quinta-feira, 17 de abril de 2014

LEVANTE POPULAR PROTESTA CONTRA TORTURADORES E A REDE GLOBO


O movimento pretende enfrentar a relação de exploração e exclusão em que estão calcadas as estruturas políticas, econômicas e sociais do Brasil
São exemplos de suas ações os escrachos realizados contra torturadores da ditadura militar, a luta por cotas nas universidades públicas e os atos “Fora Globo” pela democratização da comunicação.
Reproduzida da Tribuna da Imprensa Online (via Correio do Brasil), de 16/04/2014
Cerca de três mil jovens fizeram acampamento no Parque CEMUCAM (Centro Municipal de Campismo), localizado na divisa de São Paulo e Cotia. O 2º Acampamento Nacional do Levante Popular da Juventude acontece entre os dias 17 e 21 de abril, no km 25 da Rodovia Raposo Tavares.
 
O evento auto-construído e colaborativo contará com mesas de formação política para os jovens militantes e dezenas de oficinas, com técnicas de agitação e propaganda utilizadas nas ações do movimento.
 
Delegações de 20 Estados estarão presentes, além de representantes de outros países da América Latina, como Venezuela, Cuba, Uruguai e Argentina.
 
Levante Popular da Juventude
 
O Levante Popular da Juventude é um movimento social composto por jovens de todo o Brasil, que vivem na periferia dos centros urbanos, atuam em escolas e universidades e participam de movimentos sociais do campo.
 
Surgido no Rio Grande do Sul em 2006, o movimento se nacionalizou em 2012, após o primeiro Acampamento Nacional, ocorrido em Santa Cruz do Sul (RS) e  atualmente, o Levante está organizado em 20 Estados. São exemplos de suas ações os escrachos realizados contra torturadores da ditadura militar, a luta por cotas nas universidades públicas, os atos “Fora Globo” pela democratização da comunicação, o ato contra o “propinoduto tucano” e, mais recentemente, os “rolezinhos” contra as encoxadas no metrô de São Paulo.
 
A bandeira política do movimento se traduz no chamado Projeto Popular, que representa uma profunda transformação da sociedade.
 
O movimento pretende enfrentar a relação de exploração e exclusão em que estão calcadas as estruturas políticas, econômicas e sociais do Brasil.
 
Por isso, o movimento faz lutas para enfrentar a concentração de terras na área rural, o oligopólio dos meios de comunicação, a precarização ou privatização crescente dos serviços públicos de saúde, educação e transporte, a especulação financeira e imobiliária dos centros urbanos, bem como o machismo, o racismo e o preconceito nitidamente existentes nas relações sociais pretéritas e atuais.
 
Em suas articulações com outros movimentos, o Levante cultiva relações com movimentos da Via Campesina, especialmente o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), além da Marcha Mundial das Mulheres (MMM).

Nenhum comentário: