sábado, 6 de outubro de 2012

OS BENEFÍCIOS DA REVOLUÇÃO VENEZUELANA CHEGAM AOS POBRES ATRAVÉS DAS “MISSÕES”



Os integrantes das missões fizeram uma "marcha" no último dia 22 na campanha pró Chávez: "Misión Ribas" (lido por trás, de cabeça para baixo) (Foto: AVN)
Apesar dos esforços das corporações da mídia hegemônica no Brasil e no mundo, Chávez deve ser reeleito neste domingo, dia 7. Por que? Creio que o fator mais visível de sua provável vitória sejam as “misiones”, ou seja, os programas de assistência e inclusão sociais. Segundo a ONU, Venezuela eliminou o analfabetismo e tem hoje os menores índices de desigualdade social da América Latina e Caribe.

De Caracas (Venezuela) – É através das chamadas missões (“misión” – “misiones”) que as camadas mais pobres da população venezuelana percebem que a revolução bolivariana trabalha por elas e para elas. É por isso que os moradores das “barriadas”, dos “barrios” (morros, encostas, favelas) adoram o presidente Hugo Chávez e devem garantir sua segunda reeleição neste domingo, dia 7. É por isso que o principal candidato opositor, Henrique Capriles, jura – e quase ninguém acredita – que não vai acabar as missões, ao contrário, vai ampliá-las e criar outras.

São umas 20, distribuídas por cinco blocos: educação, saúde, alimentação, moradia e as chamadas sociais. Forçando uma comparação: é como se o governo de Lula, na hora de criar o Bolsa Família, criasse a “Missão Bolsa Família”; ou na hora de criar as cotas para negros na universidade, criasse a “Missão Negros na Universidade”; ou na hora de criar o Fome Zero, criasse a “Missão Fome Zero”. (Como acontece no Brasil, aqui também os mais ricos costumam comentar que os mais pobres gostam de Chávez - como aí gostam de Lula - porque não gostam de trabalhar, querem tudo dado de mão beijada pelo governo).
Os milhares de "misioneros" desfilaram da Praça Venezuela até o centro de Caracas (seis quilômetros) (Foto: AVN)
A idéia-força fundamental das “misiones” bolivarianas é “driblar” os entraves da burocracia do Estado burguês; o dinheiro destinado a elas, que vem dos imensos recursos das exportações de petróleo (Venezuela é o quinto maior exportador mundial e tem a maior reserva comprovada), não precisa passar pelos labirintos do burocratismo e vai mais diretamente às comunidades pobres através dos milhares de Conselhos Comunitários (“Consejos Comunales”, “Comunas Socialistas”). O processo se insere na construção do chamado Poder Popular ou Poder Comunal, que já tem bases institucionais graças à maioria chavista na Assembleia (Congresso) Nacional.

“Misión Vivienda”: não são “barracos”, são “casas dignas”

A missão que nesses últimos meses teve mais visibilidade pública foi a da moradia – “La Gran Misión Vivienda Venezuela” (vivienda quer dizer moradia). Caracas (e pelo país afora, segundo alardeia o governo) está cheia de edifícios em construção, o que foi acelerado ultimamente devido às milhares de famílias  desalojadas por chuvas (claro que há os que dizem que foi devido à proximidade das eleições, mas vamos em frente). Conforme Chávez tem repetido em pronunciamentos e entrevistas, ela tinha como meta construir 350 mil casas/apartamentos em dois anos (2011-2012). Até agora entregou 250 mil e ele garante que entrega o restante até dezembro próximo.

E não são “barracos”, frisa sempre: são “casas dignas”, espaçosas, feitas com material de boa qualidade, entregues com equipamentos domésticos, pagamento facilitado, preço na base de 20% dos custos e localizadas em boas áreas urbanas (tanto assim que têm surgido queixas de moradores de classe média contra os novos vizinhos).
Moradia para o povo: muitas construções na capital venezuelana, esta é em Montalbán, bairro em parte de classe média (Foto: Jadson Oliveira)
Para o seu próximo período presidencial (2013-2019), se for reeleito, a meta é bem mais ambiciosa: 3 milhões. Promete zerar o déficit habitacional: “No final do meu próximo mandato não restará uma só família sem moradia digna na Venezuela”, tem repetido. Para quem é meticuloso, faz as contas e duvida, o presidente-candidato antecipa-se logo argumentando que agora a participação das próprias comunidades beneficiadas será maior, na medida em que avance a construção do Poder Popular.

Na área educacional são várias missões que permitem a inclusão e ascensão social dos segmentos mais pobres: Misión Robinson (para os analfabetos), Ribas (educação básica), Sucre (estudos universitários), etc. Não é por acaso que a Venezuela já erradicou o analfabetismo, segundo avaliação das Nações Unidas (ONU), e é o quinto país no mundo com maior taxa de matrícula de estudantes universitários (83%), de acordo com informe da Unesco.

Há outras para cuidar da alimentação dos mais pobres, como La Gran Misión Agrovenezuela (para incrementar a produção) e a Mercal, para distribuição e venda de alimentos a preços mais baratos por meio de mercados e supermercados. Há outras meio dispersas, às vezes são mencionadas como “sociais” (nome impreciso, mas que indica não estarem nos outros grupos), exemplos: Gran Misión en Amor Mayor (para aposentadoria dos idosos), Guaicaipuro (para os indígenas), Identidad (para agilizar a tramitação de documentos de identidade), etc, etc.

Veja como funciona o “SUS” venezuelano

E há um grupo importantíssimo, o da saúde, que deixei para o final porque tenho meu testemunho pessoal. Aí temos uma que é mencionada com frequência na mídia, a Misión Milagro (tratamento das vistas, operações de catarata), pois é executada por médicos cubanos em muitos países. Mas a mais importante é a Misión Barrio Adentro (na verdade, são quatro, numeradas: Barrio Adentro 1, 2, 3 e 4). É, nada mais, nada menos, o “SUS” venezuelano (nosso Sistema Único de Saúde), o sistema público de saúde gratuito. Mas bem mais eficiente do que o brasileiro. Nele trabalham aqui em torno de 20 mil médicos cubanos, além de cubanos também como enfermeiros e técnicos (muitas mulheres). (Cuba recebe em troca petróleo).
Graças a um acidente, tive oportunidade de comparar o serviço público de saúde da Venezuela com o do Brasil (Foto: Jadson Oliveira)
Fui paciente do Barrio Adentro quase quatro meses, até a última quarta-feira, dia 3, quando me deu alta a doutora cubana María Julia Rodríguez Nápoles (Medicina Física e Reabilitação, de acordo com um papelzinho de receita). Vou resumir (um dia relato aqui com mais vagar): levei uma queda, quebrei o dedinho da mão esquerda, fiquei um mês com a mão engessada e fiz dois meses de fisioterapia (de 1º. de agosto a 1º. de outubro). Fui atendido aqui sem demora, sem aquelas filas desumanas que os brasileiros pobres conhecem, sem qualquer burocracia: me pediram somente o número da identidade ou do passaporte (meti a mão no bolso pra pegar, me disseram: não, não precisa, diga só o número).

Bem, tirei o gesso aí no Brasil, em Salvador. Fiz questão de procurar o SUS, justamente pra comparar. Pra fazer a fisioterapia, o médico me mandou a uma clínica particular no Largo dos Aflitos, área do centro da capital baiana, onde disseram que o atendimento ao SUS estava suspenso. Procurei uma outra: avisaram que eu voltasse no fim de agosto para fazer a marcação (isto em meados de julho). Voltei a Caracas e comecei a fisioterapia em 1º. de agosto.

Duas evidências em minha cabeça:

1 – Aqui não tem essa coisa de pobre ir para a fila “lá embaixo” (como me mandaram, separado dos que pagam) na clínica privada, aqui todas as etapas do tratamento foram feitas no serviço público, aqui a revolução bolivariana está tentando acabar o capitalismo e construir o socialismo;

2 – No setor em que fui atendido para a fisioterapia/reabilitação (dois meses), havia pacientes também de cardiologia, odontologia e laboratório. A movimentação acontecia razoavelmente bem. Eu ficava ali pensando: é por isso que essa gente mais pobre vai votar em Chávez. E mais: não apenas vota, tem Chávez como um santo, uma espécie de Deus.

2 comentários:

Paulo Soares disse...

Esse é o verdadeiro socialismo!

Jadson disse...

Paulinho, não sei se podemos chamar de "verdadeiro", mas concordo com vc no sentido de que aqui está se construindo algum tipo de socialismo, enfrentando realmente a burguesia e o império dos Estados Unidos e tentando construir o Poder Popular, que é quem pode garantir uma luta consequente contra o capitalismo. Sinto que a coisa aqui é pra valer, não é por acaso que Chávez é tão caluniado na imprensona da direita.
Estou agora (início da noite de domingo, dia 7) na expectativa dos primeiros resultados da eleição, aqui não se divulga resultado de boca de urna.