segunda-feira, 16 de junho de 2014

VENEZUELA: G77+CHINA EXPRESSA SEU RESPALDO AO GOVERNO FRENTE A ATAQUES IMPERIALISTAS




Nicolás Maduro em meio a outros chefes de Estado do Grupo dos 77 mais China que se reuniram no final de semana na Bolívia (Foto: Prensa Presidencial)

"O império, quando já não pode executar o golpe de Estado, tenta dividir os povos", manifestou Evo Morales: "Bolívia sempre acompanhará esta revolução democrática da Venezuela", acrescentou. E mais: “Enquanto existam o império e o capitalismo, a luta continuará”.

Do sítio web da VTV (Venezuelana de Televisão – estatal), de 15/06/2014

Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) - Os 133 países que integram o Grupo dos 77 mais China (G77+China) manifestaram neste domingo, dia 15, seu respaldo ao governo da Venezuela ante os ataques imperialistas do governo dos Estados Unidos, para tentar provocar uma intervenção no país sul-americano.

Assim o expressou o mandatário da Bolívia, Evo Morales, como presidente pro tempore do bloco internacional, durante a cúpula que se celebra na cidade boliviana de Santa Cruz neste final de semana.

"Irmão Maduro, toda nossa solidariedade, nosso apoio. Respeitamos a batalha que está travando novamente. Enquanto existam o império e o capitalismo, a luta continuará", enfatizou Morales.

Assinalou que as ações violentas que tiveram que enfrentar o povo e o governo do presidente Maduro, eleito constitucionalmente pela maioria do povo, fazem parte da estratégia do império norte-americano para que os povos se enfrentem para dominá-los política e economicamente.

"O império, quando já não pode executar o golpe de Estado, trata de dividir os povos, enfrentá-los, para justificar a intervenção. Continuo convencido de que o chamado Conselho de Segurança das Nações Unidas é usado pelos Estados Unidos para se apossarem dos nossos recursos naturais", acrescentou.

Continua em espanhol:

Advirtió al gobierno de Barack Obama que los pueblos latinoamericanos son rebeldes y saben quiénes son los enemigos de las naciones y de dónde provienen las conspiraciones. "Bolivia siempre acompañará esta revolución democrática de Venezuela".

Desde el pasado 12 de febrero, la extrema derecha venezolana activó un golpe de Estado continuado en el país a través de de acciones violentas y terroristas que dejaron un saldo de 42 personas muertas y cientos de heridos. El objetivo de la desestabilización era generar un clima de caos que propiciara la intervención norteamericana.

Ante la neutralización del Gobierno nacional de tales pretensiones, posteriormente se desveló un plan de magnicidio que se gestaba en contra del presidente Maduro.

Este domingo continúa la cumbre del G77+China que se realiza en Bolivia, donde los mandatarios debaten la agenda que planteará las metas a seguir para 2015, basado en un nuevo orden mundial, de paz y bienestar para los pueblos.

Tradução: Jadson Oliveira

Nenhum comentário: