domingo, 13 de julho de 2014

PROTESTOS NA COPA: FAVELAS DO RIO CONVOCAM ATO APÓS UM ANO DA MORTE DE AMARILDO



Homens da PM ocupam a favela Nova Holanda, na Zona Norte do Rio (Foto: Correio do Brasil)
“A festa nos estádios não vale as lágrimas nas favelas” é o slogan do protesto marcado para este domingo, no entorno do estádio do Maracanã, simultaneamente à partida final da Copa do Mundo.
Por Correio do Brasil, com BBC - do Rio de Janeiro, de 12/07/2014

O mantra #cadeoamarildo resiste nos morros cariocas. Moradores de favelas como Rocinha, Manguinhos, complexo do Alemão, Santa Marta, Cantagalo e Babilônia (no Rio de Janeiro) se reunirão num ato, marcado para este domingo, em homenagem ao pedreiro Amarildo de Souza, cujo desaparecimento completa um ano nesta segunda-feira. Batizado como “A festa nos estádios não vale as lágrimas nas favelas”, o protesto unificado deve ocorrer no entorno do Maracanã, simultaneamente à partida final da Copa do Mundo.

– Este é um ato diferente dos que aconteceram no Rio desde o ano passado. Dessa vez ele é marcado pelos moradores de favelas. A pauta da favela está colocada em primeiro lugar. A favela enfim é protagonista – explica Gizele Martins, 28, comunicadora comunitária da Maré.

Amarildo, segundo Gizele, tornou-se símbolo para uma série de “abusos com os quais os moradores de comunidades convivem todos os dias”.

– Ninguém gosta de passar por tanque de guerra e armas no quintal de casa. Ninguém quer ser revistado e abusado gratuitamente. Ninguém quer ser confundido com bandido, nem ver parentes e amigos desaparecendo. É contra isso que lutamos. E com a Copa isso se intensificou de um jeito que nunca tinha acontecido – afirmou.

Os principais pontos discutidos pelos moradores das comunidades são o que os organizadores chamam de “militarização das favelas”, por meio das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e presença das Forças Armadas, e as remoções forçadas para obras como teleféricos, que nem sempre refletem as demandas locais.

Nenhum comentário: