinheiro. Alguns semanários que faz algum tempo tinham uma influência radical na sociedade, como nos EUA, The Time, News Week, desapareceram ou foram vendidos por um euro. Estamos diante do fim duma era do jornalismo.

Alguns autores estadunidenses chamam o início do jornalismo pós-industrial?

A constatação é esta: onde antes havia alguns impérios midiáticos, baseados em particular na influência da imprensa escrita, hoje em dia há alguns vazios ou algumas ruínas e efetivamente porque a imprensa escrita ainda pertence ao mundo industrial. Por exemplo, aqui nos corredores deste jornal vi algumas fotografias que são tipicamente da era industrial: com rotativas, galpões, impressoras, uma classe operária vinculada diretamente, isso já não existe; isto é, isso desaparece na era do imaterial. Os aspectos industrial e material da imprensa escrita agora jogam contra ela, numa era na qual o imaterial se impõe. Partindo dessa constatação, a pergunta é: o que é o jornalismo hoje?, por um lado está essa interrogação, mas, por outro lado, há outro questionamento fundamental: o que é um jornalista hoje?

E o que é o jornalismo hoje?

Ao mesmo tempo em que ocorre esse desaparecimento massivo, essa extinção massiva de toda uma espécie de jornalismo, ao mesmo tempo está se produzindo o que poderíamos chamar uma mudança de era. Estamos vendo como surge uma nova geração de jornalistas porque agora se apresenta uma situação central: o que é o jornalismo? Na medida em que o jornalista ou o jornalismo perdeu o monopólio da informação. Numa sociedade, até agora, a informação era manejada pelos jornalistas.

E agora a informação está manejada pelos cidadãos?

Agora, todo o mundo a maneja e isso evidentemente é —estruturalmente — uma mudança enorme. Isso é, por sua vez, a realização dum sonho dos que pensaram numa democracia avançada, na medida em que é, teoricamente, uma democratização da informação. Por que me questiono: o que é a democratização da informação? Que todo cidadão possa produzir sua informação.

O prosumidor?

Sim, quer dizer o 'prosumidor', que é produtor e consumidor. Não é somente consumidor, e sim, também, produtor. Ele sabe produzi-la e isso faz com que hoje não se saiba o que é um jornalista. Se todos somos jornalistas, então o que é ser um jornalista? Onde está a especificidade, quero dizer. Se você e eu, as pessoas da rua são jornalistas, que tem de particular um jornalista?

Perdeu esse prestígio e essa autoridade que tinha?

Perdeu a autoridade, o monopólio da informação e também seu nível social, o status social. Mas isto não quer dizer que tudo isto se perdeu ao mesmo tempo em todos os países. Analisei como a televisão, cinco ou seis anos depois, está vivendo o mesmo fenômeno; isto é, o desaparecimento das massas de audiência. No caso da televisão o que hoje perde é a audiência, a audiência se vai. Nenhum canal de televisão no mundo tem hoje dezenas de milhões de telespectadores porque  desapareceram pela multiplicidade da oferta e das possibilidades de comunicar ou de lazer. Se você passa três ou quatro horas com suas redes sociais, é óbvio que você não está diante da televisão.


Tradução: Jadson Oliveira

Nenhum comentário: