terça-feira, 17 de junho de 2014

COPA DO BRASIL 2014: UMA ELITE RASTAQUERA



(Ilustração: do Blog do Miro)
A grosseria (contra a presidente Dilma Rousseff na abertura da Copa) tem uma relação direta com o clima beligerante insuflado nas camadas privilegiadas da população pela imprensa.

Por Luciano Martins Costa, no Observatório da Imprensa, de 17/06/2014

Os jornais de terça-feira (17/6) derramam elogios ao desenrolar da Copa do Mundo no Brasil. Alguns textos, como o editorial do Globo (ver aqui), ainda procuram destacar certos problemas remanescentes na estrutura que foi construída ou reformada para o evento, acusando o ex-presidente Lula da Silva de megalomania ao imaginar uma Copa maior que todas as anteriores. Mas o conjunto das análises mostra que a imprensa finalmente se rendeu ao espírito esportivo.

Trata-se de uma mudança importante, mas insuficiente para dissimular o viés que acompanha, como uma sombra, quase tudo que se torna notícia por aqui. Prevalece no material publicado o espírito festivo imposto pelos torcedores, que transformam a disputa em alegre confraternização, com irrelevantes e raros episódios de desentendimento, quase todos protagonizados por argentinos que viajaram para as cidades onde sua equipe se apresenta, sem ingressos para os jogos e sem reserva nos hotéis.

Além disso, as partidas têm preenchido com grande profusão de gols e jogadas memoráveis a expectativa que se cria com o confronto dos melhores times nacionais de cada continente. A surpresa, elemento fundamental na apreciação do futebol, tem feito suas aparições, o que aumenta a alegria dos espectadores e produz o tipo de emoção capaz de manter a competição restrita ao campo esportivo.

Mas a tarefa de analisar o desempenho da imprensa brasileira se complica, mesmo no contexto em que o desejo de celebrar abafa as objeções e os ensaios de protestos – justamente pela obsessão da mídia de vincular todo e qualquer contratempo ao cenário das eleições de outubro.

Para ler mais no Observatório da Imprensa:

Nenhum comentário: