domingo, 16 de novembro de 2014

FERNANDO BRITO: O QUE MUDA UM PAÍS É A POLÍTICA, NÃO A POLÍCIA

dita
(Foto: reproduzida do Tijolaço)
Se a direita e a mídia já fizeram algo no Brasil foi, sem dúvida, acabar com a democracia, não com a corrupção.

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço, de 16/11/2014

A Presidenta da República só terá razão quando diz, como fez ontem na Austrália,  “que o escândalo da Petrobras mudará para sempre a relação entre a sociedade brasileira, o Estado brasileiro e a empresa privada”, se servir para não apenas imputar as responsabilidades a servidores públicos e empresários envolvidos em falcatruas, mas para mudar as estruturas políticas necessária e convenientemente corrompidas da política brasileira.

Afinal, em matéria de escândalos, tivemos vários. E não é apenas porque, como no governo Fernando Henrique, a investigação sobre eles foi bloqueada ou engavetada que eles mudaram a política brasileira.

Ou alguém pode imaginar escândalo que tenha provocado efeitos maiores que a deposição de um presidente, como aconteceu com Collor?

A batalha a travar é pelo que não foi mudado em nada – a não ser para pior – nas relações políticas que levaram àquela situação e a outras, muitas outras, que não são a exceção, mas a regra do manuseio das instituições político-partidárias neste país.

A Presidenta Dilma está correta quando fala que é preciso investigar, sem seletividade e com transparência, a tudo e a todos neste caso, com interesse e foco na busca da verdade.

Durante meses, porém, o foco foram essencialmente os efeitos políticos, com vazamentos de trechos ou versões dos depoimentos que pudessem produzir efeitos eleitorais. Espetaculares, aliás, como o “eles sabiam de tudo” com que a Veja pautou toda a imprensa nos dias finais do pleito e transformou-se, ela própria, num panfleto de boca de urna.

Nada mais eloquente sobre isso do que o fato de, só agora, terem sido liberadas transcrições integrais dos depoimentos e acusações, nas quais, aliás, fica o distinto público sabedor que Alberto Yousseff foi pago pela intermediação de negócios envolvendo a Light e a Cemig, sua controladora, durante o período em que Aécio Neves governou Minas.

Negócios obscuros entre empresas e a administração pública não são, propriamente, nenhuma novidade.

Novidade seria se o caso trouxesse o que é indispensável para um saneamento da vida brasileira que jamais ocorreu com os outros – nada pequenos – episódios de corrupção: uma reforma política que desvencilhe ao máximo o processo eleitoral do poder econômico.

A isso, porém, a sanha moralizadora não ataca.

O guardanapo na cabeça de Sérgio Cabral no festim da Delta em Paris é mais escandaloso do que ele ver um rapaz, seu filho, com sete milhões de reais oficialmente gastos numa campanha eleitoral.

O ínclito Eduardo Cunha é sagrado como “grande esperança” oposicionista, mesmo sabendo de um histórico que vem de suas relações com PC Farias.

Não é possível mudar o Brasil simplesmente trocando os ocupantes do sofá político. Neste caso, a mudança não se dará, como já provaram os fatos, com a troca das pessoas que se aboletam no conforto do dinheiro que vira voto e do voto que não se conquista sem dinheiro.

Se o governo Dilma quiser, como diz a presidente, não deixar “pedra sobre pedra” em matéria de corrupção, como o país quer e exige, não há desafio maior que a reforma política.

E essa será combatida pelos que se penduram no moralismo seletivo, onde o que menos importa é eliminar a corrupção, mas os que se envolveram e, sobretudo, os que se conseguir envolver, com os métodos mais inescrupulosos, com ela.

Se a direita e a mídia já fizeram algo no Brasil foi, sem dúvida, acabar com a democracia, não com a corrupção.

Nenhum comentário: