quarta-feira, 27 de agosto de 2014

VELAME VIVO, O RETORNO: BUSCANDO A JUVENTUDE





Cantador pernambucano Maviael Melo (Todas as fotos: Smitson Oliveira)
Presença na praça de grupos representativos dos jovens seabrenses
“Este movimento é de vocês, jovens de Seabra, somente com o protagonismo de vocês tem sentido a volta do Velame Vivo”, discursou Goiano.


De Salvador (Bahia) – Depois de dois anos da morte anunciada – e com uma bagagem acumulada nos oito anos de lutas e serviços culturais e políticos -, o Projeto Velame Vivo, movimento social da Chapada Diamantina, interior da Bahia, está de volta, rebatizado: Associação Cultural Velame Vivo. O retorno oficial deu-se no dia 8 de agosto, em Seabra, no miolo da Chapada, a 460 quilômetros da capital, numa sexta-feira, retomando com mais uma Cesta Cultural, tipo de evento que vinha se destacando em suas últimas atividades.

Basicamente seria a retomada do sonho de alguns jovens seabrenses, sonhado primeiro em Velame, distrito de Seabra, e espraiado especialmente pela sede, e também para municípios vizinhos. Mas com um novo e fundamental ingrediente: a busca da participação mais efetiva da juventude.

Foi esse o principal apelo das lideranças do movimento, na praça do Correio, centro velho da cidade, em especial do mais destacado membro da coordenação, José Donizette, o popular Goiano, que viveu sua infância e parte da juventude em Velame: “Este movimento é de vocês, jovens de Seabra, somente com o protagonismo de vocês tem sentido a volta do Velame Vivo”, disse ele, emocionado, ao discursar entre uma atração musical e outra que se apresentaram durante a noite.
Lidjone Ribeiro, o "braço executivo" do movimento
Uma atração à parte: Pedro Lima pintando "ao vivo"
Goiano começou a sonhar e fazer nascer o Velame Vivo com seus amigos do Velame, distrito de Seabra
E assim – “a volta com novas perspectivas”, como diz Goiano (leia texto postado logo abaixo) - aconteceu o novo começo, não com a praça cheia como se queria – ainda não -, mas com uma afluência razoável, inclusive de grupos representativos da juventude estudantil e artistas locais, tendo como principal convidado o cantador pernambucano Maviael Melo.

Música, dança e pintura na praça

Além de várias atrações musicais, houve números de dança, feira de artesanato, apresentação dum palhaço malabarista, oficina de artes e exposição de fotografia (do fotógrafo Smitson Oliveira, ex-vereador, que faz parte da coordenação do movimento e assina as fotos desta matéria). O Ponto de Cultura Velame Vivo realizou “Um dia de Educação Patrimonial na Praça”, cumprindo o cronograma do prêmio recebido do Instituto Julio César Melo de Oliveira no ano passado.

Por volta das 19 horas, sempre sob a coordenação e apresentação de Lidjone Ribeiro, o “braço executivo” do Velame Vivo, começaram as atrações musicais, com Ioia Brandão, um artista de muitas artes da cidade, primeiro apresentou Cordel e em seguida cantou em parceria com Cleudir. Seguiram-se Piau, cantor garantia da boa música, grupo Cristais da Chapada (dança e música), Dene Reis e a dupla Tarcísio e Jagatá.

Nesta altura, uma atração à parte: o pintor Pedro Lima, consagrado artista plástico da região (também da coordenação do movimento), pintou “ao vivo” a tela “Caminhos da Chapada”, a qual doou ao Velame Vivo. O quadro foi comprado por um participante/expectador da noite, que, em seguida, o doou a um grupo de estudantes que estava na praça. (Pedro Lima foi premiado em maio deste ano no Salão de Artes Visuais do Estado da Bahia, edição Barreiras, primeiro prêmio que Seabra recebe nesta área).
Ioia Brandão (de chapéu)
Piau
Hugo Luna
Enquanto isso o show não parou: subiram ao palco e cantaram e foram aplaudidos ainda Dênis Róbson, Igor Bastos, Hugo Luna (sanfoneiro afamado da Bahia, filho de Seabra) e Percebes Rabelo. Fechou o espetáculo Maviael Melo, com belas músicas e causos saborosos.

Universidade e Constituinte: “Sonhar e fazer com a juventude”

Foi o recomeço duma trajetória de lutas sempre incentivando as atividades culturais e em prol de melhorias na educação e saúde da população seabrense e da Chapada. Os coordenadores frisam que agora, prioritariamente, é preciso mirar os jovens, buscando a participação cidadã para uma vida mais digna. “Sonhar e fazer com a juventude”, dizem.
Dizem com o respaldo moral de quem pode arrolar, nos oito anos anteriores de atividades, um cabedal razoável de realizações: a instalação de 14 bibliotecas na região, variadas iniciativas para melhorar a vida dos seabrenses e chapadenses, a exemplo da luta pelo Hospital Regional, e dezenas de eventos culturais, como os três concorridos festivais de violeiros.

Como exemplos da ação, agora renovada, do Projeto (agora Associação Cultural) Velame Vivo: no sábado, dia 9, que se seguiu à sexta da Cesta Cultural, coordenadores do movimento participaram em Seabra de duas atividades: a primeira foi uma reunião, no Centro Educacional, com representantes da comunidade visando reforçar a velha luta em favor da criação da Universidade Federal da Chapada Diamantina.


E a segunda foi um encontro com estudantes, também no Centro Educacional, quando se criou um comitê (já são cerca de mil comitês em todo o Brasil) para tocar a luta pelo plebiscito popular pela Constituinte, visando a reforma política do país. Um tema de primeira grandeza na agenda política nacional, que será objeto de um referendo popular entre 1º. e 7 de setembro, organizado de forma independente (fora da institucionalidade) pelos movimentos sociais mais significativos do Brasil.

Mais fotos da noite da Cesta Cultural:
Tibério, João Gomes e Zupa
 

Nenhum comentário: