quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

MÉDICOS CUBANOS CONTRA EBOLA NOMEADOS PARA O PRÊMIO NOBEL DA PAZ

Untitled
Brigada médica cubana proposta para o Prêmio Nobel da Paz de 2015 (Foto: Arquivo/LaInfo.es)
Durante a conferência anual de reunião do sindicato norueguês em Trondheim (norte), foi aprovado por unanimidade, propor um candidato para o Prêmio Nobel da Paz de 2015, o Contingente Internacional de Médicos Especializados em Situações de Desastres e Graves Epidemias Henry Reeve, de Cuba.
 

A embaixadora de Cuba lá, María Esther Fiffe Cabreja, destacou os feitos realizados pelos membros contingentes diariamente como “um trabalho abnegado, esses profissionais ganham reconhecimento, amor e respeito de milhões de seres humanos no planeta".
 

Fiffe Cabreja acrescentou que “em nome da vida e da Revolução, vidas são salvas e socorrer a milhões de pessoas em todo o mundo afetadas por desastres e epidemias, como no caso dos 256 profissionais de saúde que viajaram para a África ocidente para combater o Ebola".
 

O contingente (é denominado) Henry Reeve em homenagem ao jovem americano que morreu lutando pela independência de Cuba do colonialismo espanhol.
 

Backgrounder:
 

O governo cubano treinou 461 médicos e enfermeiros, que na Serra Leoa durariam cerca de seis meses.
 

O país caribenho foi o primeira a atender ao apelo da Organização Mundial da Saúde (OMS) para cobrir as necessidades de pessoal na região.
 

Durante a luta o cubano Felix Baez médico contratado Ebola enquanto ele estava na Sierra Leone, como parte da brigada especial veio a ajudar as pessoas infectadas por vírus. Ele foi transferido para Genebra (Suíça) em 20 de novembro após a Organização Mundial da Saúde (OMS) sugeriu que o médico deve ser transferido para um centro especializado em doenças altamente transmissíveis na cidade suíça.

Outros indicados para o Nobel da Paz:
 

Flemming Rose, dinamarquês, em 2005, publicou várias caricaturas de Maomé no jornal Jyllands-Posten.
 

Raef Badawi, blogger saudita.
 

Edward Snowden, ex-agente da Agência Central de Inteligência (CIA, por sua sigla em Inglês).
 

Papa Francisco.

Nenhum comentário: