quinta-feira, 30 de abril de 2015

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND: "ASSIM CAMINHA O PARLAMENTO BRASILEIRO"


Colunista fala das estranhas relações de deputados com os americanos 
E ainda aparecem parlamentares defendendo a redução da maioridade penal com argumentos do baú do senso comum.

Por Mário Augusto Jakobskind, do Rio de Janeiro - no Direto da Redação (Correio do Brasil), de 29/04/2015

Na Câmara dos Deputados dos dias de hoje tem de tudo, a começar pelo próprio presidente da Casa, Eduardo Cunha. Até mesmo parlamentares ditos “arautos da moralidade” se destacam com pronunciamentos de fidelidade a pátria…

São tantos, que ficaria difícil enumerá-los todos de uma vez. No momento vale registrar a presença do Deputado Heráclito Fortes, do PSB, quem diria, Partido Socialista Brasileiro.

Este parlamentar, segundo o site Brasil 29, é um dos políticos que já colaborou secretamente com o governo dos EUA, precisamente quando exercia a função de Senador pelo PFL.

Pois bem, Fortes, segundo ainda o Brasil 29, é citado em documento secreto da Embaixada dos Estados Unidos datado de 13 de novembro de 2007 e enviado à CIA (serviço de inteligência norte-americano), a NSA (Agência de Segurança Nacional) dos EUA e ao Departamento de Energia dos Estados Unidos.

Na condição de presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, o documento assinala que ele repassou informações sigilosas para Washington e instigou uma ação de intervenção mais dura no Brasil. “Vocês são crianças: você ignora o problema demoradamente e então é tarde demais”, disse Heráclito de uma forma tão enfática que essa parte do relatório recebeu do embaixador Clifford Sobel o título de “You are Children” (Vocês são crianças).

A informação do Brasil 29 assinala que Heráclito Fortes ligou para Clifford no dia cinco de novembro de 2007 e pediu um encontro urgente para tratar de uma questão “que não poderia ser discutida no telefone”.

Fortes encontrou com o embaixador naquele mesmo dia na parte da tarde e o encontro continuou na manhã seguinte. O Senador abriu o jogo, O político que hoje integra as fileiras do PSB demonstrou então “sinais preocupantes” de que o Brasil se aproximava da Rússia, do Irã, da Venezuela, aumentando a influência desses países na região, “mutuamente se reforçando”.

Heráclito Fortes, em suma, fazia exatamente o jogo que os estadunidenses queriam. No caso utilizando o seu cargo para prestar serviços ao governo do país que tentava – e ainda tenta – de todas as formas recuperar o terreno perdido na América Latina,

Embora as denúncias veiculadas pelo site Brasil 29 sejam de 2007, não será nenhuma surpresa se forem divulgadas informações mais recentes demonstrando os vínculos de parlamentares brasileiros com o governo dos Estados Unidos. Pode ser até uma questão de tempo o fato se repetir.

Assim caminha o Parlamento brasileiro, cuja parte dos integrantes tenta de todas as formas manter o financiamento empresarial. Será por quê?

E ainda por cima quando se acusa a intromissão dos serviços de Inteligência dos EUA, os acusadores são tachados de delirantes. Será?

Ah, sim, não se pode deixar de mencionar a existência da bancada da bala, que agora quer de todas as formas mudar a lei do desarmamento. Os defensores, que na verdade estão retribuindo favores aos financiadores de suas campanhas, no caso os fabricantes de armas, estão se esforçando para que seja aprovada essa mudança facilitadora de venda indiscriminada de armas.

No meio de tudo isso aparecem parlamentares defendendo a redução da maioridade penal com argumentos do baú do senso comum.

É preciso dizer mais alguma coisa?

Mário Augusto Jakobskindjornalista e escritor, correspondente do jornal uruguaio Brecha; membro do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (TvBrasil). Seus livros mais recentes: Líbia – Barrados na Fronteira; Cuba, Apesar do Bloqueio e Parla , lançado no Rio de Janeiro.


Direto da Redação é um fórum de debates, do qual participam jornalistas colunistas de opiniões diferentes, dentro do espírito de democracia plural, editado, sem censura, pelo jornalista Rui Martins.

Nenhum comentário: