quarta-feira, 20 de agosto de 2014

SOS PALESTINA: CARAVANA HUMANITÁRIA VENEZUELANA ATRAVESSA O EGITO RUMO A GAZA



(Foto: Nodal)
Recebemos aqui muita ajuda com remédios e alimentos até agora de nove países, e esta é a primeira que chega de um país realmente distante, disse à Prensa Latina Dina Ismail, funcionária pública do Crescente Vermelho do Egito.

Ismaília, Egito, 19 agosto (Prensa Latina) - Uma caravana humanitária da República Bolivariana da Venezuela atravessa hoje a região nordeste do país rumo ao Arish, primeiro ponto de controle no caminho terrestre rumo à Faixa Gaza.
 
A caravana, com um peso de 12 toneladas de ajuda humanitária, começou esta manhã o percurso com custódia militar egípcia e do Crescente Vermelho para chegar até a passagem fronteiriça de Rafah.

O comboio foi conformado ontem com carga procedente da Venezuela, que chegou a um aeroporto militar nesta região de Ismaília, a 140 quilômetros do Cairo, a capital.

Recebemos aqui muita ajuda com remédios e alimentos até agora de nove países, e esta é a primeira que chega de um país realmente distante, disse à Prensa Latina Dina Ismail, funcionária pública do Crescente Vermelho do Egito.

A organização de ajuda humanitária coordenará com os servidores públicos de Gaza a entrega do carregamento nas próximas horas.

Agora começa uma trajetória bem difícil de translado da carga para o Arish e, ao amanhecer, o caminho continuará rumo a Rafah, comentou o embaixador da Venezuela no Egito, Juan Antonio Hernández, que coordena o transporte.

Este envio tem um grande significado porque foi resultado de uma grande coleta nacional entre camponeses, operários e os mais diversos setores populares da vida social da Venezuela, disse o diplomata.

O carregamento solidário contém 25.622 medicamentos, 27.173 quilogramas de alimentos não perecíveis, 412 pacotes de roupa e calçado e 8.123 artigos de higiene pessoal.

Também inclui oito camas clínicas, 22 cadeiras de rodas e 43 colchões anti-escaras.

A viagem até Ismaília durou seis dias com escalas no Brasil, Senegal, Argélia e Malta.

Nenhum comentário: