quarta-feira, 28 de maio de 2014

COLÔMBIA: “NO SEGUNDO TURNO SE VAI ESCOLHER ENTRE A PAZ E A GUERRA”



“Se ganha Santos, muito seguramente vamos assinar a paz em breve”, afirma Ávila (Foto: EFE/Página/12)
O cientista político Ariel Ávila analisa o enfrentamento entre Zuluaga e Santos: observou, em entrevista a Página/12, que o uribismo tem muito poder, que o eleitorado não avaliou na hora de votar que é um delito espionar informação do Estado e que Santos não conseguiu explicar a importância do diálogo de paz.

Por Katalina Vásquez Guzmán, de Bogotá, no jornal argentino Página/12, edição de ontem, dia 27 (o título acima é deste blog)

Faltam 20 dias para o segundo turno das eleições presidenciais na Colômbia e cada minuto é fundamental. Depois de se saber que Oscar Iván Zuluaga terminou como vencedor nas votações do domingo, com 29% dos votos frente a 25% obtido pelo atual presidente Juan Manuel Santos, deu-se a partida às articulações para formar as alianças de partidos, conquistar o eleitorado, e por fim, dar a conhecer as propostas programáticas que ficaram na sombra em meio às denúncias de supostas ligações com criminosos em ambas as campanhas.

Ontem o Ministério Público insistiu junto à Procuradoria para que entregue as provas que, se supõe, Álvaro Uribe forneceu recentemente após denunciar que a campanha de Santos recebeu dinheiro do narcotráfico. Do hacker contratado pela equipe de Zuluaga se sabe que continua nas mãos da Justiça, mas ainda não se atua judicialmente contra o próprio candidato. “Isso seria escandaloso, um desastre para esta época eleitoral e a democracia colombiana”, opina o cientista político Ariel Ávila que, em entrevista ao Página/12, fez uma análise sobre a situação de olho na votação em segundo turno.

Até ontem, nem a esquerda, nem os conservadores, nem a alternativa Aliança Verde, que somaram mais de cinco milhões de votos nas urnas neste final de semana, anunciaram sua posição diante das duas opções. O prefeito de Bogotá, Gustavo Petro, que já havia oficializado seu apoio a Santos, entregou ontem a seus homens de confiança a campanha do atual chefe de Estado. Jorge Enrique Rojas, Aldo Cadena e José Miguel Sánchez se afastaram do secretariado de Petro para “reforçar a Unidade Nacional de Juan Manuel Santos na Frente Ampla pela paz. A aliança foi firmada com a esperança de influir sobre o eleitorado de Bogotá e da Costa Atlântica, visando que a presidência da República fique em mãos do santismo”. Para Ávila, dirigente da Fundação Paz e Reconciliação, a aliança Petro-Santos “se saiu muito mal, porque foi feita por baixo do pano. Recordemos que Santos vinha duma disputa muito forte contra Petro (o expulsou temporariamente de seu cargo, recentemente), e nem tudo é aceito; então isto nos fala de como será a crise”.

Ávila explicou a este jornal que, embora os resultados fossem previsíveis a nível geral, no específico foram inesperados. Assegura que “é raro que um presidente em exercício perca e que tenha ficado em terceiro lugar em Bogotá; também que Oscar Iván Zuluaga logre uma votação tão impressionante. O interessante é que Zuluaga é um João ninguém (“un don nadie”). Isto mostra que o uribismo tem muito poder, tem força entre os mais pobres e entre os mais ricos, como o bom populismo, e Uribe continua tendo uma força e um poder impressionantes”.

Quanto aos indícios delituosos em que estão envolvidos os candidatos, em especial o vídeo revelado pela Revista Semana sobre Zuluaga pedindo informação de como estão interceptando ilegalmente comunicações sobre as negociações de paz em Havana, o investigador social (Ávila) opina que “a sociedade colombiana não condenou os escândalos. A campanha de Oscar Iván teve acesso à informação do Estado, a difundiu e a usou em seu benefício. É um delito e a sociedade deu as costas a isto. Isto significa que a sociedade não analisou isto na hora de votar, e ademais que há militares que passam informação ao uribismo, quatro anos depois que Uribe deixou o poder. Ou seja, que o próprio presidente (Santos) tem tido instituições que não consegue controlar totalmente”.

Para alguns, como a colunista Claudia Julieta Duque, “em 15 de junho a Colômbia elegerá presidente entre a quarta e a quinta geração do crime organizado”. Passando por Uribe, Zuluaga e o próprio Santos, se acumulam acusações por delitos que vão desde a formação de grupos paramilitares até execuções extrajudiciais, escutas ilegais, entrega indevida de subsídios agrícolas para camponeses a grandes fazendeiros, e relações com o narcotráfico. O debate, no entanto, está centrado no processo de paz entre o comando das FARC e uma delegação do governo colombiano em Cuba.

“Suspender as conversações em Havana significa que vai acabar o processo de paz. Isso tem que ficar claro ante os colombianos”, assinalou o presidente do Congresso, Juan Fernando Cristo, após se saber o anúncio do candidato Zuluaga de que, se chegar a ser presidente, em 7 de agosto próximo suspenderia os diálogos para forçar a guerrilha a um cessar-fogo definitivo, oferecendo-lhes seis anos de cárcere. Para Ávila, “nunca houve um processo de paz tão avançado nem umas FARC tão comprometidas com tal processo. No segundo turno se vai escolher entre a paz e a guerra. Os diálogos ofuscaram todo o debate eleitoral. Este processo de paz, se ganha Oscar Iván, acaba; as condições que ele coloca são inviáveis. Se ganha Santos, muito seguramente vamos assinar a paz em breve”.

Segundo o analista (Ávila), Santos não conseguiu explicar ao país a importância dos diálogos. “Esta é uma sociedade cheia de preconceitos; e nas sociedades urbanas, que não são as que sofreram com o conflito, mas sim onde mais se vota, o presidente não ganhou. Se o acordo de paz for assinado ou não, a vida dos que vivem nas zonas urbanas não muda a curto prazo”. O que segue, segundo Ávila, é que Santos recupere votos em Bogotá pois, conforme sua visão, “o presidente na Colômbia é definido por Antioquia (um dos 32 departamentos/estados do país), Bogotá e a Costa Atlântica, então ambos os candidatos devem fazer um esforço regional e, a nível político, uma mudança em suas campanhas, porque o país necessita conhecer seus programas, as realizações de Santos na presidência, e ver mais além da continuidade do processo de paz. Segue uma guerra mortal entre os dois candidatos”.

Tradução: Jadson Oliveira

Nenhum comentário: