domingo, 16 de fevereiro de 2014

RIO DE LÁGRIMAS (os black blocs e a imprensa golpista)



Pode estar envolvida no episódio que resultou na morte do cinegrafista Santiago Andrade “gente vinculada ao crime organizado, com participação do jornal O Globo e sua rede de TV, do golpista Roberto Marinho”.

Por Otto Filgueiras, jornalista, no Correio da Cidadania, de 14/02/2014 

 Não demorou nem uma semana para o jornal O Globo, do golpista Roberto Marinho, acusar, sem apresentar provas, o PSOL do Rio de Janeiro e o gabinete do deputado estadual Marcelo Freixo de envolvimento na morte do cinegrafista Santiago Andrade. Por seu lado, o advogado do rapaz que teria acendido o rojão, que atingiu a cabeça do jornalista, falou em entrevistas que o seu cliente e outros jovens iguais a ele teriam sido pagos para ir às manifestações.

 Mesmo levando em conta a conversa do advogado, artifício usado por alguns defensores, sem consistência política, nos tribunais militares durante a ditadura, é fato que tudo isso revela-se apenas um jogo de cena, para minimizar a ação truculenta da Polícia Militar carioca, a impopularidade e irresponsabilidade do governo Sérgio Cabral, e a barbárie capitalista.


 Indigitar os black blocs pelo assassinato do cinegrafista é fantasioso. Os blacks se apresentam de preto e com máscaras. As imagens sobre o suspeito, depois preso, mostram um rapaz de camisa cinza e sem máscara.

 Além disso, pode ser gente vinculada ao crime organizado, com participação do jornal O Globo e sua rede de TV, do golpista Roberto Marinho.

 Infelizmente, muita gente de esquerda embarca nisso, como se deixa embalar pela tentação do militarismo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Esses protestos são coisa de gente desocupada, trabalhar pra quê?