domingo, 29 de setembro de 2013

SISTEMA DA INTERNET DOS BRICS PODERIA ACABAR A HEGEMONIA DOS EUA NA REDE

(Fotos: Actualidad RT/Aporrea)












Por Atualidade RT (Rússia Today) - reproduzido do portal venezuelano Aporrea.org, de 23/09/2013

O bloco dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) está cada vez mais perto de criar um novo sistema que garanta um acesso à Internet simples e barato para milhões de pessoas. Deste modo se poderia por fim à hegemonia dos Estados Unidos na Web.



Se chama BRICS Cabo e se apresenta como uma infraestrutura alternativa num mundo que se encontra em meio a importantes desafios econômicos. Na atualidade, os países BRICS estão conectados entre si através de centros de telecomunicações localizados na Europa e nos EUA, o que supõe custos elevados para eles.



Se trata dum sistema formado por cabos de fibra ótica de 34.000 quilômetros de longitude, com uma capacidade de 12,8 terabytes por segundo, que unirá os cinco países com os EUA. Sua finalidade será garantir a milhões de pessoas um acesso fácil e barato à Internet.



Também oferecerá acesso imediato dos países do bloco a 21 países africanos e permitirá que estas nações tenham acesso às economias dos BRICS.



As etapas de planejamento e viabilidade começaram em março de 2011, poucos meses depois da admissão da África do Sul no bloco econômico, e se estima que o sistema entrará em funcionamento a partir do segundo semestre de 2014.



"O público em geral não conhece boa parte do plano dos BRICS. Entretanto, é muito real e extremamente eficaz", afirma o sítio web Planet Infowars.



De fato, aponta o sítio web, investidores de todo o mundo já mostraram seu interesse neste projeto sem precedentes.



Após se saber que a NSA (agência de espionagem estadunidense) interceptou comunicações de latino-americanos, espionou a estatal brasileira de petróleo, a Petrobras, e os cidadãos que confiaram seus dados pessoais a companhias como Facebook e Google, a presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, ordenou uma série de medidas para combater a espionagem dos EUA. Iniciativas que se somariam à desta nova infraestrutura.

Nenhum comentário: