domingo, 21 de julho de 2013

SÉRGIO VAZ: QUEM GRITA SOMOS NÓS

Frequentadores do sarau da Cooperifa participam do Ajoelhaço (Foto: Divulgação)

Poeta e fundador da Cooperifa escreve poema sobre as manifestações de junho

Do sítio da revista Fórum (editada por Renato Rovai), postagem de 21/07/2013

Sérgio Vaz, poeta e fundador da Cooperifa (Cooperativa Cultural da Periferia - SP), tradicional sarau realizado na zona sul de São Paulo, escreveu um poema sobre as manifestações populares que ocorreram no mês de junho no Brasil.

No texto, o poeta explica para os “que não entendem”, que é o povo que foi às ruas do país. Para Vaz, os que desconhecem o povo que está protestando, está “dentro do castelo às custas da miséria humana.”

Confira o poema:

Somos Nós

Vocês dizem que não entendem
Que barulho é esse que vem das ruas
Que não sabem que voz é essa
que caminha com pedras nas mãos
em busca de justiça, porque não dizer, vingança.


Dentro do castelo às custas da miséria humana
Alega não entender a fúria que nasce dos sem causas,
dos sem comidas e dos sem casas.
O capitão do mato dispara com seu chicote
A pólvora indigna dos tiranos
Que se escondem por trás da cortina do lacrimogêneo,
O CHICOTE ESTRALA, MAS ESSE POVO NÃO SE CALA..


Quem grita somos nós,
Os sem educação, os sem hospitais e sem segurança.
Somos nós, órfãos de pátria
Os filhos bastardos da nação.


Somos nós, os pretos, os pobres,
Os brancos indignados e os índios
Cansados do cachimbo da paz.
Essa voz que brada que atordoa seu sono
Vem dos calos das mãos, que vão cerrando os punhos
Até que a noite venha
E as canções de ninar vão se tornando hinos
Na boca suja dos revoltados.


Tenham medo sim,
Somos nós, os famintos,
Os que dormem nas calçadas frias,
Os escravos dos ônibus negreiros,
Os assalariados esmagados no trem,
Os que na tua opinião,
Não deviam ter nascido.


Teu medo faz sentido,
Em tua direção
Vai as mães dos filhos mortos
O pai dos filhos tortos
Te devolverem todos os crimes
Causados pelo descaso da sua consciência.


Quem marcha em tua direção?

Somos nós,
os brasileiros
Que nunca dormiram
E os que estão acordando agora.


Antes tarde do que nunca.

E para aqueles que acharam que era nunca,
agora é tarde.


Sérgio Vaz

Nenhum comentário: