sábado, 16 de agosto de 2014

MIGUEL DO ROSÁRIO: OS DILEMAS DO PSB

2012-528309721-2012061944937.jpg_20120620
Roberto Amaral e Eduardo Campos (Foto: Tijolaço)
Assim como Gabeira terminou melancolicamente sua carreira sendo chamado de “ex-Gabeira” por um adversário do PSOL durante um debate na TV, é possível que Marina também se torne uma “ex-Marina”.

Por Miguel do Rosário, no seu blog Tijolaço, de 16/08/2014

Por falta de melhor termo, chamo Roberto Amaral de um presidente (de partido) cristianizado.

Em todas as matérias da nossa imprensa “ancien regime” lá estavam eles, os adjetivos  e adjuntos adnominais.

Na Folha:
ScreenHunter_4540 Aug. 16 06.44
 
O Globo abusou da estratégia. Onde aparece o nome de Roberto Amaral, segue um adjunto adnominal explicando que ele é “próximo do PT” ou “simpatizante”.

Não ficou só nisso. O jornal fez textos “acusando” Amaral de ser quase um petista.
ScreenHunter_4542 Aug. 16 06.48

A estratégia revela o que, na verdade, sempre esteve por trás do apoio velado de “formadores de opinião” e “mercado” a Eduardo Campos: a intenção de neutralizar os fumos “socialistas” do partido e estimular a sua ala conservadora.

Você não verá nenhum dirigente do PSB ser acusado de “simpatizante do PSDB”, ou pelo menos não de maneira repetitiva, sistemática.

Os códigos da mídia são relativamente fáceis de entender. Se alguém disser, aqui e ali, que você é simpatizante do PT, tudo bem. Mas quando os jornais começam a repetir, a toda hora e a todo momento, mesmo em matérias que não tratam dessa questão, que você é simpatizante ou próximo ao PT, então isso já não é uma descrição. É uma acusação.

É como se Roberto Amaral, um dos quadros mais antigos e mais leais a seu partido, de repente não fosse mais um quadro partidário confiável. Como se ele fosse mais leal ao PT do que ao PSB, o que é uma injustiça absurda, evidentemente.

Para continuar lendo no Tijolaço:

Nenhum comentário: