quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

FÓRUM 21 DEFINE GRUPO EXECUTIVO E DIVULGA CARTA DE PRINCÍPIOS

reprodução
(Foto: Carta Maior)

Proposta é 'ampliar o nível de politização de uma sociedade que reivindica mais participação, ao mesmo tempo em que carece de canais de diálogo e reflexão'

PorRedação da Rede Brasil Atual - reproduzido do portal Carta Maior, de 14/01/2015

São Paulo – Em reunião realizada dia 13/01, em São Paulo, o Fórum 21 aprovou o grupo executivo encarregado de organizar textos, temas, seminários e livros para a produção e divulgação dos conteúdos que serão debatidos em seu âmbito.

Segundo a carta de princípios aprovada a partir de discussões por e-mail entre o final de dezembro do ano passado e o início deste mês, o Fórum 21 se propõe a ser um “espaço de convergência e debates em rede, horizontal, empenhado na conformação de sínteses programáticas que contribuam para a renovação do pensamento de esquerda no Brasil”. Ele foi instalado em 15 de dezembro. Segundo Igor Felippe, jornalista do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o fórum é um “grupo em construção”.

O grupo executivo é formado pelo próprio Felippe e por Altamiro Borges, do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, Rodrigo Vianna, do blog Escrevinhador, Anivaldo Padilha, cientista social e membro da Igreja Metodista (pai do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha), o economista Eduardo Fagnani, da Plataforma Política Social, Pedro Paulo Zahluth Bastos, professor de Economia da Unicamp, Paulo Salvador, diretor da RBA, e Joaquim Palhares, diretor da Carta Maior.

O grupo volta a se reunir na semana que vem.

Leia, abaixo, a versão definitiva da Carta de Princípios do Fórum 21:

"O resultado das urnas em 2014 não arrefeceu a disputa política no país. Ao contrário, intensificou a mobilização de setores conservadores empenhados em colocar as forças progressistas, democráticas e populares na defensiva.
 

A disposição da direita em promover o acirramento da luta ideológica e política convoca as forças da esquerda à mobilização para o debate e a ação. É preciso disputar hegemonia ideológica na sociedade. Para tanto, será imprescindível ampliar o nível de politização de uma sociedade que reivindica mais participação, ao mesmo tempo em que carece de canais públicos de diálogo e reflexão.
 

Cabe às forças progressistas começar pelo que é mais evidente: romper os limites do diálogo no seu próprio campo. A articulação para a troca de ideias daqueles que defendem a justiça social e a soberania popular é essencial à arregimentação de forças mais amplas para os embates que virão.
 

Cientes desse desafio, cidadãs e cidadãos brasileiros (abaixo assinados), reunidos em São Paulo no último dia 15 de dezembro, decidiram criar o Fórum 21: um espaço de convergência e de debates em rede, horizontal, empenhado na conformação de sínteses programáticas que contribuam para a renovação do pensamento de esquerda no Brasil.
 

O Fórum será composto por ativistas, partidos políticos progressistas e seus militantes, organizações populares, entidades da sociedade e por todos aqueles cidadãos e cidadãs que se disponham a ajudar na construção de uma plataforma comum que sirva aos avanços das conquistas sociais, ao alargamento da participação cidadã e à consolidação da democracia no Brasil."

Nenhum comentário: