quinta-feira, 13 de novembro de 2014

BRASIL: ATO CONTRA A DIREITA REÚNE MAIS DE 10 MIL EM SP




A PM de SP estimou que havia mais de 10 mil pessoas na manifestação. Os manifestantes estimaram mais de 15 mil (Foto: reproduzida de O Cafezinho)


Movimentos sociais convocaram ato contra a direita e contra elite.

Grupo protesta contra ‘ataques da elite paulistana’.

Do G1 São Paulo

Reproduzido do blog O Cafezinho, de Miguel do Rosário, postado em 13/11/2014

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e de movimentos sociais bloquearam (no final da tarde e início da noite desta quinta-feira, dia 13) a Avenida Paulista em protesto contra a direita e a favor de reformas populares.

Desde volta das 17h30, o grupo lotava o vão livre do Masp. Às 19h, os manifestantes começaram a caminhada que bloqueou todas as faixas no sentido Consolação. Cerca de 15 minutos depois, o grupo desceu a Rua Augusta, em direção aos Jardins.

Segundo o coronel Glauco, da Polícia Militar, que acompanha o protesto, cerca de 10 mil pessoas participavam do ato. O coronel diz que o ato deve seguir pela Avenida Rebouças, Consolação e ser encerrado na Sé.

De acordo com o MTST, o ato é “em resposta aos ataques da elite paulistana aos movimentos organizados e ao povo nordestino” verificados após o encerramento do segundo turno das eleições.

A ex-candidata do PSOL à Presidência, Luciana Genro, também participou do ato na Paulista. “Vamos enfrentar a direita nas ruas, mas vamos enfrentar o governo se ele quiser fazer ajuste”, afirmou.

Momentos antes, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, também havia dito que a central não vai aceitar “banqueiro” no Banco Central.

O coordenador do MTST, Guilherme Boulos, disse que a manifestação é resposta à “playboyzada dos Jardins”. “Teve uma turma aqui na Paulista dizendo que o povo devia ser reprimido por uma intervenção militar. Era uma meia dúzia, uma playboyzada dos Jardins, que, porque o titio Aécio perdeu a eleição, ficaram bravinhos”, disse.

O presidente da CUT foi na mesma linha: “não venham os coxinhas querer o terceiro turno”. Os organizadores também cobram da presidente Dilma as reformas populares que prometeu, entre elas a reforma política, a reforma tributária e a reforma agrária.

Pauta ampla

A coordenadora nacional do MTST, Ana Paula Ribeiro, diz que os outros movimentos compareceram porque a pauta é extensa. “Estamos reivindicando reformas estruturais de base: reformas política, agrária, urbana, tributária e das comunicações”, disse Ana Paula.

O evento estava previsto para começar às 17h, mas o grupo adiou o início da caminhada por causa da chuva forte que caía na região da Avenida Paulista.

Grupo rebate ato contra Dilma

Um dos objetivos dos movimentos sociais é rebater a manifestação realizada no sábado (1º) que reuniu cerca de 2,5 mil pessoas na Avenida Paulista contra o resultado das eleições e pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff. O cantor Lobão, que tinha prometido deixar o país em caso de vitória do PT, esteve no evento.

Nenhum comentário: