sexta-feira, 27 de setembro de 2013

NA ONU, EVO MORALES PROPÕE UM TRIBUNAL DOS POVOS PARA JULGAR OBAMA




Morales quer processar o "governo de Obama" por delitos de lesa humanidade, terrorismo internacional e intervencionismo para roubar os recursos naturais (Foto: Aporrea.org)
O presidente boliviano Evo Morales propôs na quarta-feira à noite, quando falou na 68ª. sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, em Nova Iorque (EUA), a criação dum Tribunal dos Povos para processar o presidente estadunidense, Barack Obama, pelos delitos de lesa humanidade, terrorismo internacional e intervencionismo visando se apropriar de recursos naturais de outros países.

Num inflamado discurso pronunciado na sede da ONU, Morales disse que é necessário iniciar um julgamento do “governo de Obama”, conforme noticiou o portal Nodal – Notícias da América Latina e Caribe, em matéria de ontem, dia 26.

“Se estamos aqui debatendo seriamente sobre a vida da humanidade, eu quero lhes propor, talvez possamos compartilhar com alguns, seriamente temos que pensar em constituir um Tribunal dos Povos com organismos internacionais e grandes defensores dos direitos humanos para começar um julgamento contra o governo de Obama”, afirmou.

O mandatário indígena deu como exemplo para o processo por lesa humanidade os bombardeios contra a Líbia. Citou então o fornecimento de armas aos opositores para configurar um caso de terrorismo internacional e, ainda quanto à Líbia, um caso de intervencionismo, buscando pretextos para se apropriar de seus recursos naturais.

Referiu-se também à invasão do Iraque e continuou: “Eu continuo convencido, por trás de qualquer guerra, por trás de qualquer intervenção, o que fazem é tomar os nossos recursos naturais, e isso vivemos na Bolívia, mas lá recuperamos nossos recursos naturais democraticamente, não com balas e sim com votos, não com dinheiro e sim com a consciência da Bolívia, do povo boliviano”.

Evo Morales fez um chamamento à consciência dos chefes de nação ali reunidos, clamando contra o bloqueio econômico utilizado como arma de guerra pelo império estadunidense, classificando-o como genocídio (o bloqueio a Cuba, por exemplo, o mais escandaloso, já dura 51 anos). Para ele, a formação do tribunal internacional se justifica, “se realmente somos responsáveis pela vida e pela humanidade, se somos responsáveis pela verdade, se somos responsáveis pela justiça e pela paz”.

Ainda de acordo com o portal Nodal, o mandatário boliviano frisou que a guerra é o negócio do capitalismo e disse que não pode haver justiça, nem igualdade, enquanto predomine o negócio da guerra.

Nenhum comentário: