quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

CONCURSO GLOBELEZA: "VIRAM COMO NÃO SOMOS RACISTAS?"

Em carta, movimento afirma que o concurso Globeleza é uma forma de mascarar a exploração do corpo da mulher negra: “Querem que vejamos a exploração dos nossos corpos como um elogio”

Manifesto: O “caça às mulatas” e a luta feminista

Do sítio do jornal Brasil de Fato, de 04/12/2013

Racismo, exploração, patriarcalismo e “caça as mulatas” são críticas centrais de texto recém divulgado por militantes do Núcleo Negra Zeferina da Marcha Mundial das Mulheres, na Bahia.

No documento, feministas alertam que o corpo das mulheres negras é constantemente hipersexualizado nas TVs, seja nas propagandas, novelas, nos programas de esporte ou auditório. “A mercantilização da nossa sexualidade é naturalizada para que as mulheres sejam cada vez mais exploradas”, dizem.

Dentro desta lógica, elas citam o concurso realizado pela TV Globo, o “Globeleza” como uma forma de, mais uma vez, afirmar a mulher como coisa ou objeto sexual. “O concurso para eleger a nova Globeleza foi um desses momentos em que se afirmou em rede nacional: ‘Viram como não somos racistas? Estamos aqui cultuando esse lindos corpos negros’”, diz a carta.

As feministas também elaboraram um vídeo em que satirizam a música tema do concurso.

Veja a íntegra da carta/manifesto, clicando aqui, e o vídeo aqui.

Nenhum comentário: