domingo, 11 de janeiro de 2015

FRANCISCO GARCÍA, NA VENEZUELA: EMPRESA PARADA DEVE SER TOMADA E POSTA A PRODUZIR PELOS TRABALHADORES


Francisco García de la CBST
Francisco García, dirigente da Central Bolivariana Socialista dos Trabalhadores (CBST) (Foto: Aporrea)

No caso de paralisação por iniciativa patronal, os trabalhadores imediatamente devem tomar o controle da empresa e notificar o Ministério do Trabalho e a CBST, para que sejam tomadas as medidas pertinentes.

Por Prensa CBST - reproduzido do portal venezuelano Aporrea.org, de 10/01/2015


Diante da onda de rumores através das redes sociais fazendo chamamento para uma paralisação patronal, Francisco García, dirigente nacional da Central Bolivariana Socialista dos trabalhadores e trabalhadoras da Cidade, do Campo e da Pesca da Venezuela, fez um chamado aos trabalhadores venezuelanos para que se mantenham em calma, porém atentos para qualquer tentativa de paralisar o país.

García manifestou: que este país não o para ninguém e fez um chamado aos trabalhadores que no caso de que algum patrão pretenda paralisar a produção, unilateralmente, de sua empresa, os trabalhadores imediatamente devem tomar o controle da empresa e notificar o Ministério do Trabalho e a CBST, para que sejam tomadas as medidas pertinentes.

Neste sentido o dirigente sindical expressou que o Art. 149 é claro quando estabelece textualmente: "Nos casos de parada ilegal, fraudulenta de uma entidade de trabalho, ou devido a uma ação de paralisação patronal, se o patrão ou patroa se nega a cumprir com a Providência Administrativa que ordena o reinício das atividades produtivas, o Ministro ou Ministra do Poder Popular com competência em matéria do trabalho e segurança social poderá, por solicitação dos trabalhadores e trabalhadoras, e mediante Resolução motivada, ordenar a ocupação da entidade de trabalho fechada e o reinício das atividades produtivas, em proteção do processo social do trabalho, dos trabalhadores, das trabalhadoras e suas famílias".

Acrescentou que já se deram vários desses casos no país, nos quais se aplicou a lei, como por exemplo o caso de "La Beneficiadora de Aves Barquisimeto", do grupo SOUTO, localizada na povoação de Cordero, bairro Tamaca, no estado de Lara, e outro mais recente da empresa Clorox de Venezuela, que foi tomada pelos trabalhadores junto com as autoridades e posta a produzir com êxito, depois do fechamento patronal.

Finalizou fazendo um chamado ao setor produtivo no sentido de buscar os caminhos do diálogo e do entendimento; e não cair nos mesmos erros do passado, quando se realizaram paradas patronais e dos dirigentes petroleiros que causaram a perda de milhares de milhões de dólares, além dos danos humanos causados à população.

Tradução: Jadson Oliveira

Nenhum comentário: